Fatores associados à resposta ovariana e à fertilidade de vacas de corte submetidas à IATF

Para que se possa maximizar o retorno econômico de vacas de corte, é essencial que se obtenha intervalo entre partos de 12 meses. Como vacas Nelore (Bos indicus) apresentam gestação com duração média de 290 dias, esses animais devem então conceber em até 75 dias após o parto, para que se atinja o intervalo entre partos desejado. No entanto, sabe-se que diversos fatores (ambientais, status energético, status ovariano, entre outros) podem interferir no desempenho reprodutivo destes animais.

Com base nestas informações, o presente artigo tem como objetivo discutir resultados interessantes que foram apresentados na última reunião da Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões (SBTE-2008; Sá Filho et al., 2008).

Nessa ocasião, os autores discutiram a respeito de alguns fatores que podem afetar a taxa de concepção de vacas submetidas à inseminação artificial em tempo fixo (IATF) como:
• Diâmetro do maior folículo presente nos ovários no momento da IATF);
• taxa de ovulação;
• ocorrência de estro.

Foram avaliadas 2.388 fêmeas (1.869 Nelore e 519 mestiças Nelore x Angus) oriundas de 10 fazendas comerciais e subdivididas em 25 programas de IATF durante a estação reprodutiva de 2007/2008. Em todos os programas, as fêmeas (412 primíparas e 1.976 multíparas) apresentavam período pós-parto de 30 a 60 dias, sendo sincronizadas com dispositivos de progesterona associados ao estradiol. Os animais receberam 300 UI de eCG na retirada do dispositivo, sendo inseminados após 48 a 60 horas. No momento da inseminação as fêmeas foram examinadas por ultra-sonografia (Aloka 500, Tókio, Japan) visando a identificação e mensuração do maior folículo presente nos ovários (FL-IATF). Os folículos foram agrupados em quatro categorias (CATFL) com base na média e no desvio padrão (DP) dos mesmos, sendo:
• FL1 = dois DP abaixo da média;
• FL2 = média menos um DP;
• FL3 = média mais um DP;
• FL4 = dois DP acima da média.

Para determinar a taxa de ovulação (n=1.286) foram realizados três exames ultra-sonográficos consecutivos:
1) na retirada da fonte de progesterona;
2) no dia da IATF e;
3) 48 horas pós-IATF.

Considerou-se ovulação quando constatado o desaparecimento do folículo dominante presente nos dois primeiros exames.

Ainda, para a constatação da ocorrência de estro, utilizou-se adesivo marcador (Estrotec, IVP, Brasil) colado na base da cauda do animal no dia da retirada da fonte de progesterona (n=445). A ocorrência ou não de estro foi avaliada pela remoção ou não da tinta presente no adesivo marcador no momento da IATF. O diagnóstico de gestação (n=2.388) foi realizado por ultra-sonografia 30 dias pós-IATF (DG30).

Assim, analisou-se a taxa de ovulação (TOV), a ocorrência de estro anterior a IATF (ESTRO), a taxa de prenhez aos 30 dias pós-IATF (DG30) e a taxa de prenhez somente para as fêmeas que ovularam (DGOV). Os resultados obtidos estão apresentados na tabela 1.

Tabela 1. Diâmetro médio do folículo dominante na IATF, taxa de manifestação de estro, taxa de ovulação e taxa de concepção (geral e apenas das fêmeas que ovularam) de vacas Nelore submetidas à IATF

Na análise dos resultados, verificou-se que a raça do animal (P=0,39) e o número de partos prévios (P=0,64) não influenciaram a taxa de concepção. Entretanto, quando o efeito da categoria do folículo dominante no momento da IATF (Figura 1) foi avaliado pode-se notar efeito deste parâmetro sobre a taxa de concepção.

Gráfico 1. Taxa de concepção de vacas Nelore segundo a categoria do folículo dominante no momento da IATF (P=0,001)

Também foi possível notar efeito da manifestação de estro na taxa de concepção (Figura 2), sendo que a ocorrência do estro foi influenciada pelo diâmetro do folículo dominante no momento da IATF (Figura 3).

Gráfico 2. Taxa de concepção de vacas Nelore segundo a ocorrência de estro (P=0,001)

Gráfico 3. Diâmetro do folículo dominante de vacas Nelore no momento da IATF, segundo a ocorrência de estro (P=0,001)

Além disso, a categoria do folículo dominante influenciou taxa de ovulação, a ocorrência de estro e a taxa de concepção dos animais que ovularam (Figura 4).

Gráfico 4. Porcentagem de ocorrência de ovulação, de estro e de concepção nos animais que ovularam, segundo a categoria do folículo dominante no momento da IATF (P=0,001)


Clique na imagem para ampliá-la.

Os autores concluem que a resposta folicular aos protocolos hormonais a base de progesterona, estradiol e eCG está associada a taxa de prenhez e que estratégias devem ser desenvolvidas com o objetivo de aumentar o diâmetro folicular no momento da IATF e a manifestação de estro antes da IATF em programas de sincronização.

Assim, podemos verificar que o uso de dispositivos que auxiliam a detecção estro é uma ferramenta interessante, já que os resultados observados no presente estudo indicam que os animais que apresentam estro possuem maior chance de tornarem-se gestantes. Dessa forma, essa simples técnica pode auxiliar, por exemplo na tomada de decisão pelo uso de sêmen de maior ou menor valor monetário.


ou utilize o Facebook para comentar