Categories: Giro do Boi

JBS anuncia compromisso com manutenção de empregos e investimentos no Brasil

Na maior empresa privada não financeira do Brasil, a ordem é preservar todos os empregos e seguir em frente com o pacote multibilionário de investimentos. Em entrevista concedida nesta quarta-feira ao Valor, o CEO global da JBS, Gilberto Tomazoni, afirmou que a companhia mantém todas as operações em funcionamento para garantir o abastecimento de carnes em meio ao avanço da covid-19.

“Estamos assumindo o compromisso de manter os empregos e somos relevantes”, ressaltou o executivo.

No mundo, a JBS emprega mais de 240 mil pessoas. Apenas no Brasil, o número de funcionários é da ordem de 120 mil. Considerando empregos indiretos, o grupo contribui com mais de 400 mil vagas no país.

Tomazoni reconhece que a JBS está em uma posição privilegiada — hoje, a companhia reportou o melhor resultado da história, com lucro de mais de R$ 6 bilhões em 2019. “Sinto orgulho de que a nossa indústria pode fazer isso”, afirmou o executivo, ressaltando que a empresa adotou uma série de medidas para proteger os funcionários.

Com operações nos quatro cantos do mundo, a JBS está em países como a Itália, onde a pandemia do coronavírus já fez mais de 7,5 mil mortos, e Reino Unidos, que está em quarentena. EUA e Brasil, que lidam com a rápida propagação da doença, são as principais plataformas de produção do grupo.

Entre as medidas para proteger os funcionários, Tomazoni mencionou a ampliação da frota de ônibus que transporta os trabalhadores no Brasil. Para aumentar a distância entre os empregados, a empresa dobrou o número dos veículos que fazem o transporte coletivo. Os tradicionais jogos de baralho e dominó, que fazem o lazer dos trabalhadores nas pausas para refeição e descanso, forram suspensas com o mesmo objetivo, acrescentou o executivo.

Financeiramente, a JBS nunca esteve tão bem para atravessar a turbulência e, ao mesmo tempo, manter os investimentos.

No balanço divulgado nesta quarta-feira, a companhia mostrou que, em 31 de dezembro, tinha disponíveis US$ 4,5 bilhões (incluindo recursos do caixa de uma linha de crédito rotativo nos EUA). No ano passado, a companhia alongou o perfil de vencimento das dívidas, emitindo títulos no exterior ao mesmo tempo em que quitava empréstimos mais caros com bancos. No fim de 2019, a companhia possuía recursos para honrar com as amortizações por seis anos e meio.

Além disso, do endividamento bruto de R$ 53 bilhões que a empresa brasileira tinha em 31 de dezembro, somente 3,9% vencia no curto prazo (em até um ano). O índice de alavancagem, que mede a relação entre a dívida líquida e Ebitda, estava em 2,16 vezes — o menor patamar dos últimos anos.

Ao Valor, o vice-presidente de finanças e de relações com investidores da JBS, Guilherme Cavalcanti, acrescentou que, mesmo sem a necessidade de recursos, o grupo decidiu ampliar ainda mais o confortável colchão de liquidez que possui como uma medida de precaução. Segundo ele, a empresa tomou linhas de créditos disponíveis junto a bancos no Brasil e no exterior.

Cavalcanti não revelou quanto a JBS tomou em linhas de créditos no primeiro trimestre, mas disse que a empresa tem disponíveis atualmente mais recursos do que no fim do ano. Isso mesmo quando considerado que o primeiro trimestre é um período de maior consumo de caixa, frisou. “Todo mundo está sendo mais prevenido. As agências de rating nem consideram incremento de dívida bruta a tomada de linhas de crédito para deixar o caixa mais seguro”, ressaltou o vicepresidente da JBS.

Com a liquidez garantida, a empresa não fez qualquer alteração no ritmo de investimentos. No Brasil, a JBS anunciou no ano passado o maior pacote de investimentos da história. Ao todo, serão R$ 8 bilhões em cinco anos. Incluindo o que será aplicado pelos produtores integrados de frangos e suínos, o montante chega a R$ 13 bilhões. A estimativa da JBS é que os investimentos no Brasil gerem 25 mil empregos diretos.

Em meio à urgência de combater o coronavírus, o desempenho da JBS em 2019 acabou ofuscado. Além do lucro líquido recorde, a companhia ultrapassou, pela primeira vez, a marca dos R$ 200 bilhões em receita líquida. Embora não seja o hora para celebrações, esse resultado dá sustentação para o grupo atravessara a maré adversa.

“Quando vem uma crise dessas, o tamanho do navio e o número de horas do comandante faz toda a diferença”, afirmou Tomazoni.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 26 de março de 2020

Share

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020