China libera desembarque de carne bovina brasileira certificada antes de 4 de setembro
23 de novembro de 2021
Aplicativo Bovitech Salga oferece controle facilitado da suplementação alimentar do gado a pasto
24 de novembro de 2021

Mantendo vacas prenhes durante o verão

Emprenhar vacas é apenas parte da história. Mantê-los prenhes, especialmente durante os meses de verão, também exige atenção aos detalhes.

Em situações normais, onde o touro é fértil e cobre as vacas no momento certo, as taxas de fertilização se aproximam de 100%. Portanto, se uma taxa de concepção de serviço único normalmente esperada é de 60-80%, a diferença vem da perda embrionária ou fetal. A maior parte dessa perda ocorre nos primeiros dias de desenvolvimento e as vacas ou novilhas voltam no cio e têm outra oportunidade de se instalarem 19-24 dias depois. Perder um ciclo significa que o bezerro da vaca será mais jovem e mais leve ao desmame. Mas, perder uma prenhez após a passagem do ciclo de cio aumenta a perda econômica.

Para vacas de corte e novilhas, relativamente pouca perda de prenhez ocorre além de 60 dias após o acasalamento em situações normais. No entanto, o estresse térmico pode aumentar a perda de prenhez no segundo e até no terceiro trimestre. Para agravar o problema, os bezerros da primavera costumam ser desmamados e as vacas trabalhadas em uma época do ano extremamente quente. Vacas e novilhas com parto no outono tendem a parir mais cedo do que a data calculada quando longos períodos de calor ocorrem até o terceiro trimestre.

Algumas das pesquisas originais sobre estresse por calor e taxas de prenhez foram feitas na Oklahoma State University. Esses pesquisadores descobriram que quando o gado foi criado em uma temperatura relativamente fria, mas depois exposto a temperaturas moderadas e severas, suas taxas de prenhez diminuíram em até 50%. Além disso, eles descobriram que os fetos sobreviventes eram menores em vacas sob estresse térmico e eram mais propensos a perdas mais tarde na prenhez.

É extremamente importante lembrar que o gado tem uma temperatura crítica superior que é mais baixa do que a humana. Isso significa que quando nos sentimos desconfortáveis ​​devido ao calor, o gado pode ficar extremamente estressado. A umidade aumenta o problema, pois aumenta o índice de calor e limita a capacidade do gado de dissipar o calor.

Adicionar outros estressores ao estresse térmico agrava esses problemas. Se vacas e novilhas forem expostas a doenças contra as quais não foram devidamente vacinadas, seu sistema imunológico pode ficar sobrecarregado. O estresse térmico diminui o pastoreio e o consumo de ração.

Lembre-se também de que o estresse por calor aumentará o consumo de água. Aumentar a temperatura ambiente de 21 ° C para 32 ° C pode dobrar a ingestão de água. Portanto, é importante não negligenciar a disponibilidade de um abastecimento de água limpa, fresca e fria. O aumento da ingestão de água leva ao aumento da produção de urina que esgota os estoques de minerais. Portanto, juntamente com a água, certifique-se de que um suplemento mineral balanceado esteja continuamente disponível. A maioria dos pecuaristas sabe que a sombra é importante, mas ter apenas algumas árvores no pasto pode não ser adequado. Certifique-se de que todo o rebanho em uma única pastagem possa encontrar áreas de sombra sem se reunir em uma pequena área e comprometer o fluxo de ar.

Trabalhar com o gado durante os meses de verão geralmente é necessário, mas torna difícil controlar o estresse por calor. Comece a trabalhar o mais cedo possível e tente terminar às 10:00. Se não houver outra alternativa para trabalhar com o gado durante longos períodos de calor extremo, considere programar o trabalho entre meia-noite e 8h. O o trabalho com o gado à noite ainda pode ser estressante porque não teve a chance de dissipar o calor e reduzir a temperatura corporal central depois que o sol se pôs.

Outras maneiras de combater os efeitos negativos do estresse térmico na eficiência reprodutiva incluem a mudança da estação de procriação e parto ou a incorporação de genética tolerante ao calor. No entanto, a perda total da prenhez não é a única preocupação reprodutiva durante o estresse calórico. A eficiência da placenta pode ser reduzida e levar à diminuição do vigor do bezerro. Portanto, alterar a genética ou a estação do parto deve ser considerado em relação a como isso afetará o valor de seu produto final (seja peso ao desmame, peso ao sobreano ou carne) e a lucratividade geral.

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *