Indústria de carne da África do Sul sofre com surto de febre aftosa

A indústria da carne vermelha da África do Sul relatou graves perdas após a proibição de exportações de países vizinhos devido à confirmação de um surto de febre aftosa.

Em um comunicado divulgado pelo Departamento de Agricultura, Silvicultura e Pesca e pela indústria de carne vermelha do país, o caso da febre aftosa foi confirmado no distrito de Vhembe, em Limpopo, depois que casos foram relatados a veterinários estaduais que realizaram testes em gado na área.

Isso levou a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) a suspender o status de livre de aftosa da África do Sul, o que, por sua vez, fez com que alguns países comerciais vizinhos proibissem as exportações. Segundo o comunicado, “essas proibições causaram graves prejuízos à indústria”.

“O impacto que isso teve para o comércio na semana passada foi devastador para dizer o mínimo”, disse um porta-voz. “Peço a todas as indústrias afetadas que trabalhem com minha equipe para minimizar o impacto. Isso pode ser alcançado se todos nós assumirmos a responsabilidade de evitar pânico e estresse desnecessários, e nos aproximarmos dos parceiros comerciais para as confirmações necessárias do comércio de produtos em seus territórios.”

“Notificamos a maioria dos nossos parceiros comerciais e começamos a oferecer garantias, especialmente para o comércio de produtos que não representam risco de transmissão da doença, como carne e produtos lácteos tratados termicamente, carne desossada e maturada, lã lavada, couros e peles salgados e embriões de gado.”

O governo enfatizou que o surto foi limitado ao distrito de Vhembe, na aldeia de Sundani, e que o número de bovinos afetados era inferior a 50 em uma área com cerca de 10.000 a 15.000 cabeças. A área está sob quarentena e os processos de vacinação foram iniciados na tentativa de prevenir novas infecções enquanto uma investigação sobre o surto ocorre.

O porta-voz acrescentou que recuperar o status de livre de febre aftosa da OIE seria difícil. “A pergunta na mente da maioria das pessoas afetadas é quando o status livre da febre aftosa da OIE pode ser recuperado? Este é um processo longo, que vai ser muito exigente para nós. Primeiro, temos que conter com sucesso o surto através do controle do movimento e da vacinação, enquanto ao mesmo tempo investigamos a extensão do surto, que é o que estamos fazendo atualmente.

Então, devemos provar que foi um incidente limitado, através de vigilância ativa fora da área vacinada. Considerando que os animais na antiga zona livre serão vacinados, estes devem ser claramente marcados e removidos da área uma vez que a situação se acalme, se pretendermos incluir a mesma área na zona livre novamente. ”

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar