Categories: Giro do Boi

Justiça condena seis investigados pela Operação Carne Fraca

A Justiça Federal do Paraná condenou nesta sexta-feira (28) seis pessoas investigadas na Operação Carne Fraca, que apurou um esquema de corrupção na fiscalização de frigoríficos pelo país.

Foram condenados, pelo crime de corrupção passiva, os fiscais agropecuários Maria do Rocio Nascimento, Dinis Lourenço da Silva e Welman Paixão Silva Oliveira; o ex-superintendente do Ministério da Agricultura em Goiás Francisco Carlos de Assis; o advogado José Antônio Diana Mapelli e o ex-gerente de Relações Institucionais da BRF Roney Nogueira dos Santos.

A decisão absolveu, porém, o ex-diretor da BRF André Luis Baldissera, que teve autorizado seu retorno às atividades na empresa, e o fiscal do Ministério da Agricultura Daniel Gonçalves Filho, que fora superintendente no Paraná e é apontado pelo Ministério Público como líder do esquema (ele ainda é réu em outra ação).

Os fiscais, segundo a sentença, solicitaram vantagens indevidas a representantes da BRF, um dos maiores frigoríficos do país, em troca de agilizar (ou sob pena de retardar) os processos da companhia no ministério.

Dois deles teriam inclusive pedido uma contribuição de R$ 300 mil para o PTB, partido que indicava os nomes para a chefia do serviço em Goiás –o pagamento não foi realizado. Outros pediam à empresa peças de carne, como costela suína, peitos de frango e sobrecoxa.

“Incumbia aos servidores, isso sim, demostrar isenção e imparcialidade, velando pela moralidade e probidade administrativas. Agindo tal como demonstrado nos autos, desprezam-se seus deveres mais elementares, instando outrem a atender a seu interesse pessoal”, escreveu o juiz federal Marcos Josegrei da Silva.

Os seis réus foram condenados à perda dos cargos públicos e a até seis anos de detenção.

Esta é apenas uma das seis ações relativas à Operação Carne Fraca. Em outros dois processos, Silva já condenou três antigos funcionários do Ministério da Agricultura no Paraná por corrupção, além de um ex-fiscal em Goiás por embaraço à investigação.

Fonte: Folha de São Paulo.

This post was published on 1 de outubro de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC passa a habilitar açougues no Uruguai

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) informou que a partir de hoje, as novas autorizações… Read More

21 de janeiro de 2021

Embrapa Gado de Corte desenvolve Centro de Manejo com tecnologias focadas em bem-estar animal

O conceito e as técnicas adotadas para oferecer melhor qualidade de vida aos animais já… Read More

21 de janeiro de 2021

Com menor participação do frango, receita cambial das carnes aumentou menos de 3% em 2020

A despeito do bom desempenho das carnes suína e bovina (especialmente da primeira) no decorrer… Read More

21 de janeiro de 2021

Tyson Foods pagará US$ 221,5 milhões para encerrar ações na Justiça

A americana Tyson Foods afirmou nesta quarta-feira que concordou em pagar US$ 221,5 milhões para… Read More

21 de janeiro de 2021

Conselho da JBS aprova procedimento arbitral contra irmãos Batista e a J&F

O conselho de administração da JBS acatou a recomendação do Comitê Independente para instaurar um… Read More

21 de janeiro de 2021

Ações de commodities tendem a se beneficiar com Joe Biden

A chegada do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deve reforçar as apostas em… Read More

21 de janeiro de 2021