Agricultura vai reforçar os argumentos contra “Guia”
25 de setembro de 2020
Pecuarista lidera intenção de investir em tecnologia entre produtores do Brasil, diz INA
25 de setembro de 2020

IGC projeta a produção global de grãos em 2020/21 em 2,227 bilhões de toneladas

SERTÃO SANTANA, RS, BRASIL, 10.07.13: Colheita de milho em Sertão Santana. Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini

O Conselho Internacional de Grãos (IGC), com sede em Londres, ajustou sua estimativa para a produção mundial de grãos na safra 2020/21 para 2,227 bilhões de toneladas. O volume é levemente inferior ao estimado em agosto (2,23 bilhões de toneladas) e, se confirmado, representará um aumento de 2,1% em relação ao total de 2019/20 e será um novo recorde histórico.

Segundo os novos números da entidade, o consumo global chegará a 2,22 bilhões de toneladas, 2 milhões a menos que o projetado em agosto e com aumento de 1,7% ante 2019/20. Assim, os estoques de passagem passaram a ser calculados em 629 milhões de toneladas, ante as 630 milhões estimadas no mês passado e as 622 milhões do ciclo anterior.

O quadro da entidade indica também que o comércio de grãos movimentará 398 milhões de toneladas em 2020/21, mais que o projetado em agosto (395 milhões) e que o calculado para 2019/20 (394 milhões, nos dois casos).

Para o milho, o IGC reduziu sua projeção para a produção em 2020/21 para 1,16 bilhão de toneladas, ante 1,121 bilhão em 2019/20, ajustou para baixo o cenário para o consumo (1,176 bilhão de toneladas, ante 1,145 bilhão em 2019/20), baixou a previsão para os estoques (285 milhões de toneladas, ante 300 milhões em 2019/20), e ampliou o cálculo para o comércio (178 milhões de toneladas, ante 173 milhões em 2019/20).

No quadro do trigo, a entidade manteve as projeções para a produção (763 milhões de toneladas, ante 762 milhões em 2019/20), para o consumo (749 milhões de toneladas, ante 745 milhões em 2019/20), para os estoques (294 milhões de toneladas, ante 279 milhões em 2019/20), e elevou a estimativa para o comércio para 183 milhões de toneladas, ante 185 milhões em 2019/20.

No cenário traçado para a soja, o IGC manteve a previsão para a produção mundial em 373 milhões de toneladas, acima das 338 milhões em 2019/20 — graças a incrementos no Brasil e nos Estados Unidos, que puxam a colheita global —, corrigiu para cima a estimativa para o consumo (369 milhões de toneladas, ante 354 milhões em 2019/20), baixou os estoques (50 milhões de toneladas, ante 47 milhões em 2019/20) e ampliou o comércio (165 milhões de toneladas, ante 164 milhões em 2019/20).

No caso do arroz, finalmente, a produção global em 2020/21 foi reduzida para 504 milhões de toneladas, ante 497 milhões em 2019/20, o consumo permaneceu em 500 milhões de toneladas, ante 497 milhões em 2019/20, o estoque foi ajustado para 180 milhões de toneladas, ante 175 milhões em 2019/20, e o comércio foi elevado para 46 milhões de toneladas, ante 42 milhões em 2019/20.

O Brasil é o maior exportador de soja do mundo e um dos maiores no caso do milho. No mercado de trigo, é um grande importador e no de arroz o comércio exterior ainda é menos relevante.

Fonte: Valor Econômico.

Os comentários estão encerrados.