Categories: Giro do Boi

FAO: Visão geral dos desenvolvimentos do mercado global de carne em 2018

A produção global de carne em 2018 foi estimada em 336,4 milhões de toneladas, 1,2% acima de 2017, principalmente originada nos Estados Unidos, União Europeia e Federação Russa, mas parcialmente compensada por um declínio na China e estagnação no Brasil, dois dos maiores produtores de carne do mundo.

Os volumes de produção de carne expandiram-se em todas as principais regiões do mundo, especialmente na Europa e na América do Norte, principalmente devido a melhorias de produtividade, à medida que os países introduziram boas práticas de gestão, processos de produção simplificados e novas tecnologias.

Além disso, as secas em algumas partes do mundo, incluindo nos Estados Unidos no primeiro semestre do ano, na União Europeia durante os meses de verão, e na Austrália durante quase todo o ano, levaram a um maior abate de animais.

Entre os subsetores de carnes, a produção de carne bovina (carne de mamíferos ruminantes, incluindo vacas, bois e búfalos) registrou a maior expansão (+2,1%), seguida da carne de frango (+1,3%), mas as produções permaneceram estáveis para carne ovina (carne de ovino e caprino) (+0,6%) e carne suína (+0,6%).

As exportações mundiais de carnes em 2018 foram estimadas em 33,8 milhões de toneladas, 2,9% a mais que em 2017, impulsionadas principalmente pelo aumento dos embarques dos Estados Unidos, Austrália, Argentina e União Europeia, mas recuaram na Índia, China e Brasil.

A China, maior importador de carne do mundo, aumentou significativamente suas compras, uma vez que a demanda do consumidor por carne continuou a aumentar em meio a uma contração na produção de carne suína, em parte devido ao início da peste suína africana.

Em outros lugares, as importações aumentaram na República da Coreia e no Vietnã, enquanto a Federação Russa, a Arábia Saudita e os Estados Unidos  reduziram as importações. Em todas as categorias de carne, as exportações mundiais de carnes expandiram-se a taxas mais rápidas para ovinos (+ 9,4%) e bovinos (+6,1%) do que para carne suína (+1,6%) e aves (+1,0%).

O valor médio anual dos preços mundiais de carne em 2018, medido pelo FAO Meat Price Index, foi 2,2 por cento menor que 2017, refletindo a queda nos preços de suínos (-8,1 por cento) e de aves (-4,8 por cento)  e estabilidade preços de carne bovina (+0,2 por cento). Os preços de carne ovina aumentaram em até 17%, mas não afetaram significativamente o valor médio do índice por causa de seu baixo peso no índice.

A propagação da Peste Suína Africana (ASF) e as restrições de importação associadas pesaram sobre as cotações internacionais de preço da carne suína, enquanto a demanda de importação de aves geralmente fraca fez com que seus preços se enfraquecessem.

Ofertas abundantes de exportação e demanda robusta de todo o mundo caracterizaram o mercado global de carne bovina, mantendo seus preços estáveis. A força dos preços da carne ovina durante todo o ano foi resultado de uma forte demanda de importação, combinada com a oferta limitada da Oceania.

Carne bovina

A produção mundial de carne bovina subiu para 71,1 milhões de toneladas em 2018, 2,1% a mais que em 2017, originada principalmente em cinco países: Brasil, Estados Unidos, Argentina, União Europeia e Austrália. A produção também aumentou na Austrália, China, México, Canadá e África do Sul, mas diminuíram na Turquia e no Uruguai.

A produção brasileira de carne bovina aumentou 4,0% em 2018, para 9,9 milhões de toneladas. Essa expansão foi impulsionada principalmente pelo maior abate de animais, principalmente novilhas, e um aumento na demanda de importação, induzida por preços competitivos oferecidos nos mercados internacionais.  Durante o ano, alguns processadores de carne começaram a transferir as plantas de processamento para regiões de criação de gado para reduzir os custos de processamento e transporte, além de melhorar a eficiência alimentar.

Nos Estados Unidos, a produção de carne bovina se expandiu principalmente devido ao aumento do peso de novilhos e novilhas, mas também devido aos níveis elevados de abate, induzidos por condições climáticas mais secas em algumas partes do país, ajudando o setor a manter o ritmo de crescimento de um terço por ano.

A produção de carne bovina da Argentina aumentou para pouco mais de 3 milhões de toneladas, 7,3% a mais que em 2017, mantendo a mesma taxa de crescimento que no ano anterior. A consistência em sua expansão de produção reflete a estabilidade da indústria e a continuidade da demanda de importação, apoiada por uma nova política do governo que restringiu o abate de gado mais leve.

Na União Europeia, o aumento do abate, induzido pela seca que afetou partes da Europa nos meses de verão, esteve em grande parte por trás da expansão da produção.

Na Austrália, estima-se que a produção de carne tenha aumentado em 7,3%, para 2,3 milhões de toneladas, registrando um forte crescimento em 2018. Condições climáticas mais secas forçaram fazendas a usar mais alimentos, levando a taxas elevadas de abate ao longo do ano. O dólar australiano mais fraco contra o dólar dos Estados Unidos deu um impulso à demanda de importação.

O apoio adicional também veio da demanda de importação de países onde a propagação de peste suína africana era um problema, já que os consumidores pareciam ter substituído mais carne bovina por carne suína. Em outros lugares, a produção de carne bovina permaneceu praticamente estável, incluindo China, Índia e Federação Russa.

Na China, enquanto a postura política do governo nos últimos anos tem sido promover fazendas de grande escala e realocar fazendas para identificar áreas para minimizar seu impacto sobre o meio ambiente, os pequenos proprietários continuaram a se retirar do setor devido ao aumento dos custos, incluindo custos para cumprir estrita regulamentos ambientais.

Na Índia, o crescimento da produção parece ter diminuído, após a introdução de leis que restringem o abate de vacas, efetivo em 23 dos 29 estados, e dificuldades no transporte de animais.

Na Federação Russa, a produção de carne bovina permaneceu praticamente estável, com um aumento limitado na demanda doméstica. Os altos preços da carne enfraqueceram a demanda doméstica, o que, por sua vez, levou as grandes fazendas a limitar as expansões de produção.

As exportações mundiais de carne bovina em 2018 aumentaram 6,1%, para 10,9 milhões de toneladas. A Argentina, o Brasil, a Austrália e os Estados Unidos  estiveram em grande parte por trás da expansão, parcialmente compensada por declínios na Índia e na União Europeia.

As exportações de carne bovina da Argentina expandiram-se vigorosamente, pois vários países, especialmente a China, fizeram pedidos de importação mais altos. Um forte apoio à expansão veio dos preços competitivos oferecidos pela Argentina nos mercados internacionais, respaldados pela alta disponibilidade de produção e exportação.

No Brasil, as exportações cresceram 11,3%, graças ao aumento dos pedidos de importação da China, Egito e Chile, entre outros, mais do que compensando a perda de um dos principais mercados de exportação, a Federação Russa. As exportações brasileiras de carne bovina para a Federação Russa caíram de 179 mil para 4 700 toneladas em 2018, uma queda ano-a-ano de 97%.

As exportações de carne bovina da Austrália aumentaram 11,8% em 2018, refletindo uma expansão mais acentuada das importações no Japão, nos Estados Unidos, na República da Coreia e na China, que coletivamente absorveram 80% da carne bovina australiana exportada em 2018.

As importações de carne bovina da China aumentaram 29,3 por cento para 2,0 milhões de toneladas, o equivalente a um quinto do total das exportações mundiais, principalmente devido à crescente demanda dos consumidores. As importações de carne bovina também se expandiram na República da Coreia, no Japão, na Indonésia, no Chile e na União Europeia, enquanto o Vietnã, o Egito, a Federação Russa e Angola cortaram as compras.

Produção de carne e comércio internacional

Fonte: FAO, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 27 de março de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Mercado de carne de frango tem Recuperação frágil após tempestade Covid-19, diz Rabobank

A indústria avícola global está se recuperando gradualmente de uma tempestade que ocorreu no primeiro… Read More

7 de julho de 2020

Teste rápido é inútil para conter a covid-19 dentro de frigoríficos

Sob escrutínio das autoridades devido à propagação da covid-19 entre funcionários, os frigoríficos brasileiros podem… Read More

7 de julho de 2020

Brasil cobra do Japão abertura de mercado para carne e melão

O Brasil e vários outros países cobraram do Japão, mais uma vez, maior abertura de… Read More

7 de julho de 2020

Boi: 50% dos pecuaristas podem deixar a atividade até 2040, diz Embrapa

Um dos pilares do agronegócio brasileiro, a cadeia da pecuária de corte movimentou o correspondente… Read More

7 de julho de 2020

Exportação de carne bovina bate recorde

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) somaram 172,36 mil toneladas em… Read More

7 de julho de 2020