Lute pelas florestas – Queime um brasileiro!

Esta frase foi impressa, em passado recente, em toalhas descartáveis de uma rede lanchonetes nos Estados Unidos. A Inglaterra também apoiou a idéia e lá, durante algum tempo, os automóveis trafegavam com decalques que diziam:

– “Você já matou hoje o seu brasileiro?”

Não pretendo, neste artigo, tecer considerações sobre essas frases, sobre o comportamento dos outros países com relação ao Brasil, sobre a Amazônia ou sobre patriotismo que, na minha opinião, não é um dever ou obrigação e sim – um privilégio.

Também não pretendo comentar as notícias que vem sendo veiculadas, diariamente, na grande imprensa nacional ou com relação as ações das 250.000 ONGS instaladas em território brasileiro, com a cumplicidade de muitos brasileiros.

A idéia é mostrar ao leitor a atitude, ao longo dos anos, dos governos, políticos e jornalistas estrangeiros com relação ao Brasil e à Amazônia, daí para frente é como diz o grande filósofo Millor Fernandes – “pensar é só pensar” – e eu complemento – “raciocinar é que são elas”.

– Em 1981, o Conselho Mundial das Igrejas Cristãs declarou que “a Amazônia é patrimônio da Humanidade, e que sua posse por países é meramente circunstancial.”

– Em 1983, Margareth Tacher “aconselhou as nações carentes de dinheiro a venderem seus territórios e fábricas.”

– Em 1984, o Vice-Presidente Al Gore dos EUA declarou que” Amazônia não é deles, é de todos nós.” Durante debates entre ele e Bush foi sugerida a troca de florestas tropicais por dívidas dos países que as possuem.

– Em 1985, o presidente Mitterrand declarou: “O Brasil deve aceitar Soberania relativa sobre a Amazônia”. – Mikhail Gorbachev declarou: “O Brasil deve delegar parte dos seus direitos sobre a Amazônia”.

– O 1º Ministro Inglês Major asseverou: “A Amazônia pode ensejar operações diretas sobre ela”. – O Gen Patrick Hugles dos EUA também disse: “Caso o Brasil no uso da Amazônia puser em risco o meio ambiente nos EUA, estamos prontos para interromper”.

“A Amazônia deve ser intocável, pois constitui-se no banco de reservas florestais da Humanidade ” Congresso de Ecologistas Alemães, 1990.

“Só a internacionalização pode salvar a Amazônia.” Grupo dos Cem, 1989, Cidade do México.

“A destruição da Amazônia seria a destruição do Mundo.” Parlamento Italiano, 1989.

“É nosso dever garantir a preservação do território da Amazônia e de seus habitantes aborígines para o desfrute pelas grandes civilizações européias, cujas áreas naturais estejam reduzidas a um limite crítico.” Conselho Mundial de Igrejas Cristãs reunidas em Genebra, 1992.

Maurice Guernier, Secretário do Clube de Roma, em entrevista realizada em 27 de maio de 1980, declara – “A nossa chave para o poder é o movimento ecológico”.

O professor Thomas Lovejoy, biólogo americano, disse em uma entrevista:

– (….) o problema real é este nacionalismo estúpido e os projetos de desenvolvimento aos quais ele leva. (…..)Os brasileiros – e eu sei disso de uma experiência de dezessete anos – pensam que podem desenvolver a Amazônia, que podem tornar-se uma superpotência. Vivem de peito estufado com isso. Portanto você tem que ser cuidadoso. Você pode ganhá-los com pouco. Deixe-os desenvolver a bauxita e outras coisas, mas reestruture os planos para reduzir a escala dos projetos de desenvolvimento energético alegando razões ambientais.

– é preciso infiltrar missionários e contratados, inclusive não religiosos, em todas as nações indígenas. Aplicar o plano de base das missões, que se coaduna com a presente diretriz e, dentro do mesmo, a aposição dos nossos homens em todos os setores da atividade pública, Conselho Mundial de Igrejas Cristãs reunido em Genebra, 1981.

– Pelos cálculos dos militares, existem no Brasil 250 mil ONGs e, desse total, 100 mil atuam na Amazônia. Outras 29 mil engordam o caixa com recursos federais, que somente em 2007 atingiram a cifra de R$ 3 bilhões. http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080424/not_imp161954,0.php

A criminalização dos Amazônidas, via de conseqüência do Brasil, já está em andamento.

A partir de agora cabe ao leitor raciocinar, lembrando sempre que a Amazônia é Brasil e tudo que se faz contra ela atinge todos os brasileiros.

O que me causa angústia é a apatia, quase criminosa, dos brasileiros do resto do país com relação aos acontecimentos que vem se desenvolvendo na Amazônia, poucas e honrosas vozes se levantam em sua defesa.

São 100.000 ONGS na Amazônia e as forças armadas brasileiras possuem lá um contingente de menos de 30.000 soldados. Caso cada ONG possua um mínimo de 4 homens, serão 400.000 contra 30.000, isto sem levar em consideração que essas organizações tem muito mais acesso a financiamento do que as 3 forças em conjunto, cujos recursos são limitados pelo orçamento do nosso país.

Graças a Deus não precisaremos de soldados, a invasão é de idéias e pelo que leio na grande imprensa, nos comentários e artigos de vários sites, a maioria dos brasileiros já foi convencida pela idéia de que somos criminosos e precisamos ser detidos – ninguém levantará um dedo ou fará um protesto para nos defender quando ocorrer a internacionalização (promovida por meia dúzia de países ricos), inclusive, já existe todo um planejamento internacional para a Amazônia, isto fica bem claro no site do greenpeace:

– “A proteção da floresta e a busca por soluções para o desenvolvimento da região é uma prioridade global do Greenpeace. Estamos trabalhando por um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia que combine responsabilidade social e proteção ambiental, permitindo a exploração dos recursos da floresta de maneira racional e assim garantindo qualidade de vida para os habitantes da região.”

Volto a insistir, os Amazônidas não perderão nada, somente a nacionalidade e deixarão de ser “bandidos”, quem perderá de fato será o Brasil, reduzido aos territórios da época do “tratado de Tordesilhas.

PS. A maior parte das informações deste artigo foram colhidas da belíssima obra de ficção/denúncia de autoria do brasileiro A.J.Barros – “O Conceito Zero” – da Editora Geração Editorial, devidamente checadas e conferidas em vários sites.

19 thoughts on “Lute pelas florestas – Queime um brasileiro!”

  • Leonardo Siqueira Hudson - 10/07/2009

    Caro Gil Reis
    Parabens mais uma vez pela luta para defender o que pertence a nós brasileiros.

    Abraço

  • Mario Wolf Filho - 10/07/2009

    A falta de patriotismo dos nossos governantes, e os interesses dos países ricos em se apropriarem do nosso patrimônio, a grande mídia principalmente a Rede Globo que deve receber verbas polpudas destes países para denegrirem a imagem dos produtores do bioma amazônico.

    Nos deixa perplexos e se urgentemente nós brasileiros, e principalmente os residentes nas áreas urbanas não tomarmos uma atitude a nossa Amazônia já era.

    Milhões de brasileiros não serão queimados, mas morrerão de fome, miséria mesmo.

  • Flávia Roberta Passos Ramos - 10/07/2009

    Senhor Gil Reis,

    O senhor realmente está de parabéns por revelar a todos nós tais informações.
    É impressionante, essas coisas acontecem bem debaixo do nosso nariz e não percebemos.
    Alguém pode me informar porque o governo não toma providências para expulsar os invasores?
    Será que vou ter que falar vários idiomas para continuar a viver aqui?
    Acho que todos os estados do Brasil deveriam fazer um manifesto contra as ONGS.

  • Roges Pias - 11/07/2009

    Belíssimo ponto de vista, Gil Reis. Até quando ficaremos paralisados??
    Assistindo de camarote a uma invasão “legalizada” de nosso território, com desculpas de proteção ambiental estão estudando toda a floresta, a ponto de conhecerem a nossa Amazônia melhor que os próprios brasileiros.
    Basta de ONG´s sugadoras de patrimônio público, trabalhando em prol do que não sabemos.

  • Eugenio Mario Possamai - 12/07/2009

    É pura verdade, e milhares de brasileiros nossos irmãos aplaudem essas organizações e nos queimam como a frase.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Eugenio Mario Possamai,

    Obrigado pelo comentário.

    O comportamento dos nossos irmãos é fruto do absoluto desconhecimento do assunto e encantamento por tudo que os estrangeiros dizem ou fazem.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Leonardo Siqueira Hudson

    Obrigado pelo seu comentário, pode ser que não ganhemos essa luta, entretanto, lutaremos com destemor até o fim, com o seu apoio e dos demais frequentadores do BeefPoint.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Mario Wolf Filho,

    Obrigado pelo seu comentário, ficamos muito felizes aqui no longínquo Brasil Amazônico por perceber que existem irmãos no Brasil litorâneo que se preocupam conosco.

    Patriotismo não se pode cobrar de ninguém, é um sentimento como o amor, ou se tem ou não se tem.

    Com relação à mídia das Organizações Globo não quero generalizar, todavia, tenho certeza que, entre os seus jornalistas, o nosso maior inimigo chama-se Mirian Leitão, cuja site é inacessível para que possamos responder às suas invectivas e aos absurdo que escreve.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Vicente Rodrigues,

    Obrigado pelo seu comentário.

    Você fez o enquadramento Jurídico perfeito, Todas as ações perpetradas contra a Amazônia configuram o crime de “lesa-Pátria”.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Cara Flávia Roberta Passos Ramos,

    Obrigado pelo seu comentário.

    Estive, esta semana na sede do Banco da Amazônia, em Belém, onde fui informado que você formou-se em Administração de Empresas e encerrou seu estágio.

    Espero que você faça especialização em “gestão rural” ou do agronegócio, porquanto, aconteça o que acontecer, iremos precisar na região de bons gestores com bastante conhecimento regional e isto você tem demonstrado possuir.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Roges Pias,

    Obrigado por seu comentário.

    Você está cheio de razão – a invasão já começou.

    Essas organizações não conhecem a região mais do que nós, elas são orientadas por pessoas que não merecem a cidadania brasileira e conhecem muito bem a região, esses colaboracionistas são remunerados regiamente.

    Durante a 2a. grande guerra, os alemães invadiram a França e para consolidar a conquista foi criada a “república de Vichy”, comandada pelo General Pétain, cujo governo era composto por colaboracionistas.

    Hoje o Brasil está se tornando uma grande “república de Vichy”.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/07/2009

    Caro Luiz Orcirio Fialho de Oliveira,

    Obrigado pelo comentário.

    Você esta coberto de razão, diz um amigo meu que os vigaristas só existem porque existem os “otários” (desculpe-me, a expressão não é minha).

  • João Claudio Zanatta - 14/07/2009

    Senhoras(es),
    De antemão digo que não tenho nada a ver com as tais ONG´S… E picaretagem não é previlégio desse setor. Penso que com a promulgação da lei da GRILAGEM elas até perderão alguns espaços de ação. E aí teremos um outro problema patriótico, será que os mega propritários, que estão sendo legalizados agora, resistirão a euro-dólares, petro-dólares, carbono-dólares, e a internacionalização da amazônia não se dará pelas regras do mercado internacional de terras???? pela aquisição de forma direta, ou atráves de LARANJAS NACIONAIS “PATRIÓTICOS”????
    E, pergunto: – Porque o autor da matéria não fez o levantamento de quanto da área da amozônia já está nas mãos de poucas grandes empresas transnacionais???
    Eu defendo que a Amazônia Brasileira é do POVO BRASILEIRO.
    Mas, não sou ingenuo de cair na falácia de muitas ONG´s, nem tão pouco no discurso pseudopatriótico de quem só encherga cifrões numa sumaúma e no capim que nascerá depois da derrubada dela…

    Indico a todos que busquem a resposta do Senador Cristóvam Buarque aos estudantes norte americanos….

    Senhoras(es) busquem não “comer”, a INTELECTUALIDADE, “pela mão dos outros”

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 15/07/2009

    Caro João Claudio Zanatta,

    Obrigado por seu comentário, apesar do tom crítico de quem vive no conforto desse maravilhoso Estado que é Santa Catarina.

    Não sei a que tipo de pesquisa o sr. teve acesso como pesquisador, entretanto, aconselho-o a ler um outro artigo de minha lavra ( https://www.beefpoint.com.br/?noticiaID=55258&actA=7&areaID=15&secaoID=127 ) publicado ontem aqui no BeefPoint.

    Com relação à resposta do mestre em literatura Cristóvam Buarque que também é político, aos estudantes norte americanos, percebi que é uma resposta bem política, fora de sua área literária. Talvez o sr. precise de um filtro para selecionar o que é fruto de pesquisa séria.

    Com relação à falácia de muitas ONG´s, o sr. terá que contestar as informações das Forças Armadas Brasileiras, inclusive, o sr. deve ter percebido que nós dois não escrevemos da mesma maneira – eu cito a fonte das informações que, por sinal, deveria ser um hábito de quem se diz pesquisador.

    No artigo, que citei acima, cometi um erro por causa da fonte pesquisada, que foi de imediato corrigido, pelo Deputado Nilson Pinto, que possui Doutorado, feito Alemanha, em Geociências e é ex-Presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara Federal – a área preservada na Amazônia e no Pará é da ordem de 83%(levantamento em poder da referida comissão).

    Com relação aos “laranjas”, o assunto é caso de polícia, o sr. fala com tanta segurança que passa a impressão de que conhece alguns, o que chama para a discussão a minha formação jurídica. Caso o sr. realmente saiba da existência de alguém, comprovadamente, “laranja”, aconselho-o a ir imediatamente à Delegacia de Polícia mais próxima e formalizar a denúncia, obrigação prescrita em lei – todo qualquer cidadão que tenha conhecimento de crime tem a obrigação de denúncia-lo, sob pena de ser encarado como cúmplice.
    Mudando de assunto e já não me referindo ao seu acobertamento de crime, quero transmitir algumas informações:
    – O Pará possui um rebanho de 20.000.000 de cabeças – fonte: ADEPARÁ.
    – Das 110.000 propriedades pecuárias do Pará, 90.000 possuem rebanho inferior à 200
    cabeças, o que perfaz + ou – 15.000.000 de cabeças – Fonte: Governo do Estado do Pará e Ministério Público Federal do Pará.
    – Realizando uma operação matemática simples chegamos a outros números:
    . 110.000 fazendas – 90.000 fazendas = 20.000 fazendas
    . 20.000.000 de cabeças – 15.000.000 de cabeças = 5.000.000
    . 5.000.000 C ÷ 20.000= 250 cabeças
    Não explicarei os números, apenas peço para raciocinar.
    Lei somente permite terras de até 2.500ha, alguém que é mega proprietário com uma terra deste tamanho é um gênio, até porque a média nacional é de uma cabeça por hectare, não estou falando dos inúmeros confinamentos que existem na região.
    Gostaria que, da próxima vez que queira tecer comentários sobre meus artigos cite as fontes.

    Uma pergunta: – O senhor é ligado a qual ONG?… greenpeace ou wwf do querido Princípe Charles cuja principal característica é o mau gosto.

  • João Claudio Zanatta - 15/07/2009

    Caro Dr. Gil Marcos de Oliveira Reis

    Leia novamente a primeira linha do meu comentário…

    As críticas não se dirigiram diretamente ao senhor… e sim ao o que se expõem em vasta resenha de reportagens de vários veículos jornalísticos e literários, para se ter opinião deve-se ter poder de síntese. Nunca questionarei as Forças Armadas como fonte de informação, pois tenho um parente próximo oficial que serviu na Amazônia por dois anos e meio, e me relatou toda sua experiência com os tais falsos missionários, com os narco traficantes, e etc. As demais observações que o senhor expõem não merecem consideração pois não eram alvo do meu comentário.

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 28/07/2009

    Caro João Claudio Zanatta,

    Obrigado por mais este comentário – desculpas aceitas.

    Agora quem pede desculpas sou eu, nós Amazônidas somos um pouco “destemperados” quando lemos críticas que parecem ser dirigidas a nossa região.

    As demais observações a despeito de não serem o alvo do seu comentário, as leve em consideração, porquanto, transmitem um pouco mais de conhecimento sobre a Amazônia.

    Mais uma vez obrigado pelo comentário e não esqueça que as forças que lutam pela posse da Amazônia são muito mais fortes que as nossas vãs opiniões.

  • Marco Antonio Ribeiro Magalhães - 13/08/2009

    Caro Gil.

    Sou sulista há muito tempo radicado no Tocantins e ainda fico pasmo, com o desconhecimento da Amazônia pelos brasileiros. Imaginar que um pesquisador da EPAGRI (alta qualidade) “encherga” de tal maneira a sua “realidade” como não será a opinião dos doutos fãs dos BBBs da vida?

    Por favor. Não esmoreça, pois tenho a certeza que existem muitos preocupados com a Amazonia, e com o seu verdadeiro destino.

    Abraços
    Marco

  • Gil Marcos de Oliveira Reis - 13/08/2009

    Caro Marco Antonio Ribeiro Magalhães,

    Obrigado por seu comentário e apoio à Amazônia.

  • Agrimanager Ltda - 07/12/2011

    Bom dia Luiz Orcírio, existe algum email para contato? Grande abraço

Os comentários estão fechados.


ou utilize o Facebook para comentar