EUA: Exportações de carne bovina alcançam novos recordes em agosto

As exportações de carne bovina dos EUA estabeleceram novos recordes em agosto, com o valor de exportação chegando a US $ 750 milhões pela primeira vez, de acordo com dados divulgados pelo USDA e compilados pela US Export Federation (USMEF).

As exportações de carne bovina de agosto totalizaram 119.850 toneladas, 7% a mais que no ano anterior, avaliadas em US $ 751,7 milhões, 11% acima do ano anterior e facilmente superando o recorde anterior de US $ 722,1 milhões alcançado em maio de 2018.

De janeiro a agosto , as exportações de carne bovina totalizaram 899.300 toneladas, um aumento de 9% em relação ao ano anterior, enquanto o valor subiu 18%, para US $ 5,51 bilhões.

Pelo terceiro mês consecutivo, as exportações de carne bovina estabeleceram um novo recorde de volume em agosto, com 95.181 toneladas (9% a mais que um ano atrás), avaliadas em US $ 679,6 milhões (um aumento de 13%). Até agosto, as exportações de cortes musculares estavam 14 por cento acima do volume do ano passado em volume (692.234 toneladas) e 21 por cento maior em valor (US $ 4,93 bilhões).

As exportações de agosto representaram 13,2% da produção total de carne bovina, acima dos 12,5% do ano anterior. Somente para cortes de carne bovina, o percentual exportado foi de 11,2%, ante 10,4% no ano passado. De janeiro a agosto, as exportações representaram 13,5% da produção total de carne bovina e 11,1%, de cortes musculares – de 12,8% e 10,1%, respectivamente, no ano passado.

O valor médio das exportações de carne bovina foi de US $ 320,92 por cabeça em agosto, um aumento de 11% em relação ao ano passado. A média de janeiro a agosto foi de US $ 318,66 por cabeça, alta de 16%.

“As exportações de carne bovina nos EUA continuam alcançando um enorme crescimento, não apenas em nossos principais mercados asiáticos, mas também no Hemisfério Ocidental ”, disse o presidente e CEO da USMEF, Dan Halstrom.

“A USMEF está animada com os recentes desenvolvimentos de acesso a mercados alcançados pelo Escritório do Representante de Comércio dos EUA (USTR) e do USDA, com termos favoráveis sendo preservados no México, Canadá e Coreia do Sul e negociações comerciais com o Japão. Um acordo comercial com o Japão traria oportunidades para uma expansão ainda maior, já que a carne bovina dos Estados Unidos se torna mais acessível para os consumidores japoneses e está de volta ao mesmo nível da carne bovina australiana.”

A carne bovina dos EUA também enfrenta atualmente obrigações retaliatórias em dois mercados: China e Canadá. A tarifa  da China aumentou de 12 para 37% em julho, com a taxa mais alta aplicada a todos os produtos elegíveis. O imposto de 10% do Canadá, que também entrou em vigor em julho, aplica-se a produtos de carne cozidos/preparados. Todas as outras carnes norte-americanas ainda entram no Canadá com isenção de impostos.

As exportações de carne bovina em agosto para a Coreia do Sul aumentaram 42% em relação ao ano anterior em volume (24.482 toneladas) e estabeleceram outro novo recorde em US $ 176,4 milhões (alta de 60%). Isso elevou as exportações de janeiro a agosto para 161.379 toneladas, 39% a mais que no ano anterior, enquanto o valor das exportações chegou a US $ 1,15 bilhão – 54% e pouco abaixo do recorde de US $ 1,22 bilhão em 2017.

Esses resultados incluíram um aumento de 30% nas exportações de carne bovina resfriada para 35.683 toneladas, avaliadas em US $ 343,7 milhões (aumento de 41%). Até agosto, a carne bovina dos Estados Unidos respondia por 58% das importações refrigeradas da Coreia.

Sob o Acordo de Livre Comércio Coreia-EUA (KORUS) que entrou em vigor em 2012, a tarifa da Coreia sobre as importações de carne bovina dos EUA caiu de 40 para 21,3% e será eliminada até 2026. Esses termos são preservados no contrato revisado da KORUS assinado em 24 de setembro.

As exportações de carne bovina para o principal mercado do Japão subiram 8% em relação ao ano passado em agosto, para 33.548 toneladas, incluindo um recorde pós-EEB para cortes musculares (28.863 toneladas).

O valor das exportações de agosto foi de US $ 209,3 milhões, 5% acima do ano anterior e o maior desde 1996. De janeiro a agosto, as exportações para o Japão aumentaram 7% em relação ao ano anterior, para 224.785 toneladas, enquanto o valor aumentou 11%, para US $ 1,42 bilhão.

Isso incluiu um leve aumento na carne refrigerada para 100.952 toneladas, avaliado em US $ 807,2 milhões (aumento de 9%). A carne bovina dos EUA respondeu por quase 50% das importações refrigeradas do Japão até agosto.

As exportações para o México aumentaram 1% em relação ao ano anterior em volume (158.496 toneladas) e foram 8% mais altas em valor (US $ 693,9 milhões). O México é o principal destino das exportações de carnes norte-americanas , que caíram 8% abaixo do ritmo do ano passado, para 64.642 toneladas.

Embora os embarques de carne bovina para a China/Hong Kong tenham desacelerado nos meses de verão, as exportações de janeiro a agosto permaneceram 6% acima do volume do ano anterior (79.584 t) e 30% superior em valor (US $ 638,8 milhões). As exportações para a China, que reabriu para a carne bovina dos EUA em junho do ano passado, foram 4.580 toneladas no valor de US $ 39,8 milhões.

As exportações de carne bovina para Taiwan subiram 36% acima do ritmo do ano passado em volume (38.923 toneladas) e 40% maior em valor (US $ 359,9 milhões). As exportações refrigeradas para Taiwan aumentaram 32% em volume (15.676 toneladas) e 41% em valor (US $ 197,1 milhões), já que os Estados Unidos capturaram 74% do mercado de carne bovina resfriada de Taiwan – a maior participação de qualquer destino asiático.

O forte crescimento nas Filipinas impulsionou as exportações de carne bovina para a região da ASEAN 11% acima do volume do ano passado em volume (29.261 toneladas) e 23% maior em valor (US $ 160,7 milhões).

Liderados por exportações nitidamente maiores para a Costa Rica, Guatemala, Panamá e El Salvador, o volume de exportações para a América Central aumentou 26% em relação ao ano passado, para 9.519 toneladas, enquanto o valor subiu 22%, para US $ 51,6 milhões.

Fonte; USMEF, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar