Categories: Giro do Boi

Máquinas agrícolas: pandemia da Covid-19 causou falta de matéria-prima

A forte demanda por máquinas agrícolas em 2020, ano em que fabricantes e fornecedores de peças tiveram de interromper operações em virtude da pandemia da Covid-19, tem trazido desafios para o setor, afirmou o presidente da AGCO para América do Sul, Luis Felli.

Em transmissão ao vivo realizada nesta quarta-feira, 18, promovida pela FGV Agro e conduzida pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, Felli disse que os mais de mil decretos estaduais e municipais publicados entre março e abril restringindo a circulação de pessoas e mercadorias geraram uma ruptura no fornecimento de matérias-primas para a indústria de maquinário.

“Hoje falta aço, plástico, borracha, pneu, parafuso. Várias usinas de aço também pararam, e tudo isso criou uma ruptura que ainda está sendo sentida”, disse ele.

Ao mesmo tempo, a grande produção de grãos, os patamares elevados de preços e as menores taxas de juros têm impulsionado a demanda por máquinas no país.

Segundo Felli, as vendas de tratores no varejo (das concessionárias para produtores) cresceram 16% entre janeiro e outubro, enquanto os negócios fechados entre fábricas e concessionários (no atacado) não aumentaram.

No caso das colheitadeiras de grãos, o volume vendido por revendas a produtores foi 20% superior, enquanto no atacado o crescimento foi bem menor, de 6%.

“Com essa ruptura provocada pela pandemia, estamos produzindo hoje volume não muito diferente do que foi programado há seis meses. Há uma incapacidade da indústria de aumentar sua produção para atender à demanda, mas estamos tentando”, revelou.

“Nós (AGCO) estamos com nossa capacidade (produtiva) bastante tomada e temos uma programação forte até o início do ano. Não é um problema só nosso, mas de todo mundo”, continuou.

A demanda por maquinário tem sido puxada principalmente por produtores de grãos, de acordo com Felli, mas usinas de cana-de-açúcar também têm contribuído de forma relevante com as vendas, conforme o executivo.

As informações são do Estadão.

This post was published on 20 de novembro de 2020

Share

Recent Posts

Carne argentina na Europa: da melhor do mundo à concorrência crescente

A carne argentina continua sendo um produto apreciado na União Europeia (UE), mas há importadores… Read More

14 de janeiro de 2021

Uruguai quer ampliar cota de carne dos EUA e exportar língua bovina ao Japão

O Uruguai pediu mais uma vez ao Japão que considerasse a possibilidade de entrada de… Read More

14 de janeiro de 2021

CEPEA: Indicador sobe 7% na parcial de jan/21 e recupera perdas de dez/20

Depois de recuarem 5,85% em dezembro, os preços da arroba do boi gordo no mercado… Read More

14 de janeiro de 2021

Em uma década, Brasil muda a geografia global de sua carne bovina

Em 2020, o Brasil bateu dois recordes na exportação de carne bovina. Em valor, saltou… Read More

14 de janeiro de 2021

Carnes: China importa quase 10 mi de toneladas em 2020, alta de 60%

A China importou 9,91 milhões de toneladas de carne em 2020, com um aumento de… Read More

14 de janeiro de 2021

Safra de grãos 2020/21 deve alcançar 264,8 milhões de toneladas

A safra de grãos 2020/21 deve alcançar a marca de 264,8 milhões de toneladas, conforme… Read More

14 de janeiro de 2021