Foco de peste suína clássica é confirmado em Alagoas

A Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal) e o Ministério da Agricultura confirmaram a ocorrência de um foco de peste suína clássica (PSC) no município de Traipu, na região do agreste do Estado, próximo da divisa com Sergipe.

A agência informou “que equipes compostas por fiscais agropecuários foram acionadas imediatamente, e já estão atuando na região. Medidas como a interdição da propriedade onde foi localizado o foco e a proibição do trânsito de suínos, entre outras, estão sendo tomadas em busca da contenção e da eliminação da doença” .

Segundo a Adeal, a vigilância epidemiológica está sendo intensificada em Alagoas. “Esclarecemos a população que a Peste Suína Clássica é uma doença viral que acomete somente porcos e javalis. Não é uma zoonose, e, portanto, não é transmissível a humanos”.

A agência lembrou que os principais sinais clínicos da PSC são febre, alta mortalidade em animais jovens, manchas hemorrágicas (avermelhadas) na pele do animal, incoordenação motora, conjuntivite e diarreia.

“O controle e a erradicação da PSC é de grande relevância para a economia local e nacional, pois sua ocorrência gera prejuízos e restrições ao comércio desses animais e seus produtos”, informou.

Apesar de também ser considerada grave, a peste suína clássica é menos severa que a peste suína africana (PSA), que está provocando forte redução do plantel de porcos da China e tem se espalhado também por outros países da Ásia e do Leste Europeu.

Conforme informações da Embrapa Suínos e Aves, as doenças são causadas por vírus diferentes — a PSC é causada por um vírus da família Flaviviridae, gênero Pestivirus, de genoma RNA, enquanto a PSA é provocada por um vírus DNA, da família Asfarviridae, gênero Asfivirus.

“As duas doenças são semelhantes clinicamente, sendo necessário realizar diagnóstico laboratorial diferencial. O Brasil tem um programa nacional para controle da PSC e atualmente grande parte do território é reconhecido internacionalmente como livre de PSC. A PSA já ocorreu no Brasil no final da década de 1970, foi erradicada e atualmente a doença é considerada exótica no país. Tanto o vírus da PSC como o da PSA não causam doença em humanos”, informa a Embrapa.

De acordo com o Ministério da Agricultura o foco alagoano está situado em uma propriedade de criação extensiva, sem vínculo com sistemas tecnificados ou de reprodução de suínos.

Porém, afirma comunicado da Pasta, o foco é “muito próximo da zona livre de PSC do Brasil, que detém aproximadamente 90% da produção suinícola brasileira e 100% das exportações de animais e produtos de suínos do país. Portanto, apesar dessa ocorrência não alterar o reconhecimento internacional deste status sanitário junto à OIE [Organização Mundial de Saúde Animal], é exigida adoção de estado de alerta e reforço nas medidas de prevenção de todo o Serviço Veterinário Oficial, com ações efetivas para evitar a disseminação da doença e uma eventual introdução da PSC na zona livre, a fim de não comprometer os esforço feitos pelo serviço veterinário brasileiro e pelo setor privado para a erradicação desta enfermidade, bem como proteger a cadeia produtiva de suínos quanto a eventuais restrições comerciais por parte de países importadores de animais e seus produtos”.

“Neste momento, estão sendo adotados os procedimentos para eliminação do foco, com sacrifício e destruição dos suínos, e investigação epidemiológica em propriedades situadas no raio de 10 km em torno do foco e naquelas que possuírem algum vínculo epidemiológico”, informou a Pasta .

Fonte: Valor Econômico.

One thought on “Foco de peste suína clássica é confirmado em Alagoas”

  • rodrigo - 10/10/2019

    No Estado da Bahia o SISA-BA enfrenta um esvaziamento paulatino e duradouro do quadro de
    médicos veterinários com as aposentadorias e com isso várias empresas com inspeção permanente na região estão com as atvidades de abate paralisadas por tempo indeterminado A situação é tão grave, que uma simples supervisão em 10 Postos Fixos pertencentes a ADAB – Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia, localizados nas Regiões Oeste, Norte e Nordeste do Estado da Bahia, importantíssima para os trabalhos de contenção dos focos de Peste Suína Clássica no estado do Ceará, ainda não foi realizada por total falta de AFFA médico veterinário na SFA-BA. A Bahia compõe a árealivre de PSA e faz divisa com os estados da zona não livre, logo, a Bahia tem o dever de conter o avanço dessa grave doença, mas sem médicos veterinários auditores oficiais os trabalhos não podem ser realizados
    A Bahia faz divisa com o Alagoas, risco enorme para as exportações do país.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar