Commodities: Vendas da nova safra americana impulsionam grãos em Chicago
30 de julho de 2021
Países apertam fiscalização após caso de peste suína africana nas Américas
30 de julho de 2021

Indústria australiana de carne vermelha estabelece meta de ser neutra em carbono até 2030 (CN30)

A indústria australiana de carnes vermelhas e pecuária estabeleceu a ambiciosa meta de ser Carbono Neutro até 2030 (CN30).

O que significa o CN30?

Essa meta significa que, até 2030, a produção australiana de carne bovina, ovina e caprina, incluindo alimentação em confinamento e processamento de carne, não fará nenhuma liberação líquida de emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera.

Com o compromisso de toda a indústria, as configurações de política certas e investimentos em pesquisa contínuos, a indústria australiana de carne vermelha pode estar na vanguarda da neutralidade de carbono.

A meta do CN30 envia um sinal claro ao governo e aos consumidores de que a indústria de carnes vermelhas e pecuária está abordando as emissões de forma proativa e tomando medidas para melhorar a produtividade a longo prazo, enquanto se esforça para entregar zero emissões líquidas.

Por que isso é importante?

Ficar à frente das expectativas atuais e futuras dos consumidores, clientes e comunidades em relação às credenciais ambientais permite que os produtores de carne vermelha carimbem sua marca em um competitivo mercado global de proteínas.

Compromisso comprovado com a gestão ambiental, por meio de iniciativas como o CN30, permite confiança e apoio contínuos para a indústria de carnes vermelhas e pecuária. Isso sustenta a posição da Austrália como um produtor responsável de proteínas naturais, seguras e de alto valor.

Quais são os benefícios?

A abordagem da Meat and Livestock Australia (MLA) para alcançar o CN30 está focada em fornecer vários benefícios para a indústria, consumidores e comunidade.

Benefícios para produtores

  • novos suplementos animais e leguminosas que podem aumentar os ganhos de peso vivo e reduzir drasticamente as emissões de metano;
  • aumento da matéria orgânica do solo proveniente de pastagens e leguminosas com raízes profundas, o que melhora a saúde do solo, a produtividade da alimentação e a resiliência à seca;
  • melhorias na genética e manejo do rebanho que podem reduzir as emissões de metano por quilo de peso vivo produzido, permitindo melhorias de produtividade juntamente com reduções na intensidade das emissões.

Benefícios para o consumidor

  • o conhecimento de que comprar carne vermelha australiana é bom para o meio ambiente.

Benefícios para a comunidade

  • a indústria de carne vermelha está dando uma contribuição substancial para os compromissos internacionais da Austrália sobre as mudanças climáticas.

O que isso significará para os números nacionais de gado da Austrália?

A neutralidade de carbono não precisa vir à custa do número de rebanhos.

A análise CSIRO mostra que é possível alcançar CN30 sem reduzir o número de rebanhos abaixo da média móvel de 10 anos (25 milhões de bovinos, 70 milhões de ovelhas e 0,5 milhões de cabras).

Em 2030, os produtores estarão ainda mais atentos à influência de fatores genéticos, ambientais, tecnológicos e de mercado na produção de carne vermelha, e serão capazes de:

  • acessar as melhores informações, permitindo a seleção de gado com múltiplos atributos para aumentar a produtividade e reduzir as emissões de metano por quilograma produzido;
  • selecionar suplementos, pastagens, leguminosas e árvores com atributos múltiplos, permitindo que o gado prospere em condições climáticas e climáticas mais extremas;
  • acessar mercados mais estabelecidos para carnes vermelhas e coprodutos de baixo e zero carbono.

O que foi alcançado?

A indústria de carne vermelha e pecuária atualmente contribui com 10% de todas as emissões de GEE da Austrália – esse número caiu pela metade desde 2005.

As emissões de gases de efeito estufa da indústria de carnes vermelhas e pecuária caíram 56,7% desde 2005. Além das emissões, agora é preciso 65% menos água para produzir um quilo de carne bovina.

O que está sendo feito?

A MLA desenvolveu as seguintes áreas de trabalho, para fornecer resultados que são necessários para que a indústria alcance CN30:

  • Atividades de prevenção de emissões de GEE na fazenda, confinamentos e processamento.
  • Armazenamento de carbono na fazenda por meio de árvores, leguminosas e pastagens.
  • Sistemas de gestão integrados que ligam a prevenção de emissões de GEE e as atividades de armazenamento de carbono ao pensamento do sistema agrícola.
  • Construção de liderança para apoiar o crescimento da capacidade e competência entre indivíduos e organizações.

O MLA está trabalhando nas seguintes ferramentas e tecnologias para que os produtores reduzam as emissões de maneira econômica e aumentem o valor das vendas de carne vermelha.

Ferramenta de contabilidade de carbono e pacotes de treinamento

O MLA tem trabalhado para desenvolver uma ferramenta de contabilidade de carbono para que os produtores possam determinar sua posição de emissões líquidas de GEE, identificar estratégias para reduzir essas emissões e melhorar o armazenamento de carbono na fazenda.

Um manual de treinamento de contabilidade de carbono (com lançamento previsto para o final de 2020) também está sendo desenvolvido para ajudar os produtores a se posicionar e manter ou melhorar a produtividade enquanto reduzem as emissões.

Novos suplementos e opções de alimentos animais

Mais de três quartos das emissões da fermentação entérica (digestão) são provenientes do gado de corte a pasto. Aproximadamente metade dessas emissões são de vacas com mais de dois anos.

É por isso que o MLA e seus parceiros de pesquisa estão investindo em novas opções de base de alimentação e suplementos que reduzem as emissões de metano do gado e melhoram as taxas de crescimento e reprodução animal.

Leguminosas como a leucena e o desmanthus podem aumentar a produtividade animal, reduzir as emissões de metano e oferecer benefícios adicionais à saúde do solo ao fixar o nitrogênio.

Vários suplementos foram identificados que fornecem reduções no metano entérico e melhorias na produtividade animal, incluindo o seguinte:

  • É provável que o 3-nitrooxipropanol (3-NOP) esteja disponível para os produtores nos próximos anos e pode reduzir as emissões de metano entérico em bovinos alimentados com dietas à base de grãos;
  • Foi demonstrado que macroalgas marinhas, como o Asparagopsis app, reduzem substancialmente as emissões de metano entérico quando incorporadas às rações de confinamento.

Mais informações: https://www.mla.com.au/CN30.

Fonte: MLA, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *