Lavoura x confinamento x pastagem

Esse foi o ano da soja, apesar das perdas de produtividade em diversas lavouras devido à falta de chuva, o preço dessa commodity, em algumas regiões produtoras, bateu os R$ 60,00/sc. Para quem produziu bem, um excelente negócio! Demanda chinesa aquecida e resultado positivo no fechamento das contas. Para bons produtores, em muitas áreas chegou o momento da rotação, e o binômio soja-milho prevalece na maioria dos casos.

Do lado do pecuarista, o cenário ainda está se formando. Arroba em queda, preços elevados do farelo de soja, mercado futuro de lado e poucos compradores na ponta. O fôlego foi o milho, que nos últimos meses chegou a cair mais de 25%. A boa distribuição de chuvas no período de safrinha favoreceu a produtividade, aumentando a oferta no curto prazo. Nesse caminho, o sorgo também veio com força total, mesmo as lavouras plantadas tardiamente ainda receberam precipitações em momentos importantes e alavancaram a produtividade.

Nesse cenário ressaltamos a importância da integração entre pecuária e agricultura, no que tange a diversificação de capital e o melhor aproveitamento do uso da terra. Dentre as diversas possibilidades de integração e/ou diversificação, o plantio consorciado Milho X Pastagem é uma excelente alternativa para o pecuarista e para o agricultor. As arrobas extras produzidas após a colheita do milho, e o uso do grão na engorda intensiva melhora substancialmente a receita da propriedade, aumentando a eficiência dos sistemas de produção.

A imagem a abaixo mostra o momento da colheita do milho consorciado com Brachiaria brizantha cv. Marandu. A propriedade em questão está localizada em Goiás, na região do Vale do São Patrício. A produtividade alcançada foi de 6,0 ton/ha ou 102 sacos/ha para ser mais exato. Após a colheita, a área foi pastejada por 60 dias com taxa de lotação de 4,5 U.A/ha. O ganho de peso médio diário, medido na propriedade, foi de 600 g/cab/dia, o que permitiu no final do período de pastejo, a produção de aproximadamente 5,5@/ha. Nos valores atuais da arroba em Goiás (algo entre R$ 84,00 e R$ 86,00/@) uma receita extra de R$ 467,00/ha. Ou seja, apesar do menor preço do milho como exposto anteriormente, a produção de @ na área dilui os custos de produção e podem trazer lucro para o produtor.

Bom, voltando ao título desse texto, que trata também de confinamento, as contas também são interessantes. Na região, o garrote de 10@ era negociado a R$ 900,00/cb ou R$ 90,00/@ entre os meses de abril e maio. A garrotada de 10@ entrou para pastejo da “palhada” e ganhou 35 kg/cb no período (60 dias de pastejo), passando para 11, 2@ (300 kg de peso vivo na entrada + 35 kg de ganho na pastagem), com isso, houve redução no valor da @ de entrada em confinamento para casa dos R$ 80,00. Os custos de produção da lavoura integrada ficaram em R$ 1.500,00/ha, ou R$ 15,00 por saco de milho produzido. Na região, o grão está sendo vendido entre R$ 20,00 a R$ 23,00/sc, ou seja, uma economia que chega a 35% em um ingrediente que compõem mais de 70% da dieta dos animais em confinamento.

Outro aspecto importante a salientar; o pasto não ficou “rapado”, foi possível, através do manejo do pastejo, manter a cobertura vegetal do solo e consequentemente proteger contra a erosão eólica muito frequente nessa época do ano.

Figura 1 – Colheita de milho consorciado com B. brizantha cv. Marandu em Goiás.

Outro ponto a ser observado é que, devido às perdas de colheita, algo ruim para o agricultor, mas inevitável, a dieta da boiada em pastejo é acrescida com grãos de milho, sendo confirmado pela presença dos mesmos nas fezes. Nada melhor que essa adaptação a maior quantidade de amido no rumem antes da entrada em confinamento (Figura 2). Nesse sentido, a ganho de peso é incrementado, ocorre redução no número de animais com acidose e o desempenho geral da atividade tende a apresentar melhores resultados.

Figura 2 – Animais já em processo de adaptação devido à integração Lavoura X Pecuária.

Por Daniel de Castro Rodrigues, Eng. Agrônomo, Supervisor de Projetos – Coan Consultoria, produtor rural em Uruana – GO.

This post was last modified on 4 de julho de 2012 0:18

Share

View Comments

  • Excelente artigo. Precisamos, de fato, de numeros para respaldar "novas" tecnologias, pois dai o convencimento fica mais facil e rapido...é surpreendente que ainda tenhamos que convencer produtores a adotar tecnicas que visam nada mais que garantir a sustentabilidade da atividade e a proporia sobrevivencia. Trata-se da "insistencia técnica" ao invés da assistencia técnica.

Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Brasil registra 4.683 casos confirmados de coronavírus até 31/03

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até às 11h55 desta terça-feira (31), 4.683 casos confirmados… Read More

31 de março de 2020

Nova Zelândia: setor suíno pode sofrer crise de bem-estar animal

A decisão do governo de excluir açougueiros independentes da lista essencial de negócios causará uma… Read More

31 de março de 2020

Nova Zelândia: frigoríficos continuam abertos, mas o processamento levará mais tempo

As empresas de carne da Nova Zelândia criaram agora um conjunto de protocolos que permitirão… Read More

31 de março de 2020

JBS corta produção de carne bovina nas instalações dos EUA

A JBS USA reduzirá a produção de carne bovina por duas semanas em uma instalação… Read More

31 de março de 2020

Plataformas digitais em alta no campo

Em meio à pandemia do novo coronavírus, os serviços digitais voltados ao agronegócio têm auxiliado… Read More

31 de março de 2020

Conab adota medidas para garantir continuidade de serviços essenciais

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) informa que adotou medidas para garantir a continuidade de… Read More

31 de março de 2020