Campo Futuro levanta custos de produção de pecuária de corte, pecuária de leite e grãos
28 de junho de 2021
Sorocaba recebe piloto de tecnologia de internet 5G para uso no agro
28 de junho de 2021

Fatia do campo nas emissões de títulos ‘sustentáveis’ é pequena

Apesar do aumento nos dois últimos anos das emissões de títulos de dívida privada rotulados como “verde”, “sustentável” e “social”, os projetos de investimento no setor agropecuário ainda representam uma pequena fração das operações totais. De 2015, quando essas transações começaram, até fevereiro deste ano, as operações de emissores brasileiros rotuladas e voltados à agricultura somaram US$ 848 milhões, de um total US$ 10,8 bilhões, de acordo com levantamento da organização global Climate Bonds Iniciative (CBI).

O mapeamento incluiu não apenas as operações com selo da CBI, a maior certificadora global de títulos verdes, mas também outras que se encaixam em seus critérios e receberam pareceres de outras fontes. Não entraram na conta operações feitas de março para cá.

Se o setor florestal for incluído na conta das emissões rotuladas para projetos voltados à atividade rural, o número cresce para US$ 5,6 bilhões. O valor, porém, é inflado pelas operações das empresas de papel e celulose, que respondem pela maior parte dos recursos captados no mercado “ESG”.

A maior parte das emissões rotuladas encaixa-se no enquadramento “verde”. Dos US$ 10,8 bilhões em títulos com alguma rotulagem, US$ 9 bilhões estão nesse enquadramento, enquanto os títulos “sustentáveis” totalizaram US$ 1,6 bilhão e os “sociais”, US$ 111 milhões. A classificação dos títulos é feita conforme o destino dos recursos e uma série de critérios da CBI. Ela também considera padrões internacionais.

Os projetos relacionados a “uso da terra” – que incluem principalmente projetos agropecuários e florestais – representaram 27% das emissões “verdes” e 33% dos títulos “sustentáveis” entre 2015 e fevereiro último. Dos três títulos “sociais” costurados no Brasil até o momento, nenhum teve como alvo a atividade rural.

Das emissões rotuladas voltadas especificamente à agricultura, a CBI contabilizou, no período, quatro operações, duas “verdes” e duas “sustentáveis”. A primeira foi a de certificados de recebíveis do agronegócio (CRA) da Rizoma Agro, do empresário Pedro Paulo Diniz, que também está à frente da Fazenda da Toca – ambas são referência em agricultura regenerativa no Brasil. Também entraram na lista as emissões de duas das maiores empresas do agronegócio do Brasil, a Amaggi e a SLC – em processos criticados por alguns ambientalistas.

Para a atividade rural, houve, ainda, outras emissões rotuladas que ficaram fora dessa conta. O segmento de bioenergia, por exemplo, vem emitindo títulos rotulados como “energia renovável” para financiar produção de etanol, cogeração a partir de bagaço e custos agrícolas com biomassa. A CBI contabiliza, no total, US$ 832 milhões em operações consideradas sustentáveis, das quais 57% foram rotuladas. Nesse caso, a organização considerou os títulos rotulados e também operações “vinculadas” a métricas socioambientais, sem avaliação externa.

A CBI não possui uma taxonomia para classificar operações financeiras que vinculam taxas ao cumprimentos de metas de sustentabilidade, mas esse tipo de financiamento tem crescido no agronegócio. Entre títulos e empréstimos bilaterais desse 6/2021 Fatia do campo nas emissões de títulos ‘sustentáveis’ é pequena tipo, a CBI contabiliza US$ 5 bilhões, mas ressalta que muitos ainda não têm transparência suficiente.

Outras operações que não entraram na conta da CBI são os títulos “de transição”. Ainda não há critérios para enquadrá-los, mas a proposta é financiar a redução de emissões de carbono de empresas hoje com alta pegada de gases-estufa.

Na pecuária, por exemplo, a Marfrig fez um empréstimo vinculado a métricas sustentáveis e emitiu um título que chamou “de transição”. A CBI, porém, não o incluiu em seu levantamento por considerar que faltaram “credenciais climáticas” para o enquadramento.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *