Incluir carne na dieta mediterrânea melhora a saúde do coração

A Dieta do Mediterrâneo está recebendo novos incentivos, graças a um novo estudo nutricional que mostra que incluir carne vermelha, em vez de evitá-la em favor ou aves e peixes, pode reduzir os fatores de risco para doenças cardíacas.

Julho está aqui, o que significa que estamos na parte final de 2018. O ano parece estar passando, e entrando no sétimo mês do ano, as resoluções de Ano Novo podem ter caído no esquecimento. De acordo com o site statista.com, quase metade (45%) dos americanos esperava perder peso ou entrar em forma em 2018.

Seja entrando em uma academia ou contando calorias, parece que aonde quer que você vá, há uma nova estratégia ou dieta que promete atingir essas metas para quem busca se manter saudável. No entanto, a cada ano, as academias não são utilizadas e os shakes de proteína são ignorados no armário da cozinha.

Com tantas informações conflitantes por aí, pode ser difícil para os consumidores criarem um plano para atingir suas metas de saúde e bem-estar.

A dieta número um recomendada pelo Consumer Reports é o padrão alimentar do estilo mediterrânico. Promovida como a “dieta mais saudável do mundo”, a Dieta Mediterrânea é abundante em frutas, verduras, legumes, vinho tinto e azeite de oliva (em vez de manteiga) e proteínas magras como peixe e frango (em vez de carne vermelha). Foi clinicamente comprovado que essa dieta melhora a saúde do coração e reduz os fatores de risco para ataques cardíacos e derrames.

Se esta dieta soa familiar, é provavelmente porque é essencialmente o que é recomendado pela falsa Dietary Guidelines for Americans (DGA), que durante uma geração inteira promoveu frutas e legumes enquanto demonizava proteínas e gorduras animais na dieta. Não é de surpreender que a DGA também apoie a Dieta Mediterrânea.

No entanto, a Dieta Mediterrânea pode estar recebendo uma atualização que inclui carne vermelha, graças a um novo estudo nutricional realizado na Universidade de Purdue.

Publicado no American Journal of Clinical Nutrition, o estudo foi financiado pelos programas de checkoff de carne bovina e suína com o apoio Indiana Clinical and Translational Sciences Institute e uma bolsa de pré-doutorado do National Institutes of Health através do Ingestive Behavior Research Center at Purdue.

“Este estudo é importante porque mostra que a carne vermelha pode ser parte de um padrão de alimentação saudável para o coração, como um padrão alimentar de estilo mediterrâneo”, disse Wayne W. Campbell, professor de ciência da nutrição, em um comunicado à imprensa.

“A maioria das recomendações de padrões alimentares saudáveis inclui uma declaração ampla para reduzir o consumo de carne vermelha”, acrescentou Lauren E. O’Connor, principal autora e recém-doutora. “Nosso estudo comparou os padrões de alimentação do estilo mediterrâneo com a ingestão de carne vermelha que é típica nos Estados Unidos, cerca de 85 gramas por dia, versus uma quantidade de ingestão comumente recomendada de 85 gramas duas vezes por semana. No geral, os indicadores de saúde do coração melhoraram com os padrões alimentares ao estilo mediterrâneo. Curiosamente, no entanto, o colesterol LDL dos participantes, que é um dos mais fortes preditores que temos para prever o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, melhorou com a ingestão de carne vermelha típica, mas não menor.”

De acordo com o comunicado de imprensa, “o estudo avaliou os efeitos promotores da saúde de um padrão alimentar de estilo mediterrânico, sem perda de peso pretendida, para adultos com excesso de peso e em risco de desenvolver doenças cardíacas. Todos os 41 participantes do estudo – 28 mulheres e 13 homens – completaram as três fases do estudo. As fases incluíam um período de cinco semanas de consumo de um padrão alimentar ao estilo mediterrâneo, contendo 85 gramas por dia de carne vermelha magra, não processada, uma quantidade de carne vermelha que o típico residente dos Estados Unidos consome; um retorno de cinco semanas ao seu padrão regular de consumo; e um período de cinco semanas de consumo de um padrão alimentar mediterrâneo com menos carne vermelha, 85 gramas, duas vezes por semana, o que é comumente recomendado para a saúde do coração. A ordem das intervenções típicas e inferiores de carnes vermelhas foram distribuídas aleatoriamente entre os participantes.”

Dos resultados, Campbell disse: “Também é muito encorajador que as melhorias que essas pessoas experimentaram – que incluíram melhorias na pressão arterial, lipídios no sangue e lipoproteínas – foram notadas em cinco semanas”.

Como resultado deste estudo, os pesquisadores concluíram: “Os adultos com sobrepeso ou moderadamente obesos podem melhorar múltiplos fatores de risco para doenças cardiometabólicas adotando um padrão de alimentação ao estilo mediterrâneo sem ou com reduções na ingestão de carne vermelha quando as carnes vermelhas são magras e não processadas.”

Fonte: BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar