Indústria de carne vermelha da Austrália pode ser carbono neutra até 2030

A indústria australiana de carne vermelha pode ser neutra em carbono até 2030, disse o diretor-gerente do Meat & Livestock Australia (MLA) Richard Norton, no final do mês passado.

Norton disse que alcançar o objetivo colocaria a cabeça e os ombros da Austrália acima dos seus concorrentes, dando aos consumidores uma confiança ainda maior na qualidade e integridade da carne vermelha australiana e transformando a crítica ambiental da indústria.

Ele disse que a reputação da carne vermelha australiana era inigualável entre os consumidores globais, mas a indústria deve manter o foco na mudança das demandas dos consumidores e atuar sobre ameaças emergentes e que podem prejudicar o mercado para prosperar no futuro.

“Com o compromisso da indústria, as configurações de políticas adequadas e novos investimentos em pesquisa, desenvolvimento e adoção, a indústria australiana de carne vermelha pode ser neutra em carbono até 2030. E podemos ser o primeiro país exportador de carne vermelha a fazer isso.”

Para alcançar isso, Norton informou que o MLA havia iniciado um projeto com o CSIRO para identificar caminhos para a indústria da carne vermelha, fazenda e sector de processamento, para tornar-se neutra em carbono.

O projeto identificou uma série de opções de inovação e gestão de fazenda, incluindo o uso expandido de leguminosas e besouros de estrume em pastagens, gestão de incêndios das savanas no norte da Austrália, suplementos alimentares, confinamento e gestão da vegetação. A seleção genética e uma potencial vacina para reduzir a produção de metano no rúmen foram outras oportunidades, disse ele.

“Essas vias não exigem a mão pesada da regulamentação. O que eles exigem é o compromisso da indústria, as configurações políticas corretas dos governos federais e estaduais e um investimento contínuo em pesquisa, desenvolvimento e adoção de inovação dentro da indústria.”

Norton disse que os dividendos de estabelecer um objetivo neutro em carbono incluem:

– aumento da produtividade na indústria da carne vermelha;

– renda agrícola adicional de projetos de mitigação de carbono;

– uma importante contribuição para as metas governamentais sobre redução de emissões, e

– outra forte garantia para os consumidores da qualidade e integridade da carne vermelha australiana produzida de forma natural e com excelente sabor.

Norton informou que o MLA vem reunindo mais informações sobre o consumidor dos mercados de exportação do que nunca, e que estava informando diretamente onde e como investiu o dinheiro arrecadado com o imposto de marketing da indústria.

“Há sinais de mercado claros em nossos mercados internacionais de alto valor que as emissões da produção pecuária são um problema para consumidores que também estão cada vez mais interessados na procedência de seus alimentos. Ao mesmo tempo, empresas globais e empreendedores bilionários estão investindo muitos dólares em projetos para fabricar carne cultivada e sintética alegando ter zero impacto ambiental e de bem-estar.”

“Existem outros sinais também. Ambos os lados do parlamento federal se comprometeram a reduzir ainda mais as emissões nacionais de carbono até 2030 e a maioria dos governos estaduais estabeleceram metas neutras em carbono.”

Norton disse que a indústria australiana de carne vermelha já fez grande parte do esforço pesado na redução das emissões totais da Austrália até o momento e teve a oportunidade de criar uma história ainda melhor sobre seu produto nos próximos anos.

“O setor da carne vermelha já reduziu sua participação nas emissões totais da Austrália de 20% das emissões totais de 600 milhões de toneladas da Austrália em 2005 para apenas 13% em 2015, enquanto também ajudou a reduzir as emissões globais da Austrália para 525 milhões de toneladas no mesmo período.”

“Mais uma demonstração da vontade da nossa indústria de se engajar é o compromisso da indústria da carne bovina em reduzir as emissões ao designar ‘gestão do o risco climático’ e ‘o equilíbrio das coberturas de árvores e gramíneas’ como duas das seis principais áreas prioritárias no seu Sustainability Framework.”

“A MLA agora acredita que nossa indústria pode atingir um objetivo neutro em carbono, ao mesmo tempo em que gera ganhos de produtividade e diferencia a carne vermelha australiana de concorrentes de baixo custo e alternativas artificiais.

“Isso garantirá que a carne vermelha australiana continue sendo a escolha natural nos mercados internacionais de alto valor que recompensam a qualidade, a integridade do produto e os sistemas de produção ética e ambientalmente sustentáveis.”

Fonte: MLA, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 21 de dezembro de 2017

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Uruguai estuda protocolo para incluir gado terminado com grãos na Cota Hilton

Membros do setor privado uruguaio e do Poder Executivo estão estudando a possibilidade de solicitar… Read More

8 de julho de 2020

Produção de grãos no país deve chegar a 251,4 milhões de toneladas impulsionada pela colheita de milho e soja

A produção brasileira de grãos deverá ser de 251,4 milhões de toneladas na safra 2019/2020.… Read More

8 de julho de 2020

Exportação de carne bovina dos EUA atinge em maio menor nível mensal em 10 anos

As exportações de carne bovina e suína dos Estados Unidos caíram em maio, refletindo, em… Read More

8 de julho de 2020

Marfrig lança programa de apoio a pequenos restaurantes

A brasileira Marfrig, segunda maior indústria de carne bovina do mundo, lançou hoje um programa… Read More

8 de julho de 2020

Inmet emite alerta vermelho para chuvas no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um aviso vermelho (grande perigo) para acumulado de… Read More

8 de julho de 2020