USDA estima que China aumentará as importações de carne bovina para 3,1 milhões de toneladas
10 de março de 2021
Resultado do PIB demonstra importância de não onerar o agro, pondera a Faesp
11 de março de 2021

Exportações de carne dos EUA começam o ano em ritmo mais lento do que em 2020

Dados coletados pela Federação de Exportações de Carne dos EUA (USMEF) junto a informações do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) mostram que em janeiro de 2021 os EUA exportaram 105.047 toneladas de carne bovina, 2% a menos que em 2020 para um total de US $ 653 milhões a 3% menos. As vendas foram muito fortes para a Coreia do Sul e continuaram ganhando impulso na China. Depois de um declínio de um ano em 2020, as exportações para o Oriente Médio também se recuperaram.

Em relação à carne suína, os EUA exportaram 248.646 toneladas em janeiro, 9% a menos que em janeiro de 2020 com um valor de US $ 642,8 milhões, 13% a menos. Enquanto as exportações de carne suína para China / Hong Kong diminuíram conforme o esperado, as exportações para o Japão aumentaram em janeiro e a demanda foi muito forte na América Central, Filipinas e Caribe.

O presidente e CEO da USMEF, Dan Halstrom, disse que janeiro representou um início bastante forte para 2021, mas advertiu que as exportações ainda enfrentam obstáculos relacionados ao COVID-19 e desafios significativos de transporte e trabalho.

“Como os principais destinos da carne vermelha nos EUA implementam programas de vacinação contra covid-19, a perspectiva para 2021 é otimista, com a demanda por carne no varejo permanecendo forte e a expectativa de que o serviço de alimentos se recupere em mais e mais regiões”, disse Halstrom .

“Mas os desafios do transporte marítimo são atualmente uma preocupação dominante, particularmente o congestionamento e a escassez de contêineres em nossos portos da costa oeste, onde tripulações com falta de pessoal lidam com volumes recordes de carga. A mão-de-obra também é uma mercadoria escassa nas fábricas de processamento, afetando a capacidade da indústria de capitalizar totalmente a demanda por certos cortes de mão-de-obra intensiva e variedade de carnes. “

“Embora a indústria global de serviços de alimentação ainda tenha uma longa recuperação pela frente, a demanda internacional por carne dos Estados Unidos permanece impressionante e resiliente”, acrescentou Halstrom. “Mas uma série de desafios logísticos devem ser superados para atender plenamente a essa demanda.”

Fonte: Eurocarne, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *