Categories: Giro do Boi

Indústria da carne assina acordo para integrar sistemas de exportação para Jordânia

A Associação Brasileiro de Proteína Animal (ABPA) e a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) assinaram um acordo com a Câmara de Comércio Brasil-Árabe (CCBA) e as principais certificadoras halal do país para integrar sistemas de documentação e certificação para dinamizar as exportações para a Jordânia de vinte 20 para poucas horas.

“O sistema está pronto, vamos começar a desenvolver os projetos pilotos e, garantindo o sucesso com um país, praticar com os outros 21 países”, explica Tamer Mansour, secretário-geral na Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Segundo Mansour, os primeiros embarques usando o sistema integrado, uma plataforma blockchain desenvolvida desde setembro do ano passado, deverão ocorrer ainda neste ano, gerando economia de US$ 4 milhões com logística de documentos ao governo da Jordânia.

“Os custos burocráticos para as exportações brasileiras para os países árabes, com chancela e certificação de documentos, logística para envio de documentos, tudo isso vai ser anulado”, aponta o secretário-geral da CCAB.

Signatário do acordo, Ali Saif, presidente da Cdial Halal, conta que a certificadora já chegou a demorar três dias para emitir um certificado halal devido aos trâmites logísticos. “O que estamos propondo é que a coisa seja imediata, sem essa questão de transporte e risco de perda de documentos”, detalha Saif.

De adesão voluntária, a ferramenta é vista como “uma oportunidade de desburocratização” pelo setor de proteína animal no país. “É uma oportunidade de desburocratização de processos, com maior segurança e transparência durante a exportação, com menos custos e maior agilidade nas vendas para determinados destinos do Oriente Médio”, aponta o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, as exportações agrícolas para a Jordânia somam 339,1 mil toneladas, sendo 16,6% desse volume carnes, incluindo proteínas de frango e bovina. O país responde por 2% das vendas totais para o bloco, que somam 14,2 milhões de toneladas este ano, sendo 1,3 milhão só de carnes.

Fonte: Revista Globo Rural.

This post was published on 22 de outubro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Marfrig deve iniciar a construção de seu frigorífico no Paraguai antes de julho

A Marfrig Global Foods está avaliando o início da construção de sua planta de frigorífica… Read More

18 de janeiro de 2021

Vendedores de carne bovina conseguem emplacar alta no atacado

Após as tentativas de emplacar novas altas nos produtos no atacado, a ponta vendedora finalmente… Read More

18 de janeiro de 2021

Consumo doméstico tímido e demanda externa aquecida definem preços da carne

Na primeira quinzena de janeiro, o preço da arroba registrou alta de 48% e a da… Read More

18 de janeiro de 2021

Governo de São Paulo revoga aumento de ICMS no agronegócio

O governo de São Paulo publicou hoje no Diário Oficial do Estado três decretos que… Read More

18 de janeiro de 2021

FGV prevê alta da produção agroindustrial em 2021

Embora tenha voltado a subir em novembro, o resultado final do Índice de Produção Agroindustrial… Read More

18 de janeiro de 2021

Imposto com alíquota cheia sobre insumos faz surgir impasse em Goiás

Apesar de o Convênio 100/1997 - que autoriza a isenção nas operações internas e reduz… Read More

18 de janeiro de 2021