Categories: Giro do Boi

Gestão da cadeia de suprimentos com o coronavírus: lições da China

À medida que a crise do coronavírus se aprofunda na Europa, Bo Zhou, CEO da FuturMaster, especialista em software de cadeia de suprimentos, compartilha ideias sobre o gerenciamento da crise e as lições aprendidas ao manter as engrenagens girando na China.

“Tudo o que parece normal todos os dias se torna totalmente impossível.”

A cadeia de suprimento de alimentos na Europa está sob crescente pressão. Por um lado, fabricantes e varejistas estão lutando para atender a um salto repentino na demanda. Por outro lado, eles podem enfrentar novas restrições de transporte e distribuição destinadas a impedir a propagação da doença. Embora a Comissão Europeia tenha adotado medidas, como faixas dedicadas, projetadas para manter um bom fluxo entre os Estados membros, as associações da indústria de alimentos relataram atrasos na fronteira que afetam principalmente os alimentos frescos. Deve-se esperar escassez de mão-de-obra e paralisações forçadas nas fábricas.

De acordo com Bo Zhou, diretor executivo da FuturMaster, fornecedor de software de planejamento de IA, “muitos” dos clientes da empresa na Europa estão “preocupados com o impacto em suas cadeias de suprimentos”. A empresa conta com Warburtons, Haribo, Bonduelle e Yoplait entre sua base de clientes na Europa.

Covid-19: prepare-se com previsões e simulações

O FuturMaster possui operações na China, onde grandes perturbações foram causadas às empresas após o início da crise do coronavírus. Dados oficiais mostram que as exportações chinesas em janeiro e fevereiro caíram 17,2% na comparação anual. Para um dos clientes de bebidas do FuturMaster, as vendas de fevereiro caíram 80%.

De acordo com a empresa de tecnologia, ainda há muita “apreensão” em torno da demanda do consumidor – até porque a nova transmissão local confirmada recomeçou após o bloqueio total colocar uma pausa na propagação da doença. O último relatório de status da Organização Mundial da Saúde revela que 103 novos casos foram confirmados no país, todos devido à transmissão local, em 23 de março.

Quais são as principais tendências de demanda que o FuturMaster testemunhou? A demanda de curto prazo dos consumidores finais caiu drasticamente. Como muitas pessoas ficam em quarentena em casa, a distribuição geográfica da demanda também mudou. Muita demanda passou a ser on-line.

Entender como é provável que a demanda evolua será crucial se a indústria de alimentos na Europa atender às necessidades dos cidadãos, acredita Zhou.

“Durante períodos de tanta incerteza, toda empresa precisa fazer simulações sobre como a demanda pode evoluir e se e como eles podem atender a essa demanda com base em sua capacidade de produção e armazenamento.

“Você também precisa monitorar de perto quais rotas de transporte são cortadas ou quantos trabalhadores não poderão aparecer em vários locais devido ao bloqueio. Para muitas empresas na China, os problemas foram agravados porque não possuem tecnologias para suportar essas simulações; portanto, eles não conseguiram antecipar a demanda e a oferta observando vários cenários”, observou Zhou.

Enfrentando escassez de alimentos e prateleiras vazias

A compra de pânico – onde muitos supermercados europeus trabalharam para esvaziar as prateleiras devido à acumulação de estoque – provavelmente testará os fornecedores “até o limite”. Mas picos de demanda não são o único problema que os fabricantes de alimentos na Europa enfrentarão.

Segundo Zhou, o fornecimento de materiais pode não ser o maior problema do lado da oferta. As empresas também terão que lidar com capacidades reduzidas de produção e armazenamento devido à falta de mão-de-obra. Quando um trabalhador é positivo para a doença, toda a equipe deve ser colocada em quarentena.

A mudança de produtos também pode ser um problema, especialmente quando as rotas de transporte são afetadas devido ao fechamento de fronteiras. Isso tem sido claramente um problema na China. De acordo com um relatório recente da McKinsey, a capacidade de caminhões para transportar mercadorias das fábricas para os portos está operando com cerca de 60 a 80% da capacidade normal no país. Isso resultou em mercadorias com atrasos de cerca de 8 a 10 dias.

“Durante a crise, as empresas precisam produzir mais com recursos reduzidos. Isso é possível ao otimizar a produção, reduzindo os tempos de fabricação. Os fabricantes também precisam produzir com mais eficiência: ter dados atualizados do planejamento da demanda permite que você produza apenas o que é mais demandado e lucrativo”, disse Zhou.

“Antecipar com antecedência – fazendo simulações – permite que as empresas estejam melhor preparadas. Ser capaz de reagir de maneira ágil e eficiente é vital para lidar com qualquer situação de crise.”

Gerenciando interrupções e repensando a logística

Zhou não minimiza o nível de interrupção que o coronavírus trará para alimentos e outras empresas na Europa. “Tudo o que parece normal todos os dias se torna totalmente impossível”, enfatizou.

“Para muitas empresas, pode ser necessário encontrar outra rede logística. Você precisa se concentrar em qual a melhor fábrica em que pode produzir e analisar atentamente os custos e a viabilidade. Todas as variáveis normais que os planejadores da cadeia de suprimentos usam diariamente se tornam incertas e questionáveis. Mas você pode agir com previsão para mitigar os riscos.”

“Em tempos de pânico – e contra um pano de fundo de prateleiras vazias – algumas tecnologias digitais podem ser usadas para evitar uma crise. A tecnologia digital pode ajudar a tomar melhores decisões posteriormente e priorizar as coisas sempre que houver uma escolha a ser feita”, acrescentou Zhou.

Fonte: FoodNavigator.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 25 de março de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Mercado de carne de frango tem Recuperação frágil após tempestade Covid-19, diz Rabobank

A indústria avícola global está se recuperando gradualmente de uma tempestade que ocorreu no primeiro… Read More

7 de julho de 2020

Teste rápido é inútil para conter a covid-19 dentro de frigoríficos

Sob escrutínio das autoridades devido à propagação da covid-19 entre funcionários, os frigoríficos brasileiros podem… Read More

7 de julho de 2020

Brasil cobra do Japão abertura de mercado para carne e melão

O Brasil e vários outros países cobraram do Japão, mais uma vez, maior abertura de… Read More

7 de julho de 2020

Boi: 50% dos pecuaristas podem deixar a atividade até 2040, diz Embrapa

Um dos pilares do agronegócio brasileiro, a cadeia da pecuária de corte movimentou o correspondente… Read More

7 de julho de 2020

Exportação de carne bovina bate recorde

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) somaram 172,36 mil toneladas em… Read More

7 de julho de 2020