Categories: Giro do Boi

Exportações do agro superaram US$ 100 bi em 2020, e China foi o destino de um terço do total

Puxadas pela forte demanda da China por soja, carnes, mas também por aumentos dos embarques de açúcar, café e algodão, as exportações do agronegócio brasileiro voltaram a superar a marca de US$ 100 bilhões em 2020.

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura, mesmo com uma queda de 3,8% em dezembro, para US$ 7,3 bilhões, as vendas de produtos do setor ao exterior renderam US$ 100,8 bilhões no ano passado, 4,1% mais que em 2019.

As importações do agro recuaram 5,2% na mesma comparação e, assim, o superávit setorial aumentou 5,7%, para US$ 87,8 bilhões. Com isso, o campo garantiu mais uma vez o saldo positivo da balança comercial brasileira como um todo em 2020 (US$ 51 bilhões).

Com embarques acelerados sobretudo no primeiro semestre, o complexo soja (grão, farelo e óleo) garantiu US$ 35,2 bilhões em divisas para o país no ano passado, um aumento de 8% ante 2019.

Segundo o ministério, as vendas de soja em grão representaram 81,1% desse valor, ou US$ 28,6 bilhões, abaixo apenas do resultado de 2018 (US$ 33,1 bilhões). O volume embarcado chegou a 83 milhões de toneladas.

A China continuou a ser, de longe, o principal destino das vendas de soja em grão do Brasil no exterior. O país asiático absorveu 73,2% das exportações brasileiras em 2020, ou US$ 20,9 bilhões, 2,2% mais que no ano anterior.

As carnes (bovina, de frango e suína) permaneceram em segundo lugar na lista de produtos mais exportados pelo agro do Brasil. Foram US$ 17,2 bilhões no total no passado, com incremento de 2,8% ante 2019.

E a China, novamente, sustentou esse incremento. O país foi o destino de 54,2% dos embarques de carne bovina in natura, que somaram o recorde de US$ 7,5 bilhões, amenizou a queda das vendas de carne de frango (que foi de 14,1%, para US$ 6 bilhões) com compras adicionais de US$ 31 milhões, e puxou os embarques de carne suína in natura, que chegaram a US$ 2,1 bilhões, melhor resultado da história.

Também no mercado de açúcar bruto os chineses fizeram a diferença. As exportações brasileiras do produto atingiram US$ 7,4 bilhões, também um recorde, e a China ficou com US$ 1,3 bilhão do total.

Com tamanho peso nesses três mercados, o país asiático foi o destino de 33,7% das exportações do agro brasileiro em 2020 (US$ 34 bilhões). Em 2019, a participação foi de 32% (US$ 31 bilhões).

Entre os produtos mais exportados pelo setor, também merecem destaque os crescimentos em 2020 das vendas de café (7%, para US$ 5,5 bilhões) e de fibras (o grupo inclui algodão) e têxteis (15,6%, para US$ 3,5 bilhões).

Recuaram, em contrapartida, as receitas dos embarques de produtos florestais (11,7%, para US$ 11,4 bilhões) e cereais (o grupo inclui milho), farinhas e preparações (13,8%, para US$ 6,9 bilhões).

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 12 de janeiro de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Chegou a sua chance de mudar o jogo da fazenda

Se você quer… 📍 Ter uma fazenda com mais lucro, satisfação, reconhecimento com mais harmonia.… Read More

5 de março de 2021

Uruguai: INAC considera exportar para países do Sudeste Asiático

O Instituto Nacional de Carnes (INAC) do Uruguai está explorando a possibilidade de facilitar exportações… Read More

5 de março de 2021

Senador dos EUA proporá lei que impede importação de commodities associadas a desmatamento

Os Estados Unidos deverão discutir em breve um projeto de lei para impedir que o… Read More

5 de março de 2021

Votação na Suíça pode definir peso de exigências ambientais

Pela primeira vez os suíços vão votar sobre um acordo comercial. A consulta popular a… Read More

5 de março de 2021

Rastrear fornecedores indiretos de gado demanda ‘várias engrenagens’, diz membro do comitê de sustentabilidade da Marfrig

O rastreamento dos fornecedores indiretos de gado dos frigoríficos para zerar o desmatamento nessa parcela… Read More

5 de março de 2021

Nova cepa de peste suína africana na China preocupa analistas

Uma nova cepa do vírus causador da peste suína africana (ASF) identificada na China tem… Read More

5 de março de 2021