McDonald’s inicia compra de carne de pecuária sustentável da Amazônia

A Arcos Dorados, maior franqueadora da rede de fast food McDonald’s no mundo, anunciou em agosto do ano de 2016 a aquisição de carne produzida em áreas de pecuária considerada como sustentável no bioma amazônico, revendo a política da companhia que a impedia de ter fornecedores na região.

A companhia, que tem 884 lojas McDonald’s no Brasil, informou que o projeto começaria com a aquisição de 250 toneladas de carne vinda de Alta Floresta, no norte do Mato Grosso, onde 23 fazendas estão cadastradas no Programa Novo Campo.

O programa, implementado pela empresa Pecuária Sustentável da Amazônia (Pecsa), tem parceria da JBS, maior processadora de carne do mundo e fornecedora das lojas da Arcos Dorados no Brasil.

A companhia compra por ano 30 mil toneladas de carne bovina no Brasil, disse o diretor de sustentabilidade da Arcos Dorados, Leonardo Lima. Segundo ele, a intenção é elevar o volume de compras de áreas que praticam pecuária sustentável no Brasil, atingindo 100% nos próximos anos.

“No próximo ano, o número de 250 (toneladas) vai ser maior. Queremos evitar pressões aos fornecedores. Mas claramente vai ser disponibilizado mais carne de pecuária sustentável”, afirmou no lançamento do programa.

Segundo Lima, o Brasil é o segundo país na rede global do McDonald’s, depois do Canadá, a implementar o plano de compra de carne de pecuária sustentável.

Representantes do McDonald’s visitam a Pecsa

A nova diretora global de sustentabilidade do McDonald’s, Rachael Sherman, e o gerente de cadeia de suprimentos Leandro Lemos de Souza da Arcos Dourados, operadora do McDonald’s na América Latina, visitaram recentemente a Pecsa – Pecuária Sustentável da Amazônia, para conhecer a dinâmica utilizada pela empresa na promoção da cadeia sustentável.

A parceria comercial entre a empresa, a rede de fast food e a JBS já dura dois anos. Antes disso, o McDodald’s tinha uma política rigorosa que impedia a compra de carne da Amazônia.

As principais exigências da rede para seus fornecedores é que os animais abatidos sejam criados em áreas não desmatadas e que adotem as boas práticas agropecuárias. Hoje, a Pecsa é a única empresa na região amazônica que atende aos critérios exigidos pela multinacional.

Rachael Sherman explica que o McDonald’s segue uma política de sustentabilidade que inibe a compra de carne vindas de propriedades com histórico de desmatamento.

Além do Brasil, a rede negocia carne sustentável com Irlanda, Austrália, Estados Unidos e Canadá, e trabalha junto a grupos como a Mesa Redonda Global sobre Carnes Sustentável (Global Roundtable on Sustainable Beef).

“Compartilhamos boas práticas e aprendizados por todo o mundo. Assim, podemos visualizar o andamento dos trabalhos relacionados à carne sustentável no nível global e trazer essas experiências para o nível local, como o que estamos fazendo ao conhecer os projetos da Pecsa”, aponta Rachael.

O gerente de cadeia de suprimentos da Arcos Dourados, Leandro Lemos de Souza ressalta que o caminho da sustentabilidade não tem volta. Na avaliação dele,  o trabalho realizado pela Pecsa é de nível avançado no Brasil.

“É um trabalho muito importante para o desenvolvimento sustentável. O que a gente precisa é aumentar o nível de produtividade com cada vez menos áreas. Isso é um desafio do Brasil como um todo. O trabalho que está sendo feito aqui é muito importante”.

Para Vando Telles de Oliveira, diretor executivo da Pecsa, estreitar as relações com a rede McDonald’s é um atestado de confiança e transparência para a Pecsa. “Onde o McDonald’s entra, abre portas para outros elos do varejo entrarem também. Significa que estamos prontos para atender o mercado mais exigente”.

A visita aconteceu nos dias 22 e 23 de junho de 2017. A equipe conheceu uma das fazendas gerenciadas pela Pecsa no município de Carlinda.

Além disso, a Pecsa está com resultados muito bons de aumento de lotação e produtividade por hectare, de acordo com sua assessoria de imprensa.

Fonte: Reuters e Pecsa, resumida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 23 de agosto de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020