Categories: Giro do Boi

INTL FCStone: Brasil deve retomar ritmo de exportação de carne no 2º semestre

Depois de ter atingido, em junho, o menor volume exportado desde janeiro de 2011, o embarque de carne bovina do Brasil para o exterior pode mostrar reação no segundo semestre, estima Caio Toledo, consultor em gerenciamento de riscos da INTL FCStone.

“Sazonalmente a demanda do mercado externo pela proteína brasileira é mais elevada entre agosto e dezembro, o que coloca alguma possibilidade de recuperação do volume embarcado acumulado”, explica.

Para o especialista, o cenário cambial também é mais favorável este ano, pois a desvalorização do real aumenta a competitividade da carne in natura do Brasil no mercado global. Mais cedo, a consultoria divulgou relatório com análise dos dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) apresentados nesta semana.

Segundo o levantamento da FCStone, a instabilidade gerada no setor logístico brasileiro, tanto pela greve dos caminhoneiros quanto pela falta de resolução sobre a fixação de preços mínimos de frete, foi o principal fator negativo para as exportações de junho.

“Em termos monetários, as exportações totalizaram US$ 278,81 milhões, sinalizando um recuo de 33,5% no comparativo com o ano imediatamente anterior, e o menor valor para o mês desde 2007”, diz a consultoria.

Depois da greve, a cadeia de bovinos enfrenta dificuldades de recomposição da produção. A paralisação, em primeiro momento, afetou o fluxo de saída das carnes das câmaras frias dos frigoríficos para os portos, para então dificultar o transporte de animais para o abate. Com isso, a produção ficou estagnada e houve recuo na oferta do mercado interno.

“Destaca-se que os acertos ainda pendentes sobre a tabela de fretes também favoreceram uma menor oferta para a nutrição pecuária, que já sofre impactos da elevação dos preços do milho, estes em um patamar 20,5% acima da média dos últimos anos devido ao contexto de quebra da safrinha no Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná”, acrescenta o relatório.

Fonte: Estadão.

This post was published on 6 de julho de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

SP e GO registra aumento dos custos de produção de bovinos confinados

Na 38 a edição do Informativo do Índice de Custo de Produção de Bovinos Confinados… Read More

7 de agosto de 2020

Paraguai: anunciada a construção de um frigorífico de última geração

Dois dos maiores fazendeiros do Paraguai, Horacio Cartes (ex-Presidente da República) e Maris Llorens (ex-proprietária… Read More

7 de agosto de 2020

Pandemia reforça demanda do consumidor por carne bovina, diz líder da indústria dos EUA

A pandemia de Covid-19 reforçou poderosamente a demanda do consumidor norte-americano por carne bovina, disse… Read More

7 de agosto de 2020

Atenção sanitária deixa frigoríficos de carne bovina em alerta constante

Fiscalizações diárias e até de surpresa, além de um forte esquema de higienização e monitoramento… Read More

7 de agosto de 2020

DTechEX: Carne à base de células não será comum até 2040

As carnes criadas em laboratório a partir de células animais não devem ser compradas pelos… Read More

7 de agosto de 2020

Mundo da fantasia – Por Gil Reis

Recentemente uma notícia foi veiculada de forma bombástica pela mídia internacional, em retaliação ao “desmatamento… Read More

7 de agosto de 2020