EUA ganham acesso comercial à Tunísia para carne bovina e de aves

Os EUA anunciaram que trabalharam com o governo da Tunísia para chegar a acordo sobre a importação de carne bovina, de aves e ovos.

O representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o Secretário de Agricultura dos EUA, Sonny Perdue, revelaram que os países conseguiram as certidões de exportação para permitir o comércio.

Este anúncio segue as reuniões entre os Estados Unidos e a Tunísia sobre a segurança e a integridade dos produtos de carne bovina, aves e ovos dos Estados Unidos.

Segundo o USDA, 2018 as exportações de produtos agrícolas dos EUA para a Tunísia totalizaram mais de US $ 264 milhões. A maioria (acima de 90%) dessas exportações foram milho, soja ou produtos derivados de milho e soja. As estimativas iniciais são de que a Tunísia importaria anualmente US $ 5-10 milhões de produtos de carne bovina, aves e ovos dos EUA, com o potencial de aumentar esse valor.

“O presidente Trump continua a priorizar a abertura de novos mercados para os produtos agrícolas dos EUA, e damos as boas-vindas ao acordo da Tunísia para começar as importações de produtos de carne bovina, aves e ovos dos EUA”, disse o embaixador Lighthizer. “O novo acesso ao mercado tunisiano é um passo importante para garantir que os agricultores e pecuaristas americanos possam continuar a expandir suas exportações de produtos agrícolas dos EUA”.

“Estou convencido de que quando os tunisianos experimentarem a carne bovina, de aves e os ovos dos EUA, vão querer mais. Esses produtos que entram na Tunísia são seguros, saudáveis e muito deliciosos ”, disse o secretário Perdue.

“Sob a direção do presidente Trump, o USDA continua comprometido com a abertura de novos mercados em todo o mundo. Enquanto continuamos a abastecer o setor de proteínas animais domésticas da Tunísia com grãos e oleaginosas de qualidade nos EUA, não tenho dúvida de que a carne bovina, de aves e de ovos dos Estados Unidos só ajudará a aumentar a competitividade e a escolha do consumidor na Tunísia ”.

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar