Categories: Giro do Boi

Estudo mapeia 1.125 startups do agronegócio brasileiro

O agronegócio nacional já tem mapeamento das startups orientadas a prover soluções para o setor, o qual identifica a distribuição geográfica das AgTechs, segmento de atuação e categoria (antes, dentro e depois da porteira), além de tornar disponível informações sobre localização, website e contatos das empresas.

O mapeamento foi realizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), SP Ventures e a consultoria Homo Ludens, por meio do estudo “Radar Agtech Brasil 2019: Mapeamento das Startups do Setor Agro Brasileiro”. Veja aqui.

Ao todo, 1.125 startups foram validadas, analisadas e classificadas. Dentre os dados coletados, aproximadamente 90% das empresas voltadas ao agronegócio estão nas regiões Sul e Sudeste do País.

As cidades que concentram o maior número delas são: São Paulo (262); Piracicaba (41); Campinas (38); Ribeirão Preto (37); Curitiba (36); Rio de Janeiro (35); Porto Alegre (29); Belo Horizonte (24); Florianópolis (21); Uberlândia (19); Goiânia (17); São José dos Campos (17); Londrina (15); Campo Grande (14); São Carlos (14), entre outras.

O raio-x das agtechs traz ainda informações sobre o tipo de serviço que é oferecido por elas. Para isso, a SP Ventures, Homo Ludens e Embrapa desenvolveram três frentes mapeadas – tecnologias para serem utilizadas antes da fazenda; soluções para dentro da fazenda; e inovações para depois da fazenda.

Entre os dados coletados, destacam-se que 391 tem soluções eficazes para utilização dentro da porteira e as demais oferecem tecnologias com aplicabilidade fora das propriedades rurais.

“As informações organizadas podem subsidiar os empreendedores na análise de oportunidades de negócios, buscando maior assertividade em suas estratégias de atuação. Consequentemente, trazem uma relevante contribuição para os ecossistemas de inovação no setor agropecuário brasileiro”, avalia em comunicado o analista Cleidson Dias, da Secretaria de Inovação da Embrapa e um dos coordenadores do estudo.

Fonte: Estadão.

This post was published on 3 de setembro de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Produção de carne bovina nos EUA cai 21% em abril por conta do coronavírus

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a produção de carne nos Estados Unidos… Read More

25 de maio de 2020

Fechada para clientes, churrascaria assa carne na calçada na zona leste de SP

Desde as 3h deste domingo cerca de 80 quilos de costela permaneceram rodeadas de fogo,… Read More

25 de maio de 2020

Marfrig tem 25 casos positivos de covid-19 em funcionários de unidade de Várzea Grande (MT)

A Marfrig Global Foods foi notificada sobre testes positivos para covid-19 em 25 funcionários de… Read More

25 de maio de 2020

Ajustes em frigoríficos vieram para ficar, afirma especialista

As medidas de segurança adotadas no ambiente frigorífico para tentar mitigar o risco de contaminação… Read More

25 de maio de 2020

Cadeia de fornecimento da indústria de carnes está falhando, mas fazendas menores ainda podem atender às necessidades dos consumidores nos EUA

Will Harris ficou alarmado com as notícias de produtores sacrificando seus animais porque matadouros e… Read More

25 de maio de 2020

Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários

O Brasil alcançou a marca de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro… Read More

25 de maio de 2020