Categories: Giro do Boi

EUA: Como a carne produzida exclusivamente a pasto afeta o meio-ambiente?

Alimentar a crescente demanda dos EUA por carne bovina produzida a partir de gado criado apenas em pastagens poderia elevar para 100 milhões de animais dos atuais 70 milhões de animais. Além disso, uma mudança para sistemas puramente a pasto provavelmente traria custos ambientais mais altos, incluindo mais emissões de metano, a menos que o público reduzisse seu consumo de carne.

“Estávamos interessados em ver quais barreiras biofísicas poderiam existir: se a terra e o meio-ambiente poderiam sustentar os consumidores substituindo parte ou todo o seu consumo por carne bovina a pasto”, disse Matthew Hayek, da Harvard Law School, EUA, que participou do estudo com Rachael Garrett, da Universidade de Boston, EUA.

O objetivo era fornecer aos consumidores de alimentos, chefs, fregueses e formuladores de políticas mais informações sobre os impactos potenciais da carne bovina produzida a pasto em comparação com a carne bovina terminada em confinamento, onde os rebanhos bovinos comem principalmente grãos.

Na ausência de terminação em confinamento, a atual pastagem nos Estados Unidos deve suportar apenas 27 milhões de cabeças de gado, segundo a equipe. Se a forragem cultivada for incluída na definição de produzido a pasto, então os alimentos suplementares resultantes poderão suportar 34 milhões de cabeças adicionais de gado, elevando o total para até 61% do atual fornecimento de carne bovina.

Um dos grandes argumentos do relatório é que apenas as reduções no consumo de carne bovina podem garantir reduções no impacto ambiental. Mas o que comer menos carne significa para a indústria de gado dos EUA? A carne bovina é um grande negócio, gerando US $ 67 bilhões em vendas e exportações domésticas, de acordo com relatórios nacionais.

“A carne bovina produzida a pasto normalmente é vendida por um preço quase 50% maior do que a carne convencional”, disse Hayek. “Se os consumidores continuarem pagando um preço mais alto pela carne bovina a pasto, os pecuaristas poderão lucrar apesar de produzir menos no geral”.

Fica claro, a partir do estudo de Hayek e Garrett, que passar de uma produção de carne totalmente a pasto para produção de gado terminado em confinamento vai exigir mais terra, ou aumentos maciços na produtividade das pastagens existentes. Embora valha a pena reiterar que tais impactos diminuiriam se o público escolhesse comer menos carne depois de trocar os produtos. Em última análise, como aponta Hayek, a decisão cabe aos consumidores.

Fonte: Physics World, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 20 de setembro de 2018

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

CEPEA: Preço interno segue operando na máxima nominal

A baixa oferta de animais para abate mantém os preços diários da arroba operando nas… Read More

17 de setembro de 2020

Pecuaristas e industriais paraguaios avançam para criar o instituto da carne

Os pecuaristas e industriais do Paraguai, após um longo período, voltaram a reunir-se com o… Read More

17 de setembro de 2020

Coalizão entre agronegócio e ONGs propõe ao governo ações contra desmatamento

Uma coalizão formada por 230 representantes do agronegócio, de entidades não-governamentais (ONGs) e outros setores… Read More

17 de setembro de 2020

Arroba segue firme, mesmo com consumidor retraído

Nesta terça-feira, o mercado físico do boi gordo operou com maior cautela e foi marcado… Read More

17 de setembro de 2020

CNA: reforma tributária isenta 80% dos produtores do País

O presidente do Instituto CNA, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Roberto… Read More

17 de setembro de 2020

Rabobank aponta novas oportunidades para proteína animal na China no pós Covid-19 e PSA

O mercado de proteína animal na China tem experimentado grande volatilidade nos últimos anos. Conforme… Read More

17 de setembro de 2020