Categories: Giro do Boi

Estudo da Embrapa mensura benefício da integração entre lavoura e pecuária

Um estudo inédito da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) comprovou que a implantação do sistema de produção integrada lavoura-pecuária (ILP) em propriedades rurais tem um custo ambiental menor que o cultivo de grãos ou a criação de gado de formas isoladas. A análise baseou-se no conceito de “energia incorporada” de cada atividade. Mais sustentável, o modelo integrado sequestrou carbono de fazendas no Cerrado e na Amazônia e gerou lucro.

Em uma escala em que quanto maior o número, mais sustentável é a atividade, o indicador de sustentabilidade do sistema ILP chegou a 0,67, superior ao do plantio de soja sucedido por milho, de 0,46 – o estudo considerou dados coletados em Mato Grosso na safra 2017/18. A pecuária extensiva, por utilizar menos insumos e grandes extensões de terras, obteve um índice muito superior, de 5,62.

A diferença está na capacidade de reduzir a produção de gases de efeito estufa. Segundo a Embrapa, o sistema integrado sequestrou 2,71 toneladas de CO2 equivalente para cada joule (unidade de medida de energia) produzido, enquanto o cultivo agrícola “solteiro” emitiu 3,70 toneladas de CO2 equivalente. Já a pecuária extensiva apresentou uma emissão elevada, de 7,98 toneladas.

Com índice de energia incorporada maior e sequestro de carbono, o sistema ILP gerou lucro de US$ 235,69 por hectare. O valor, no entanto, foi menor que o da sucessão agrícola de soja e milho (US$ 295 por hectare). A pecuária teve prejuízo financeiro de US$ 0,58/hectare.

A metodologia aplicada no estudo foi baseada no conceito de emergia, ou “energia incorporada”. Nela, os pesquisadores comparam o custo ambiental de cada sistema de produção. Para isso, todos os insumos utilizados e a produção final são convertidos para um índice único, equivalentes de energia solar – sejam eles renováveis (chuva, vento, fixação biológica de nitrogênio) ou não (combustíveis, sementes, fertilizantes, agrotóxicos e maquinário).

O método considera como as várias formas de energia se expressam quando usadas nos processos que vão gerar um novo bem ou serviço – no caso, a produção de grãos e carne. Segundo os pesquisadores, os indicadores de energia mostraram que o custo social da sucessão soja e milho é maior do que seus benefícios para a sociedade.

“Para manter altos índices produtivos, são necessários cada vez mais insumos externos. Isso gera um círculo vicioso em que, embora se aumente a produtividade, o custo ambiental sobe cada vez mais”, explica o coordenador do estudo, Júlio César dos Reis, pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril.

Já no caso da pecuária extensiva, o baixo desempenho produtivo e a elevada emissão de poluentes tornam o sistema mais insustentável. “Além de reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera, por unidade de produto, a ILP contribui para diminuir a pressão por desmatamentos. Esses ganhos indicam que os sistemas integrados são mais eficientes na conversão de recursos ambientais e econômicos em produtos finais”, disse.

Como o sistema ILP ainda não é tão lucrativo quanto o sistema convencional de produção agrícola, com a sucessão de soja e milho apenas, a Embrapa reforça que esses sistemas precisam de incentivos e remuneração para serem replicados cada vez mais.

Os pesquisadores compararam o custo energético dos três sistemas produtivos e analisaram o desempenho e a relevância de alguns insumos separadamente. A erosão do solo, que impõe déficits de energia, é mais comum nas lavouras solteiras. Na ILP e na pecuária, processos naturais que promovem a fertilidade do solo são pontos favoráveis. Fertilizantes e corretivos de solo, empregados em maiores volumes nas lavouras, ajudam a elevar o indicador de energia desse tipo de produção, que é 10% menor na ILP e 64% na pecuária.

Por outro lado, recursos renováveis ofertados pela natureza conformam 25% da energia nas lavouras, 31% na ILP e até 66% na pecuária. Já a fixação biológica de nitrogênio está mais presente nas lavouras e favorece o modelo integrado com efeito residual, mas não as pastagens, segundo o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, Geraldo Stachetti.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 6 de abril de 2021

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Exportação na Argentina: governo incentiva frigoríficos a dar detalhes dos embarques

Após as medidas anunciadas sobre a criação de um cadastro para "monitorar" as exportações de… Read More

16 de abril de 2021

Avaliada em R$ 86,6 bi, JBS renova máxima histórica na B3

Impulsionadas pelas perspectivas amplamente favoráveis para os negócios nos EUA, as ações da JBS renovaram… Read More

16 de abril de 2021

Minerva quer zerar até 2035 suas emissões de carbono

A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou ontem que… Read More

16 de abril de 2021

Indústria de bacon vegetal atrai investimento de Robert Downey Jr.

A ascendente indústria de proteínas de base vegetal atraiu o Homem de Ferro. O ator… Read More

16 de abril de 2021

Pesquisadora brasileira vai criar a primeira carne cultivada do País

A pesquisadora Bibiana Matte, da Núcleo Vitro, está desenvolvendo a primeira carne cultivada do País.… Read More

16 de abril de 2021

Milho: clima ruim na América do Sul provoca forte alta em Chicago

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para  milho fechou a sessão desta quarta-feira, 14,… Read More

16 de abril de 2021