Indústrias de carne bovina e de leite têm algum trabalho a fazer em relação ao bem-estar animal: Grandin

Com os abatedouros de carne bovina dos EUA tendo conseguido grandes melhorias no bem-estar animal, o foco agora deve estar em garantir que outras partes envolvidas no setor manejem e forneçam animais saudáveis para essas instalações.

Essa foi uma mensagem recorrente de Temple Grandin, especialista em manejo de animais e professora de ciências animais da Universidade Estadual do Colorado (CSU), em uma ligação com repórteres que seguiram sua visita segunda-feira aos escritórios da Cargill em Wichita, Kansas. Lá, ela se reuniu com 200 funcionários para uma ampla discussão, desde desafios na indústria da carne até as oportunidades de crescimento para o trabalho de bem-estar animal que está fazendo com a Cargill.

Na teleconferência pós-visita, Grandin disse que o “ponto brilhante” na indústria de carne bovina está no manejo de animais, com notas altas, especialmente indo para instalações de abate e estoque.

Há também alguns pontos escuros, no entanto. Grandin afirmou novamente que a indústria de laticínios precisa entender melhor que a carne bovina é um “co-produto” – e não apenas um subproduto – e, portanto, garantir que as vacas leiteiras aposentadas estejam em condições para o longo transporte até o abatedouro.

Grandin também citou alguns operadores do setor de confinamento por ignorarem rigidez e claudicação em gado com excesso de peso, a ponto de escolher propositalmente quando não pesá-los para contornar as regulamentações. Ela chamou o gado rígido de “causa raiz” de alguns problemas de manejo de animais, à medida em que cria um conflito entre o animal e o humano encarregado de levá-lo ao abate.

“Quando vejo problemas na carne, não é no matadouro; vem da fazenda ”, disse Grandin.

Entre as prioridades de pesquisa de Grandin estão a eliminação de “mau confinamento de gado” e a análise de como a genética pode desempenhar um papel no problema. Ela prevê medir os resultados, como problemas de casco no gado, para ajudar a informar esse esforço.

Também na chamada, Lacey Alexander, responsável pelo bem-estar animal para carne bovina, da Cargill Protein North America, disse que a pontuação de condição animal na auditoria do North American Meat Institute precisa ser reforçada, especificamente em torno do gado. Em parceria com Grandin, os alunos da CSU têm coletado dados nos frigoríficos da Cargill para estabelecer uma linha de base sobre “onde estamos” no que diz respeito ao manejo correto, disse ela.

Assim como outras grandes empresas de processamento de carnes, Grandin trabalha com a Cargill há décadas, primeiro no projeto de layouts de equipamentos e instalações para movimentar os animais de maneira mais humana através dos matadouros. O relacionamento com a Cargill evoluiu para projetos mais específicos e aprimorados, incluindo o estudo deste mês de dois novos stunners pneumáticos e como os funcionários os manejam. Como parte desse esforço, a empresa também estará analisando a extensão dos danos cerebrais no gado e o nível de retorno científico à consciência.

Embora os regulamentos do USDA estipulem que a primeira batida precisa tornar um animal insensível, algumas grandes empresas começaram a empregar uma segunda batida de “segurança”. A Cargill e a Grandin estudarão os efeitos de um contra dois choques, também neste mês, observou Alexander.

Fonte: MeatingPlace.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar