Imposto sobre a carne é “inevitável” para combater crises climáticas e de saúde, diz relatório

Impostos sobre a carne para reduzir seu enorme impacto sobre as mudanças climáticas e a saúde humana parecem inevitáveis, de acordo com analistas de investidores.

Uma nova análise da rede de investidores, Investers Risk Animal Investment Risk and Return (Fairr) argumenta que a carne está agora seguindo o mesmo caminho que tabaco, emissões de carbono e açúcar em direção a um imposto sobre produtos nocivos para reduzir o consumo. Os impostos sobre a carne já foram discutidos em parlamentos na Alemanha, Dinamarca e Suécia, ressalta a análise, e o governo da China reduziu seu consumo máximo recomendado de carne em 45% em 2016.

“Se os formuladores de políticas devem cobrir o verdadeiro custo das epidemias humanas como obesidade, diabetes e câncer, e epidemias animais, como a gripe aviária, ao mesmo tempo em que abordam os dois desafios das mudanças climáticas e a resistência aos antibióticos, uma mudança de subsídios para tributação da indústria da carne parece inevitável”, disse Jeremy Coller, fundador da Fairr e diretor de investimentos da empresa de capital privado Coller Capital. “Investidores com visão avançada devem planejar com antecedência para este dia”.

Maria Lettini, diretora da Fairr, disse: “À medida que a implementação do acordo climático de Paris progride, é provável que vejamos ações do governo para reduzir o impacto ambiental do setor pecuário global. No caminho atual, podemos ver uma forma de imposto sobre a carne surgir dentro de cinco a 10 anos.”

A primeira análise global dos impostos sobre a carne realizada em 2016 descobriu que tarifas de 40% em carne bovina, 20% em produtos lácteos e 8,5% em frango economizaria meio milhão de vidas por ano e reduziria as emissões de gases de efeito estufa. Propostas na Dinamarca sugeriram um imposto de US$ 2,70 por quilo de carne.

Os impostos sobre a carne são muitas vezes vistos como politicamente impossíveis, mas pesquisas feitas por Chatham House em 2015 descobriram que são muito menos desagradáveis para os consumidores do que os governos pensam. A pesquisa mostra que as pessoas esperam que os governos liderem a ação em questões que são para o bem global, mas que a conscientização sobre os danos causados pela indústria pecuária é baixa. O uso de receitas fiscais de carne para subsidiar alimentos saudáveis é uma ideia promovida para reduzir a oposição.

“É apenas uma questão de tempo para a agricultura se tornar foco de uma séria política climática”, disse Rob Bailey do Chatham House. “O caso de saúde pública provavelmente fortalecerá a resolução do governo, como já vimos com o carvão e o diesel. É difícil imaginar uma ação para taxar a carne hoje, mas no decorrer dos próximos 10 a 20 anos, espero que as tarifas sobre a carne se acumulem.”

A necessidade de um alto imposto sobre a carne poderia ser reduzida se surgirem tecnologias revolucionárias para reduzir drasticamente as emissões dos gado, disse Lettini, mas nenhuma delas existe hoje. Outra opção mais promissora é a indústria nascente mas em rápido crescimento de alternativas vegetais à carne, como o Impossible burger.

“Há grandes oportunidades no mercado”, disse Lettini. “Se pudermos começar a substituir a proteína da carne por proteínas à base de plantas que tenham o mesmo aspecto, sabor e se pareça com carne, onde os consumidores de carne fiquem felizes comer um hambúrguer que é à base de vegetais, estamos mudando o mundo.”

Fonte: The Guardian, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

4 opiniões sobre “Imposto sobre a carne é “inevitável” para combater crises climáticas e de saúde, diz relatório”

  • Renato - 20/12/2017

    Para começo de conversa não é um “grupo de investidores” que vai decretar que a carne agora segue caminhos do tabaco, açúcar para ser mais uma vez sobretaxado.
    Segundo, países como Dinamarca, Alemanha e outros sabem que não possuem perfil pecuário e não têm disponibilidade de terras para serem considerados grandes produtores de carne, até porque neste setor não há espaço para qualquer um. Desde que eu tenha meu beef garantido que se lasque o resto da população mundial (devem pensar tais líderes). E terceiro o que a população vai comer??? por certo somente ração e grão de soja, que esse sim abusa de “defensivo agrícola (que coincidência a Alemanha é o maior produtor disso), derruba matas por mais espaço e, quanto ao efeito estufa nem se fala já que querem culpar a pecuária.
    Francamente onde estão os políticos, líderes mundiais com ligação estreita com a pecuária, onde estão os grandes pecuaristas que não se utilizam dos grandes meios de comunicação para fazerem frente a estes contrapropagandistas da carne brasileira, uruguaia, argentina e paraguaia. Por fim, está provado que municípios brasileiros que tinham a pecuária como principal atividade sempre foram sociedades mais ricas culturalmente, com verdadeiros valores de humanidade, sociabilidade e segurança pública, agora ,com expansão da agricultura sobre essas terras, são municípios quebrados economicamente, sem empregos, valores e tomados por problemas da violência e drogas.

  • Joaquim - 07/01/2018

    Esse empresário das finanças deve ser sócio do substituto à carne da empresa Menphis Meat, statup americana, assim como o Richard Branson e o Steve Jobs.

  • Leonardo - 15/01/2018

    O nome disso é Engenharia Social. Eles dizem que a sociedades está aberta ao aumento de impostos sobre a carne, mas não está! Dizem isso como um argumento para fazer as pessoas aceitarem isso. “Uma mentira contada várias vezes, torna-se uma verdade”. Manipulação de informação por uma mídia doente (The Guardian) e os chamados “especialistas”.

  • Gabriel P de Barros - 18/01/2018

    O nome disso é Comunismo! Me entristece muito ver pessoas do mais alto gabarito (mercado financeiro) acreditando nessas mentiras, e tentando manipular o mercado. Continuaremos atento as constantes melhoras no nosso sistema de produção de carne bovina, para alimentarmos bem a humanidade com um bom churrasco!!

Os comentários estão encerrados.


ou utilize o Facebook para comentar