Categories: Giro do Boi

JBS segregará ativos de bovinos do Brasil em reestruturação

A reestruturação que a JBS vai colocar em marcha no começo de 2020 segregará os ativos em duas companhias irmãs e independente entre si, um negócio que consolidado junto tem hoje uma receita líquida anual de R$ 195 bilhões.

Atualmente, tudo fica abaixo da JBS S/A, listada no Novo Mercado da B3. Com a reorganização, apurou o Valor, ficarão no Brasil apenas as atividades de bovinos local, couro e subprodutos. Na JBS Global, ficarão todas as atividades internacionais, mais a Seara, negócio que reúne as operações de aves, suínos e alimentos processados do grupo no país.

Entre as atividades que tem no país, a Seara é a principal aposta de crescimento da JBS, que anunciou semana passada um investimento de R$ 8 bilhões. O negócio de bovinos no Brasil, que deve ficar separado do restante, é menos rentável.

A reestruturação resultará em duas companhias e ambas serão controladas pela J&F, holding de Joesley e Wesley Batista. A ideia é que nem a JBS Brasil (o negócio bovinos no país) controle o grupo e tampouco a JBS Global controle a JBS Brasil. Essa é a principal diferença em relação à primeira reestruturação anunciada pela empresa, em 2016, e rejeitada pelo BNDES. Naquela ocasião, a operação brasileira se inverteria e passaria a ser controlada pela família por meio da companhia global, que teria então sua sede na Irlanda.

O Valor apurou que a JBS Global terá sede na Europa e ações listadas na bolsa de Nova York. Nesse primeiro momento, não haverá captação de recursos, ou seja, emissão de novas ações. A expectativa é primeiro destravar valor. A empresa listada nos EUA poderá ser uma ferramenta para financiar aquisições e espera-se que represente novo salto para o grupo em valor de mercado e tamanho.

Fundada em 1953 como um minúsculo abatedouro em Goiás, a JBS avalancou os negócios sobretudo a partir de 2007, com a abertura de capital e o apoio do BNDES, que injetou recursos para sustentar sua expansão internacional, tornando-se a maior empresa de carnes do mundo. Desde a abertura de capital, em março de 2007, o valor de mercado do grupo na bolsa se multiplicou, de R$ 6,8 bilhões para R$ 74,5 bilhões – o BNDES deve se apropriar de parte da valorização ao vender as ações que possui no começo do ano que vem.

Com a reestruturação, restará na B3 um negócio bem menor. A JBS Brasil tem receita líquida anual de quase R$ 30 bilhões, com uma margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) em torno de 5%. Na JBS Global, ficarão os negócios que somados têm receita anual de R$ 165 bilhões e Ebitda de pouco mais de R$ 16 bilhões, ou margem média de quase 10%. Os números referem-se aos valores acumulados em doze meses, até dia 30 de setembro.

A separação do negócio brasileiro de bovinos do restante não será feita por uma cisão trivial, mas haverá uma reestruturação patrimonial, apurou o Valor. Embora o caminho todo já esteja bastante claro, a companhia ainda está finalizando estudos. Depois de duas tentativas frustradas, dois temas tornaram-se uma grande preocupação do grupo: não fazer uma mudança de sede e não causar polêmica com minoritários.

A JBS entende que não há como se falar em mudança de sede. A operação local, com exceção da Seara, fica no Brasil e ambos os negócios serão controlados pela brasileira J&F. Para os minoritários, os passos não estão detalhados, mas o objetivo é tentar dar aos acionistas a oportunidade de se organizarem com liberdade, ficando em ambas ou migrando completamente para a JBS Global.

Fonte: Valor Econômico.

This post was last modified on 9 de dezembro de 2019 12:20

Share
Published by
Equipe BeefPoint
Tags: jbs

Recent Posts

A mentira que te contaram sobre dividir as margens de lucro no Agronegócio

Meu texto de hoje é um pouco desconfortável... Real demais... Na veia demais... Se não estiver com estômago, eu entendo,… Read More

17 de janeiro de 2020

Carne bovina voltou à liderança entre produtos de exportação do Uruguai

A carne bovina recuperou em 2019 o primeiro lugar entre os produtos de exportação do Uruguai, depois de superada pela… Read More

17 de janeiro de 2020

Líderes da indústria de carne dos EUA aplaudem a aprovação do USMCA pelo Senado

O Senado dos EUA aprovou o Acordo EUA-México-Canadá (USMCA) e a indústria de carne não poderia estar mais feliz. "O… Read More

17 de janeiro de 2020

Alta da carne perde força e deve conter índices de preços,diz FGV

O enfraquecimento da inflação das carnes levou à taxa menor do Índice Geral de Preços -10 (IGP-10) entre dezembro e… Read More

17 de janeiro de 2020

Estiagem pode elevar preço de carnes no RS

Os estragos registrados nas lavouras de milho no Rio Grande do Sul ao longo das últimas semanas podem acabar se… Read More

17 de janeiro de 2020

Minerva quer voltar a pagar dividendos

Na Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, o tempo dos dividendos está mais próximo. Após… Read More

17 de janeiro de 2020

Assista Aula Grátis "As 7 Estratégias do Lucro em Fazendas"

Quero Assistir