Categories: Giro do Boi

Impactos da pandemia ainda não são graves nas exportações do agronegócio, diz CNA

Monitoramento realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ainda não identificou problemas expressivos causados pela pandemia do novo coronavírus para as exportações de produtos do agronegócios do país. No primeiro bimestre, os embarques setoriais renderam US$ 12,2 bilhões, US$ 1,1 bilhãa menos que no mesmo período de 2019.

A área técnica internacional da entidade diz que até o momento nenhum caso de interrupção de contrato foi reportado para qualquer destino no mundo, apesar de relatos de renegociações para exportação de mercadorias frescas Europa. Fechamento de bares e restaurante, restrições em voos e protecionismo são pontos de alerta neste momento.

“Houve queda [nos valores exportados este ano], mas não muito significativa. Boa parte dos contratos foram negociados no ano passado, portanto ainda não é possível dizer que a responsável foi a pandemia. Nos próximos meses poderemos ver melhor esses impactos em termos de balança”, afirmou hoje a gerente de Inteligência Comercial da CNA, Sueme Andrade.

“Temos que aguardar o fechamento do mês para ter informações mais atualizadas. Mas mesmo durante o pico da epidemia exportamos mais carne bovina que no ano passado. Houve problemas, mas é muito individualizado, e a China está voltando com tudo”, analisou Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA.

A retomada das atividades na China e as medidas adotadas por diversos países para garantir o abastecimento alimentar tendem a sustentar o volume das exportações brasileiras mesmo com a pandemia, avaliou Lígia.

A normalização das operações nos portos chineses é o principal destaque. “A vida está voltando ao normal, as empresas retomando os trabalhos, as pessoas estão voltando às ruas. O governo chinês diz que 80% dos trabalhadores voltaram”, afirmou. “Os portos já voltaram a operar normalmente. Antes não havia interrupções de contratos, mas houve atrasos porque os trabalhadores não estavam indo, não tinha transporte. Agora já está normalizado”.

A previsão de contração de 13% das atividades industriais na China e de 20% das vendas no varejo no país asiático ainda preocupam. “Tem um reflexo no mundo, é a China nossa principal parceira comercial. Pode ter um reflexo, mas para os produtos que o Brasil exporta a gente tem visto fluxo normal”, definiu Lígia.

Na União Europeia, segundo principal destino dos produtos agropecuários brasileiros, o alerta é para o fechamento de bares e restaurantes. “Outra preocupação é a questão dos voos internacionais, e tem havido restrição lá. Algumas frutas e outros produtos frescos usam transporte aéreo para distribuição”, lembrou Sueme Andrade.

Na França e na Itália, o consumo de produtos frescos, como queijos, peixes, frutas e hortaliças, diminuiu. “Isso também gera preocupação do exportador do lado de cá. Algumas empresas italianas, de menor porte, estão buscando renegociar contratos de produtos que seriam importados do Brasil, mas nenhum caso concreto de interrupção de contrato”, disse Sueme.

No Oriente Médio, os governos locais começaram a implementar medidas para garantir a segurança alimentar da população, como a diminuição de burocracia para importação de alimentos. O desembaraço mais rígido e demorado está normalizado na Arábia Saudita, avalia a CNA.

Em países islâmicos, a proximidade do início do mês sagrado, o Ramadã, também gera uma “flexibilidade nas regras”. No Marrocos, por exemplo, documentos cobrados no momento da importação podem ser entregues posteriormente. Medidas para facilitar o fluxo de mercadorias também foram tomadas no Egito, Vietnã e Indonésia, até com a redução de impostos de importação.

Já nos Estados Unidos, terceiro principal destino das exportações do agronegócios brasileiro, a preocupação é com o protecionismo. No pacote de medidas que o setor americano pediu ao governo está, novamente, a solicitação para o fechamento do mercado para carne bovina in natura do Brasil. Segundo Lígia Dutra, casos assim surgem “no meio de cenários conturbados” e é preciso estar atento para “não dar asas aos interesses protecionistas”.

A CNA destacou que o Congresso dos EUA deverá votar um pacote de US$ 1,2 bilhão para assistência alimentar e compras governamentais. Desse total, US$ 400 milhões são apenas para aquisição de commodities. “O governo está investindo em compras para manter a produção agrícola”,afirmou Lígia.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 30 de março de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020