‘Não definimos preço do boi nem da carne’, diz Tyson Foods
27 de abril de 2022
De quanto cobre uma vaca precisa?
27 de abril de 2022

Indicador vai comparar esforços da cadeia da carne para evitar desmatamento na Amazônia

Um novo indicador vai comparar os esforços de frigoríficos e redes varejistas que atuam na Amazônia para desvincular a criação de gado do desmatamento no bioma. A iniciativa, batizada de Radar Verde, será conduzida pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e pelo Instituto O Mundo Que Queremos, e pretende manter os consumidores informados sobre as ações da inciativa privada.

O índice será calculado anualmente com base em questionários enviados a todos os frigoríficos com inspeção sanitária federal (SIF) ou estadual (SIE) e a varejistas da Amazônia Legal. Neste primeiro ano, serão convocados a responder o questionário cerca de 113 empresas donas das plantas frigoríficas que atuam na região e os 70 maiores supermercados, de acordo com lista da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

“O índice visa diferenciar as empresas mais avançadas em transparência e governança. Vamos destacar as melhores práticas e ajudar consumidores, investidores e reguladores a diferenciar as empresas”, afirmou Alexandre Mansur, diretor do Instituto O Mundo Que Queremos, em apresentação virtual de lançamento da iniciativa. 

O Radar Verde é mais uma iniciativa que tenta coibir a derrubada de florestas para dar lugar a pasto. Há 13 anos, o Ministério Público Federal (MPF) deu início ao Carne Legal, que levou diversos frigoríficos a assinarem Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) comprometendo-se a não comprar gado de áreas desmatadas. 

Segundo Ritaumaria Pereira, diretora executiva do Imazon, 56% da capacidade frigorífica instalada na Amazônia está sob o TAC da Carne, o que leva os abatedouros que não assinaram o compromisso a uma “concorrência desleal” com os que assinaram. Ela lembrou que pesquisas mostram que, desde 2009, os fornecedores diretos na região reduziram seu desmate em até 85%, mas ainda assim o desmatamento continuou crescendo a partir de 2012, em parte por causa da invisibilidade dos fornecedores indiretos. 

No Radar Verde, as empresas terão que responder as questões e apresentar evidências de suas ações com relação a fornecedores diretos e indiretos de gado. Serão questionados, por exemplo, o percentual de compras aderentes às políticas sustentáveis de compra e o resultado das auditorias. 

Serão avaliadas tanto a existência de políticas para evitar o desmate na cadeia de fornecimento quanto a execução destas políticas. A nota final de cada companhia será composta pela avaliação da existência de políticas, com peso de 20%, e pelo desempenho da efetivação dos compromissos, com peso de 80%. 

A nota das empresas vai variar de 0 a 100. Notas abaixo de 30 serão consideradas “muito baixas”, de 30 a 49 serão “baixas”, de 50 a 69 serão “intermediárias”, de 70 a 89 serão “altas”, e acima de 90, “muito altas”. O resultado do Radar Verde deste ano será divulgado no segundo semestre. 

A iniciativa é financiada pelo governo da Noruega e pelo Instituto Clima e Sociedade (ICS), e também contou com parceria do ReclameAqui e do portal “O Eco”.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.