Categories: Giro do Boi

FGV prevê alta da produção agroindustrial em 2021

Embora tenha voltado a subir em novembro, o resultado final do Índice de Produção Agroindustrial Brasileira (PIMAgro) calculado pelo Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro) em 2020 tende a ser negativo. O desempenho de dezembro será divulgado no mês que vem, mas a previsão do centro é que o balanço anual aponte uma queda de 1,3%. Para 2021, contudo, a estimativa é de recuperação, com alta de 3,7%.

O PIMAgro é baseado em dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE e nas variações do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), da taxa de câmbio e do Índice de confiança do Empresário da Indústria de Transformação (ICI) da FGV.

Em novembro, o indicador subiu 2,6% em relação ao mesmo mês de 2019. Segundo o FGV Agro, foi a maior expansão para o mês desde 2012. A alta foi impulsionada pelas duas categorias pesquisadas. No grupo formado por alimentos e bebidas, a produção cresceu 2,3% na comparação com novembro de 2019, puxada pelo ramo de bebidas (11,2%) – na área de produtos alimentícios houve uma queda de 0,3%. Entre os não-alimentícios, a alta foi de 3%, garantida por fumo (11,3%), produtos florestais (6,1%), têxteis (5%), borracha (2,7%) e insumos (1,5%), enquanto os biocombustíveis voltaram a recuar (17,5%).

Apesar de ter continuado a reagir, o índice acumulou queda de 1,7% nos primeiros 11 meses de 2020, e mesmo que o resultado de dezembro sinalize um avanço de 3,6%, que pode ser considerado forte, fechará o ano com a baixa de 1,7% prevista neste momento.

“Se não houver grandes surpresas, como uma segunda onda de covid-19 ainda mais intensa, o fracasso do controle da pandemia via vacina ou algum evento político adverso, espera-se que a produção agroindustrial termine 2021 em campo positivo”, informou o FGV Agro. A variação positiva de 3,7% projetada no momento leva em conta um cenário que combina a alta de 4,4% do PIB do país, menor depreciação da moeda nacional e manutenção da confiança do empresário industrial, além de quadro favorável às exportações de alimentos e bebidas e de aumento das importações de produtos não-alimentícios.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 18 de janeiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

INAC promove carne uruguaia em restaurantes da China

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) vem desenvolvendo campanhas na China com restaurantes e empresas… Read More

8 de março de 2021

Número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão, segundo dados do Mapa, Embrapa e IBGE

O número de mulheres dirigindo propriedades rurais no Brasil alcançou quase 1 milhão. A partir… Read More

8 de março de 2021

Exportações de carne bovina recuaram em fevereiro

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) alcançaram 124,5 mil toneladas e… Read More

8 de março de 2021

Vai um bife por US$ 1mil? É de laboratório

“Garçom, um filab mal passado, por favor”. Um bife de laboratório, cultivado a partir de… Read More

8 de março de 2021

Novas regras para manejo de pastagens no Pantanal em MT

Depois que incêndios consumirem 30% dos 6 milhões de hectares do Pantanal que ficam em… Read More

8 de março de 2021

Fazenda Futuro terá Alexandre Ruberti, ex-Red Bull, no comando da operação nos EUA

A brasileira Fazenda Futuro, startup de proteínas vegetais do empresário Marcos Leta, está expandindo as… Read More

8 de março de 2021