Conab corta estimativa de safra de grãos em 2020/21 para 260,8 milhões de toneladas
8 de julho de 2021
“Quebramos nosso sistema alimentar de três maneiras”, diz Will Harris, proprietário da White Oak Pastures
8 de julho de 2021

Índice de alimentos da FAO cai pela primeira vez em 12 meses

Os preços globais do alimentos caíram em junho pela primeira vez em 12 meses, de acordo com o índice da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O indicador atingiu a média de 124,6 pontos no mês, queda de 2,5% em relação a maio, mas ainda 33,9% acima do mesmo mês do ano passado.

Foram registrados recuos nos óleos vegetais, cereais e, embora de forma mais moderada, nos lácteos, o que mais que compensou as altas das carnes e do açúcar.

O indicador de óleo vegetal da FAO caiu 9,8% no mês, com recuos nos valores médios dos óleos de palma, soja e girassol.

O índice de preços de cereais da FAO caiu 2,6% na comparação mensal, mas permaneceu 33,8% acima de seu valor em junho de 2020. Os preços internacionais do milho caíram 5%, liderados pela queda dos preços na Argentina devido ao aumento da oferta. Os preços internacionais do trigo recuaram 0,8% em junho, com uma perspectiva de oferta global favorável.

O índice de preços de laticínios da FAO caiu 1%, para 119,9 pontos em junho. Entre os subprodutos, a manteiga teve a maior queda, sustentada pela menor demanda global de importação e um ligeiro aumento nos estoques, especialmente na Europa.

O indicador para o açúcar da FAO moveu-se contra a tendência geral dos preços dos alimentos e subiu 0,9% no mês, marcando o terceiro aumento mensal consecutivo e atingindo um novo máximo em anos. “As incertezas sobre o impacto das condições climáticas desfavoráveis sobre a produtividade das safras do Brasil, maior exportador mundial de açúcar, exerceram pressão de alta sobre os preços”, disse a FAO, em relatório.

O indicador para carnes subiu 2,1% no mês até junho, que foi o nono mês consecutivo de alta. O índice ficou 15,6% acima do valor do mesmo mês no ano passado, mas ainda 8% abaixo do pico alcançado em agosto de 2014.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *