Evidências crescentes apoiam muitos benefícios das dietas à base de carne

Os conselhos de saúde e bem-estar podem ser muito contraditórios às vezes. Por exemplo, falam para evitar o sol para reduzir o risco de câncer de pele, mas ao fazer isso, estamos nos tornando deficientes em vitamina D. Baixos níveis de vitamina D são frequentemente associados com câncer, doenças cardiovasculares e distúrbios autoimunes, como esclerose múltipla e artrite reumatoide.

Devido aos riscos associados e à recomendação de usar muitos protetores solares e evitar raios UV prejudiciais, as vendas de suplementos de vitamina D aceleraram. No entanto, produzir uma pílula é realmente a melhor maneira de garantir que estamos mantendo os níveis recomendados para sermos saudáveis? Deve haver uma maneira fácil e natural de obter a vitamina D que precisamos.

Acontece que, além dos muitos benefícios para a saúde proporcionados pela carne bovina, ela também é uma ótima solução para aqueles que buscam um aumento na vitamina D.

De acordo com Csaba Toth e Zsofia Clemens, para o Paleo Medicina, “Há evidências que mostram que o nível de vitamina D depende muito da nutrição, e que a nutrição apropriada é capaz de fornecer uma quantidade satisfatória de vitamina D para o nosso corpo, mesmo que s perca a luz solar e não tome comprimidos de vitamina D.

“Um estudo sobre os Inuit que vivem na Groenlândia descobriu que quanto mais alimentos mais ocidentais, como frutas, vegetais, pães e produtos de confeitaria, leite e produtos lácteos, os Inuits indígenas locais consomem, menor seu nível de vitamina D no sangue. E, inversamente, os alimentos mais tradicionais Inuit como a carne e a gordura que consumiam (ou seja, quanto mais eles mantiveram a dieta paleo-cetogênica), maior seu nível de vitamina D sanguíneo.”

Os autores acrescentam: “O motivo da contínua deficiência de vitamina D em seres humanos civilizados está em suas dietas. Desde que fomos alertados contra a ingestão de alimentos de origem animal, nossos níveis de vitamina D foram constantemente baixando.”

“Se você quer que seu nível de vitamina D3 seja equilibrado, se você quiser garantir o bem-estar do seu filho e diminuir ao máximo o risco de câncer, doenças autoimunes e outras doenças da civilização, considere isso: Coma carne vermelha diariamente e miúdos pelo menos duas vezes por semana. Consuma gorduras animais (não vegetais) todos os dias. Não coma muita fruta e evite preparações alimentícias contendo frutose adicionada.”

No entanto, apesar da crescente evidência de que uma dieta que se centre em torno de gorduras e proteínas animais é benéfica para o nosso bem-estar e saúde geral, a retórica dominante continua sendo que essas dietas são perigosas e devem ser evitadas.

Gary Taubes e Nina Teicholz criticaram recentemente o conselho populr dietético dos últimos 50 anos em uma edição para o Los Angeles Times. Dirigindo-se a um relatório divulgado pelo US News & World Report que classificou as dietas, Taubes e Teicholz observaram que, enquanto as dietas DASH e mediterrânea encabeçavam a lista como “melhores”, essas dietas ignoram amplamente a crescente evidência de que dietas com baixo teor de gordura e carboidratos levam a doenças relacionadas à obesidade.

Taubes e Teicholz escrevem: “É claro que o US News – que empregou um painel de especialistas para avaliar 40 dietas em vários critérios – apenas recapitulou o conselho dietético questionável que passou por uma sucessão de nomes desde a década de 1970 – baixo teor de gordura, DASH, USDA – baseado em vegetais. O conjunto básico de recomendações manteve-se o mesmo, enfatizando os alimentos vegetais (grãos, cereais, frutas e vegetais) sobre produtos animais (ovos, lácteos carne) e óleos vegetais sobre gorduras animais naturais, como manteiga.”

“De acordo com dados do governo, os americanos seguiram em grande parte estas recomendações nos últimos 50 anos, aumentando o consumo de grãos, vegetais e frutas e consumindo menos leite integral, manteiga, carne e ovos. O resultado? Nesse período, as taxas de obesidade e diabetes tipo 2 aumentaram rapidamente. Algo deu terrivelmente errado.”

“Por que 25 médicos e nutricionistas no painel de notícias dos Estados Unidos escolheriam uma filosofia alimentar que, até agora, pelo menos, falhou com a gente? Eles podem estar enraizados em suas opiniões, apoiados pelas indústrias que se beneficiam dessas dietas, motivadas por agendas não nutricionais, como o ativismo dos direitos dos animais, ou podem simplesmente ter caído na conveniência fácil do pensamento coletivo.”

Taubes e Teicholz, citam estudos de referência de pessoas que trocarm carboidratos por gorduras e proteínas animais para se curar essencialmente de diabetes, perder peso e melhorar os fatores de risco cardiovasculares.

Seja para aumentar seus níveis de vitamina D, combater o câncer, perder peso, reduzir seu risco cardiovascular, promover massa muscular magra ou aumentar a função cerebral, existem benefícios infinitos para uma dieta centrada em torno da carne.

O artigo é de Amanda Radke, para a BEEF Magazine.

This post was published on 31 de janeiro de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020