Estudo: Produção bovina pode diminuir emissão de GEE até 50% através de práticas eficientes
14 de abril de 2021
Cuba suspende proibição de décadas ao abate de gado e à venda privada de carnes e laticínios
15 de abril de 2021

Exportações de carne bovina do Uruguai estão se recuperando

As exportações uruguaias de carne bovina se recuperaram no primeiro trimestre de 2021 quando comparadas ao mesmo período do ano anterior.

A carne bovina – representou 79% do total exportado, US $ 545 milhões – e gerou US $ 436 milhões, valor que marca uma recuperação em relação a 2020. A tendência para este primeiro trimestre de 2021 tem sido de maior volume a preço menor, ele confirmou o INAC.

A China, principal mercado de carne bovina e miúdos, apresentou aumento de 58%, movimentando US $ 295 milhões. Por sua vez, representa 53% de todos os negócios.

A classificação do mercado continua com os destinos da América do Norte (Nafta) com 16% da receita (queda de 13%), onde o Canadá se destaca com uma queda de 32% na receita recebida.

Em seguida vem a União Europeia com 14%, que mostra uma queda de 4% no volume exportado devido à pandemia Covid-19 e seus efeitos na mobilidade, embora continue sendo o mercado onde o Uruguai obtém preços mais elevados, intimamente associados aos negócios da cota 481 e da cota Hilton.

Enquanto isso, Israel se consolida como o quarto destino, acima do Mercosul.

Com base na exportação de todas as carnes, a geração de divisas atingiu US $ 545 milhões, valor 20% superior (US $ 90 milhões), em relação ao mesmo período do ano anterior. A tendência para este período é de maior volume a um preço menor.

Mercado interno

O INAC afirmou que, pelos números gerados em fevereiro passado, a oferta mostrou um volume maior de carnes nacionais e um volume menor de carnes importadas, principalmente do Brasil.

De acordo com o INAC, o consumo total de proteínas registra um aumento de 2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse comportamento é explicado pelo aumento no consumo de carne bovina com 3,7% e carne de frango com 7,3%.

Por sua vez, o consumo de carne suína e ovina registrou queda de 11,6% e 9%, respectivamente. A participação da carne importada no consumo total de proteína foi reduzida em 5 pontos, disse o INAC.

Fonte: El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *