Categories: Giro do Boi

Mato Grosso coloca 2022 como meta para ser livre de aftosa sem vacinação

Os produtores de Mato Grosso avançaram nas discussões sobre a conquista definitiva do status de  área livre de aftosa, sem vacinação, para todo o seu rebanho de 30,98 milhões de bovinos. A meta obter esse status é em 2022 e se ver livre de um custo anual da ordem de R$ 86 milhões, estimativa do gasto dos pecuaristas para proteger seus rebanhos.

O debate foi o tema do 2º Fórum Estadual de Vigilância contra a Febre Aftosa, realizado nesta quinta-feira (22/10), no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), em Cuiabá. O evento presencial foi transmitido ao vivo pelo canal da Famato no YouTube.

“Nesse momento, conforme os estudos apontam, não há vírus circulante em Mato Grosso. A mensagem hoje é: tudo está sendo feito com responsabilidade. Não haverá retirada da vacinação sem as garantias de segurança necessárias”, diz o produtor Francisco Pugliesi de Castro, vice-presidente da Famato.

O cenário é um dos primeiros passos para que o Estado passe a reivindicar sua reclassificação dentro dos próximos dois anos e dependerá muito do apoio dos produtores daqui para frente.

“O produtor rural é o grande responsável por conquistarmos a imunização do rebanho. Entendeu a importância de vacinar e cuidar do seu plantel e, por isso, hoje temos condição de retirar a vacinação com segurança e manter a sanidade animal dos nossos rebanhos”, afirmou Castro durante o evento.

Livre de vacinação e de perdas

Atualmente, no Estado, a vacinação é feita em duas etapas, o que representa aproximadamente 43 milhões de doses, ao custo de R$ 1,50 cada, totalizando R$ 64 milhões de investimento ao ano. Estima-se ainda uma perda para o produtor de cerca de R$ 19 milhões, ao ano, com lesões dos animais, entre outros custos.

“A retirada da vacina em Mato Grosso vai deixar no bolso dos produtores R$ 86 milhões a cada ano”, afirmou o chefe da Divisão de Febre Aftosa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Diego Viali dos Santos.

Para se ter uma ideia, o custeio anual para a manutenção do Indea-MT é de aproximadamente R$ 25 milhões.

Próximos passos

Atualmente, segundo as diretrizes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), é necessário o cumprimento de 42 ações do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (PNEFA) para que a área alcance o status livre sem vacinação. O Estado já cumpre 41 deste total, ações que estão sendo desenvolvidas desde 2017, e por isso está próximo de se ver livre da tarefa de vacinar os bovinos.

No entanto, a evolução dependerá também de outros Estados, já que o País foi divido em cinco blocos para favorecer o processo de transição de zonas livres de febre aftosa com vacinação para livre sem vacinação.

Mato Grosso possui um pequeno território no Bloco 1, que reúne também Acre, Rondônia e parte do Amazonas. A maior parte está do no Bloco 4, que reúne, além de Mato Grosso, nove Estados – Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Tocantins – mais o Distrito Federal.

A aftosa na América do Sul

O caminho para o Brasil ser classificado como livre sem vacinação não possui influências externas, como lembrou o chileno Alejandro Rivera, coordenador do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa).

Segundo Riviera, dos 13 países que fazem parte da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (Cosalfa) – Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Venezuela e Uruguai – a Venezuela é a única área de risco que precisa ser mitigada.

Além do Estado de Santa Catarina, também são áreas livres da febre aftosa sem vacinação: Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Peru, Chile e parte da Bolívia e da Argentina.

Fonte: Portal DBO.

This post was published on 23 de outubro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

FAO: apesar da pandemia, produção mundial de carnes recua apenas meio por cento em 2020

No segundo Food Outlook do corrente exercício, ontem divulgado, a FAO estima que a produção… Read More

27 de novembro de 2020

Ministra da agricultura da Alemanha pede que frigoríficos trabalhem horas extras para escoar animais alojados em fazendas

A ministra da Agricultura da Alemanha pediu na sexta-feira (27) que os frigoríficos trabalhem nos finais… Read More

27 de novembro de 2020

Produtos agropecuários respondem por 21% da movimentação dos portos brasileiros

A participação dos produtos agropecuários na movimentação de cargas nos portos brasileiros passou de 16%… Read More

27 de novembro de 2020

IGC reduz estimativa para a produção globalde grãos em 2020/21

O Conselho Internacional de Grãos (IGC, na sigla em inglês) reduziu em 7 milhões de… Read More

27 de novembro de 2020

Câmbio e demanda externa pressionam alimentos, que pesam em preços ao produtor

A alta de 3,4% no Índice de Preços ao Produtor (IPP) em outubro foi fortemente… Read More

27 de novembro de 2020

China beneficia operações de Marfrig e JBS também nos EUA

O indicador de margem bruta da indústria de carne bovina dos EUA chamou a atenção… Read More

27 de novembro de 2020