Risco de geada persiste, e nova massa de ar polar se aproxima do país
19 de maio de 2022
CEPEA: China é destino de metade das exportações de carne do Brasil
19 de maio de 2022

Índice de Confiança do Agronegócio calculado pela Fiesp subiu no 1º tri

Os elevados preços das commodities, aliados aos resultados positivos das exportações, deixaram o agro brasileiro mais otimista no primeiro trimestre deste ano, mesmo em meio à escalada dos custos de produção e às incertezas que já se aprofundavam nas cadeias de insumos.

Segundo dados divulgados há pouco, o Índice de Confiança do Agronegócio (ICAgro), calculado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) a partir de pesquisa de campo da Agroconsult, alcançou 111,5 pontos no período, 1,9 ponto mais que no quarto trimestre de 2021. O resultado é dimensionado a partir de 1,5 mil entrevistas (645 válidas) com agricultores e pecuaristas do país. Cerca de 50 indústrias também são ouvidas.

“Depois da porteira”

A alta foi puxada pelas indústrias que atuam “depois da porteira”. O indicador que mede especificamente a confiança desse grupo chegou a 117,4 pontos de janeiro a março, 9 pontos a mais do que entre outubro e dezembro do ano passado.

“O bom momento das exportações do agronegócio é uma das razões às quais pode ser atribuído o ganho de otimismo, já que muitas empresas que compõe o grupo ‘depois da porteira’ são exportadoras”, afirma o diretor do Departamento de Agronegócio da Fiesp, Roberto Betancourt, em nota.

“Antes da porteira”

No caso das indústrias que atuam “antes da porteira”, onde estão as empresas de sementes, fertilizantes e defensivos, houve queda de 3,7 pontos na comparação, para 107,7 pontos, mesmo em meio à forte alta dos preços desses produtos.

“Boa parte das entrevistas aconteceu em março, durante o início da ofensiva russa na Ucrânia. Havia grande incerteza quanto à oferta e aos preços dos fertilizantes, e a comercialização de insumos para a próxima safra permaneceu praticamente parada”, lembra Betancourt.

Neste momento, como tem informado o Valor, são menores os temores em relação à falta de adubos para o plantio da próxima safra de verão (2022/23), mas não estão descartados problemas logísticos entre junho e agosto, quando as entregas aos produtores costumam ganhar ritmo.

A alta dos preços dos nutrientes , que persiste, provocou uma queda de 2,9 pontos no indicador que mede a confiança do produtor agrícola no primeiro trimestre, para 109,1 pontos.

“A percepção sobre o custo de produção, que já era ruim no *final de 2021, voltou a cair em função da piora das relações de troca causada pela alta dos fertilizantes e pelos temores relacionados à sua disponibilidade”, diz Betancourt.

Também colaboraram para a modesta erosão das expectativas problemas relacionados ao crédito rural (alta de juros e esgotamento de fontes de recursos com equalização do Tesouro) e a quebra da safra de soja na região Sul e em parte de Mato Grosso do Sul, em decorrência da seca.

Produtor pecuário

O indicador que mede o humor dos pecuaristas, por sua vez, teve queda de 2,6 pontos de janeiro a março, para 101,4 pontos. No segmento, os custos também já estavam em alta e os preços dos bezerros, elevados. Como na agricultura, na pecuária o crédito era igualmente uma fonte de dor de cabeça.

A pesquisa da Fiesp também capturou uma melhora das perspectivas do agro para a economia brasileira em geral. Nesse frente, havia um maior pessimismo no quarto trimestre do ano passado, quando o ICAgro registrou queda expressiva em relação ao período imediatamente anterior.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.