Flexibilização do momento da IA em programas de IATF – II

Devido a grande discussão na seção de cartas do leitor do artigo “Flexibilização do momento da IA em programas de IATF” publicado no dia 28 de novembro de 2008, iremos apresentar neste mês outro trabalho desenvolvido pelo nosso grupo de pesquisa, no qual objetivou-se diminuir o número de manejos em protocolos para inseminação artificial em tempo fixo (IATF).

Sabe-se que práticas de manejo que possibilitem a redução do número de manipulações dos animais são muito importantes para maximizar a produtividade da fazenda. Com base neste aspecto, o objetivo deste artigo será discutir um trabalho no qual foi avaliado o efeito do uso de cipionato (CE) ou benzoato (BE) de estradiol como indutores da ovulação em protocolos de IATF em vacas Nelore (Crepaldi et al., SBTE 2008). Nesse estudo, três experimentos foram realizados visando avaliar a dinâmica folicular (Experimento 1) e a taxa de prenhez (Experimentos 2 e 3) dos animais submetidos ao protocolos com diferentes indutores da ovulação.

No experimento 1 foram utilizadas 37 vacas Nelore com escore de condição corporal (ECC) de 2,62±0,13 (escala de 1 a 5), divididas em três grupos experimentais: CE8 (n = 10; cipionato de estradiol no dia 8), BE8,5 (n = 15; benzoato de estradiol no dia 8,5) e BE9 (n = 12; benzoato de estradiol no dia 9). O tratamento hormonal consistiu na utilização de um dispositivo intravaginal de progesterona associado ao benzoato de estradiol no início do tratamento (D0). No dia 8, as vacas foram alocadas em um dos três grupos experimentais, considerando o ECC e o status ovariano. Nesse mesmo dia, o dispositivo intravaginal foi removido e uma dose de PGF e de eCG foram administradas em todos os animais (manhã para os grupos CE8 e BE9 e à tarde para o BE8,5). As vacas do grupo CE8 receberam cipionato de estradiol e as vacas do grupo BE8,5 receberam benzoato de estradiol na retirada do dispositivo (manhã e tarde, respectivamente). As vacas do grupo BE9 receberam benzoato de estradiol 24 horas após a retirada do dispositivo. Exames ultrassonográficos foram realizados a cada 12 horas da retirada do dispositivo até a ovulação. Os resultados da dinâmica folicular estão apresentados na tabela 1.

Tabela 1. Dinâmica folicular (Média ± EP) de vacas Nelore lactantes tratadas com diferentes indutores de ovulação em protocolos para IATF

Ao comparar os animais dos grupos CE8, BE8,5 e BE9 observou-se que as vacas dos grupos CE8 e BE9 apresentaram maior diâmetro do folículo ovulatório e intervalo entre a retirada do dispositivo de progesterona e a ovulação que os animais do grupo BE8,5. Entretanto, os três grupos apresentaram resultados similares em termos de taxa de ovulação e variação no momento da ovulação (Tabela 1).

No experimento 2 foram utilizadas 584 vacas Nelore, as quais foram alocadas em diferentes tratamentos em fatorial 3×2 [tratamentos (CE8, BE8,5 e BE9) e período de IATF no D10 (M ou T)], considerando o ECC e o período pós-parto. Foi utilizado dispositivo intravaginal de progesterona novo e os animais foram submetidos aos mesmos tratamentos do Experimento 1, recebendo a IATF no período da manhã ou da tarde. No Experimento 3, 521 vacas Nelore foram alocadas em diferentes tratamentos, seguindo o mesmo delineamento experimental do Experimento 2. No entanto, empregou-se dispositivo intravaginal de progesterona previamente utilizado por 8 dias. Os resultados dos Experimentos 2 e 3 estão apresentados na tabela 2.

Tabela 2. Efeito do tipo e momento da administração de estradiol e do momento da IATF na taxa de concepção de vacas Nelore sincronizadas com dispositivo intravaginal de progesterona novo ou previamente utilizado por 8 dias

Assim, os autores concluíram que tanto o benzoato de estradiol no protocolo BE8,5 quanto o cipionato de estradiol no protocolo CE8 podem ser usados como indutores de ovulação visando a redução do número de manejos (3 manejos) e a realização da IATF durante o dia todo. Entretanto, quando o dispositivo intravaginal de progesterona previamente utilizado foi empregado, a IATF ficaria restrita ao período da manhã, uma vez que houve redução na taxa de concepção quando a IATF foi realizada no período da tarde com esse dispositivo.

Portanto, podemos verificar que existem protocolos de IATF, nos quais é possível utilizar diferentes fontes de estradiol (BE ou CE) e realizar a IATF com 3 manejos. Além disso, pode-se optar por um protocolo que possibilite a realização da IATF durante o dia todo, quando isso for conveniente ao sistema de produção. Uma vez respeitados os intervalos necessários em cada protocolo, os resultados alcançados possuem potencial de serem similares aos obtidos em animais manejados 4 vezes e inseminados somente no período da tarde (protocolo tradicional).

2 thoughts on “Flexibilização do momento da IA em programas de IATF – II”

  • RUBICEL VIDAL - 02/06/2009

    cipionato de estradiol no protocolo CE 8.5 podem ser usados como indutores de ovulação. os resultados alcançados possuem potencial de serem similares aos obtidos em animais receberam benzoato de estradiol na retirada do dispositivo e do variação no momento da ovulação.

  • Mário Morete Netto - 24/09/2009

    Caro Henderson, você observou queda significativa do resultado de concepção no uso do CE na retirada de implantes reutilizados? Se sim, oque poderia justificar. E quantos dias os implantes haviam sido usados?
    Parabens pelo trabalho.

Os comentários estão fechados.


ou utilize o Facebook para comentar