Categories: Giro do Boi

IBGE: Após dois anos de queda, rebanho bovino cresce 0,4%

O rebanho bovino nacional voltou a se recuperar após dois anos consecutivos de queda. Com leve alta (0,4%) em 2019, o número de reses no país chegou a 214,7 milhões. Mato Grosso segue na liderança, com 31,7 milhões de cabeças de gado, respondendo por 14,8% do rebanho nacional, mas o município com a maior quantidade de bovinos foi São Félix do Xingu (2,2 milhões), no Pará.

O valor de produção dos principais produtos pecuários cresceu 9,0% em 2019, chegando a R$ 59,3 bilhões. A produção de leite concentrou 72,8% deste valor, seguida pela produção de ovos de galinha (25,6%), mel (0,8%), ovos de codorna (0,6%), lã (0,1%) e casulos de bicho da seda (0,1%). Considerando esses produtos, o maior valor de produção foi observado na região Sudeste, que concentrou 35,8% do total nacional, seguida pela região Sul, com 30,9% (R$ 18,3 bilhões). Em todas as grandes regiões, houve aumento em relação a 2018. Minas Gerais foi o estado com maior valor de produção: R$ 13,0 bilhões.

Mato Grosso e Nordeste puxam crescimento do rebanho bovino

Com uma leve alta de 0,4% em 2019, o rebanho bovino nacional voltou a se recuperar após dois anos consecutivos de queda, chegando a 214,7 milhões de cabeças de gado. Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais mantiveram os postos de maiores rebanhos brasileiros e juntos foram responsáveis por 35,7% do total.

Mato Grosso teve um aumento de 5,1% em relação a 2018, totalizando 31,7 milhões de animais, sendo responsável por 14,8% do total do efetivo nacional. Já Goiás manteve o efetivo estável e fechou o ano com 22,8 milhões de cabeça de gado. Minas Gerais teve alta de 1,0% e atingiu a marca de 22,0 milhões de bovinos.

Com 74,0 milhões de cabeças de gado, o Centro-Oeste continuou na liderança, participando com 34,5% de todo o rebanho bovino nacional. O Nordeste, com 28,6 milhões de bovinos, apresentou o maior crescimento em números absolutos: 756,3 mil cabeças de gado, ou mais 2,7%. Já as regiões Sul e Sudeste tiveram decréscimos de 2,8% e 0,2%, respectivamente.

Paraná e Rio Grande do Sul foram os responsáveis pela queda do rebanho sulista. Com 12,0 milhões de animais, o Rio Grande do Sul teve queda de 4,6% no rebanho. No Paraná, a queda foi de 3,3%, totalizando 9,0 milhões de cabeças de gado. Já na região Sudeste, as quedas vieram dos estados de São Paulo (-2,6%) e Rio de Janeiro (-0,8%).

Entre os municípios, São Félix do Xingu (PA) continuou líder em efetivo de bovinos, com 2,2 milhões de cabeças de gado. Corumbá (MS) seguiu em segundo lugar, com 1,8 milhão de animais. Vila Bela da Santíssima Trindade (MT) se deslocou da sétima para terceira posição, após alta de 14,0% do seu rebanho, chegando a 1,2 milhão de animais.

Fonte: IBGE.

This post was published on 15 de outubro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

McDonald’s: Pasto regenerativo para fazendas de carne resilientes no Reino Unido

O McDonald’s UK e a FAI Farms Ltd são pioneiros no Adaptive Multi-Paddock Grazing (AMP)… Read More

26 de fevereiro de 2021

Boi gordo perde força e arroba desvaloriza até R$ 5 nesta quinta

O mercado físico de boi gordo registrou preços de estáveis a mais baixos nesta quinta-feira,… Read More

26 de fevereiro de 2021

Decisão de Lyon de retirar carne das cantinas escolares gera protestos na França

A decisão temporária do presidente da Câmara de Lyon, membro do partido Europa Ecologia –… Read More

26 de fevereiro de 2021

Regulamentação e sustentabilidade desafiam cadeia da carne no Brasil

A cadeia produtiva brasileira da carne está cada vez mais engajada em regularizar a situação… Read More

26 de fevereiro de 2021

Mercosul cobra proposta ambiental de europeus

Uma audiência pública no Parlamento Europeu sobre o acordo União Europeia-Mercosul serviu para a Argentina,… Read More

26 de fevereiro de 2021

JBS quer criar empresa para atuação global em produtos à base de plantas

A JBS pretende criar uma empresa global dedicada especialmente a alimentos à base de plantas,… Read More

26 de fevereiro de 2021