Estratégias de Manipulação das Células de Gordura parte II – Manejo e Aditivos Alimentares

Hormônios

Sabe-se que a produção natural de hormônios em humanos e em outros animais, tem um importante papel fisiológico, bioquímico e comportamental associados a mudanças no crescimento e desenvolvimento. Hormônios associados a animais inteiros irão resultar em um aumento da proporção de músculo e em um aumento da taxa de eficiência de crescimento quando comparados a fêmeas (Montgomery et al., 2001).

O uso de implantes anabólicos em gado de corte oferece um retorno adicional ao investimento juntamente com uma alimentação adequada. Embora isso seja verdadeiro no que diz respeito ao aumento do ganho de peso e melhora da eficiência alimentar, os efeitos dos implantes anabólicos em características de carcaça não tem sido sempre positivos. Desde o começo do uso com diethylstillbestrol, os frigoríficos tem se preocupado com os efeitos dos implantes na maciez da carne, qualidade das carcaças e possíveis resíduos na carne. Essa preocupação tem crescido com o aumento do uso dos implantes anabolizantes e com a introdução de novas combinações de hormônios.

Implantes anabólicos são integrados as práticas de manejo na fase de terminação na produção de gado de corte nos Estados Unidos para melhorar a desempenho dos animais e o rendimento de carcaça (Johnson et al, 1996a,b; Roeber et al, 2000). Alguns estudos mostraram que os implantes não tem efeito na qualidade da carcaça (Gerken et al, 1995; Johnson et al., 1996a), mas outros mostraram uma redução na qualidade de carcaça como consequência de uma diminuição no grau de marmoreio ou pela maturidade esquelética avançada ou ambos (Belk, 1992; Duckett et al. 1997).

O uso de implantes anabólicos também têm mostrado um aumento do peso da carcaça (Roeber et al, 2000), aumento na área do músculo Longissimus e consequentemente aumento do rendimento de músculo na carcaça (Johnson et al, 1996a,b; Roeber et al, 2000). Estudos recentes têm mostrado que o acréscimo de proteína devido aos anabolizantes é conseqüência da ativação e proliferação das células satélites do músculo, as quais são responsáveis pelo crescimento das fibras musculares (Dayton et al., 1997; Jonhson et al.,1998a). Isaacson et al., 1993, descobriu que a síntese de cortisol é diminuída nas células das glândulas adrenais de garrotes na presença de testosterona, dihydrotestosterone, acetato de trembolona e zeranol. Diminuição na concentração de cortisol circulante, também foi mostrado em touros e novilhas quando implantados com acetato de trembolona e zeranol combinados (Jones et al., 1991). Assim, tem-se sugerido que diminuição na concentração de cortisol circulante ajuda no acréscimo de proteína pelo decréscimo no catabolismo das proteínas.

A redução no marmoreio tem sido vista em alguns experimentos (Morgan, 1997; Roeber et al, 2000) nos quais os animais foram implantados com uma combinação de acetato de trembolona e estradiol. Duckett and Andrae, 2001, mostraram que conforme a área do músculo Longissimus crescia, o grau de marmoreio diminuía, sugerindo que os implantes tinham um efeito indireto no depósito de gordura intramuscular. Além disso, o teor de gordura intramuscular no músculo Longissimus tem-se mostrado reduzido quando se faz uma administração precoce de implantes de estradiol e acetato de trembolona (Bruns et al.,2005). Pode se observar que o efeito dos implantes anabólicos no marmoreio da carne não tem sido consistente entre estudos realizados.

Smith et al., 2007, realizaram um estudo com o objetivo de determinar o efeito de implantes anabólicos em mudanças nas medidas de ultrassom (área de olho de lombo, espessura da camada de gordura e porcentagem de gordura intramuscular), qualidade e rendimento de carcaça, tamanho e número de células de gordura intramuscular e subcutâneo e expressão de algumas enzimas no tecido adiposo. Foram feitos dois experimentos, o primeiro usando novilhas Angus e o segundo usando garrotes Angus, os animais foram comprados de um rebanho de animais com genética direcionada para um alto marmoreio na carne. Os mesmos protocolos foram seguidos para os dois experimentos. Os animais foram divididos em grupo controle (C) ou implantados 2 vezes com SynovexPlus (SP; 28 mg benzoato de estradiol e 200mg de acetato de trembolona).

As novilhas implantadas tiveram seu ganho de peso 36% mais rápido do que o grupo controle, para garrotes os animais implantados tiveram um ganho de 16% maior em relação ao grupo controle. O peso ao abate foi melhor para animais SP do que para os C tanto para novilhas como para os garrotes. Nesse mesmo estudo o marmoreio não diferiu entre os tratamentos em novilhas e garrotes. Porém, a maciez da carne foi comprometida nos animais que receberam os implantes anabólicos, pois houve um aumento da força de cisalhamento, esse efeito também foi observado em outros estudos como Samber et al., 1996 e Platter et al., 2003.

O uso de um implante único no início do período de confinamento de garrotes é o cenário mais comum encontrado. Numa revisão de literatura, Duckett et al., 1997, mostraram que um único implante anabólico aumentou a media de ganho de peso diário em 26,4%, enquanto que a combinação de implantes apresentou melhores resultados. Essas combinações também reduziram a relação alimentação: ganho de peso em 10,9%.

Um único implante não parece alterar o grau de rendimento final quando comparado a animais que não foram implantados. Isso seria esperado pois o grau de rendimento é influenciado pela área de olho de lombo em relação ao peso de carcaça. Já em novilhas, uma dose única de anabolizante, uma combinação mais suave ou uma combinação mais forte, tem mostrado melhorar a média de ganho de peso diário e eficiência alimentar quando comparado a novilhas não implantadas (Duckett et al., 1997; Popp et al., 1997; Mader, 2000). Porém,,outros autores não acharam efeitos nesses fatores quando usadas doses únicas de implantes de estrógeno (Stobbs et al., 1988; Duckett et al., 1997).

Quando relacionamos a influência dos implantes com crescimento e desenvolvimento dos tecidos, Chaudhary et al., (1985) e Unruh et al., (1986), relataram que touros implantados com zeranol a partir do nascimento tinham um decréscimo no peso, no crescimento do ossos, e um aumento da maturidade esquelética quando comparados a animais não implantados.

Receptores Beta-Adrenérgicos (β -Adrenérgicos)

Os receptores beta-adrenérgicos estão presentes na superfície de quase todos os tipos de células dos mamíferos. Esses receptores são estimulados fisiologicamente pelo neurotransmissor norepinefrina e pelo hormônio produzido na parte medular da adrenal – epinefrina.

Os agonistas β- adrenérgicos se ligam aos receptores dos β- adrenérgicos; a administração oral de alguns agonistas sintéticos, causam uma modificação no crescimento com um aumento do músculo esquelético e diminuição do acréscimo de gordura (Mersmann. H. J., 1998).

Em 1996, o México e a África do Sul aprovaram o uso de agonistas β- adrenérgicos, como aditivos alimentares, nesses se incluem: o hidrocloreto de zilpaterol e o hidrocloreto de ractopamina. Em 2003, o hidrocloreto de ractopamina foi aprovado nos EUA e em 2006 o hidrocloreto de zilpaterol, ambos com o objetivo de aumentar performance, melhorar eficiência alimentar e aumentar o rendimento de carcaça. Esses aditivos são geralmente adicionados na ração 20 à 40 dias antes do abate.

Um dos principais efeitos observados pela administração oral de agonistas β-adrenérgicos em gado, porcos e ovelhas, é o aumento da massa muscular. Como o crescimento do músculo esquelético no pós-natal é primariamente devido à hipertrofia, é esperado um aumento na síntese de proteína no músculo ou uma diminuição na degradação da proteína muscular ou a combinação dos dois (Yang and McElligott, 1989; Moloney et al., 1991; Kim and Sainz, 1992; Mersemann, 1995).

Outro efeito da administração oral de agonistas β- adrenérgicos é diminuição da massa de gordura na carcaça. Esses agonistas claramente estimulam a degradação de triglicerol nos adipócitos e inibem a produção de ácidos graxos e triglicerídeos. A elevação no plasma de ácidos graxos não esterificados depois da administração de agonistas β- adrenérgicos sugere a ativação da atividade lipolítica do adipócito.

Certamente, estes agonistas podem aumentar o fluxo sangüíneo para certas regiões do corpo. O aumento desse fluxo no músculo esquelético pode evidenciar o processo de hipertrofia pelo aumento da quantidade de substratos e fontes de energia para a síntese protéica. Além disso o aumento do fluxo sangüíneo no tecido adiposo pode realçar o transporte de ácidos graxos não esterificados para fora do tecido aumentando o processo de degradação de lipídeos (Eisemann et al., 1988).

Conclusão

Vemos que os implantes anabólicos podem ser usados como uma prática de manejo, resultando numa melhor conversão alimentar e consequentemente, numa diminuição do tempo de terminação, trazendo um maior lucro para os produtores. Porém, ainda não são comprovados os efeitos nas características de carcaça, sendo necessário mais pesquisa na área para fazer um uso melhor desse recurso. O agonista β- adrenérgico é mais uma alternativa para se aumentar a produção de carne, através de uma melhora na eficiência alimentar e um aumento no rendimento de carcaça.

Mesmo com a busca de “melhor” touro ou vaca no Brasil, os animais somente irão mostrar seu potencial quando oferecidos uma dieta e manejo adequado.

Referências

Albrecht, E. F. Teuscher, Ender and J. Wegner. 2006. Growth- and breed- related changes of marbling characteristics in cattle. J Anim. Sci. 84:1067-1075.

Belk, K. E. 1992. Low quality grade-effects of implants on maturity, marbling and incidence of dark cutting beef. National Beef Quality Audit, Final Report, p 173.Natl. Cattlemen’s Assoc., Englewood, CO

Belk, K. E., and J. W. Savell. 1992. Low quality grades-effects of implant on maturity, marbling and incidence of dark-cutting beef. Final Report of the National Beef Quality Audit 1991. Natl. Catllemen’s Assoc., Englewood, CO.

Bruns, K. W., R. H. Pritchard, and D. L. Boggs. 2005. The effect of stage of growth and implant exposure on performance and carcass composition in steers. J. Anim Sci. 83:P108-116.

Chambaz, A., M. R. L. Scheeder, M. Kreuzer, and P A. Dufey. 2002. Meat quality of Angus, Simmental, Charolasis and Limousin steers compared at the same intramuscular fat content. Meat Sci 63:491-500.

Chaudhary, Z. I., M. A. Price, and M. Makaceriam. 1985. Effects of zeranol on weght gani bone growth and other and other carcass traits in steers and bulls. Can. J. Ani Sci. 65:835-835.

Cunningham, H. M. 1965. Effect of Epinephrine and nicotine on protein and fat metabolism of pigs. In: K. L. Blaxter (Ed.)Energy Metabolism. Pp 29-36. Academic Press, New York.

Dayton, W. R., B.J. Johnson, and M.R. Hathaway. 1997. Effects of a combinated trembolone acetate and estradiol implant (Revalor – S) on carcass composition and biological parameters of feedlot steers. Proc. Impact of Implants on Performance and carcass value of beef cattle, Okla. Agric. Exp. Stn., Stillwater. P- 957:23-33.

Duckett, S. K., F. N. Owens, and J. G. Andrae. 1997. Effects of implants on performance and carcass traits of feedlot steers and heifers. Proc. Impact of Implants on performance and carcass value of beef cattle, Okla. Exp. Stn., Stillwater. P 0957:63-82.

Eisemann, J. H., G. B. Huntington, and C. L. Ferrel. 1998. Effects of dietary clenbuterol on metabolism of the Hindquarters in steers. J Anim Sci. 15:3-7.

Gerken, C.D., J. D. Tatum, J. B. Morgan, and G. C. Smith. 1995 Use of genetically identical (clone) steers to determine the effects of estrogenic and androgenic implants on beef quality and palatability characteristics. J. Anim. Sci. 73:3317-3324.

Hermesmeyer, G. N., L. L. Berger, T. G. Nash, and R.T. Brandt, Jr. 2000. Effects of energy intake, implantation, and subcutaneous fat end point on feedlot steer performance and carcass composition. J Anim. Sci. 78:825-831.

Isaacson, W.K., S.J. Jones., R. J. Krueger. 1993. Testosterone, dhydrotestosterone, trembolone acetate, and zeranol alte the synthesis of cortisol in bovine adrenocortical cells. J Anim Sci. 71:1771-1777.

Johnson, B. J., P. T. Anderson, J.C. Meiske, and W.R. Dayton. 1996a. Effect of a combinated trembolone acetate and estradiol implant on feedlot performance, carcass characteristics, and carcass composition of feedlot steers. J Ani Sci. 74:363-371.

Johnson, B.J., M. R. Hathaway, P. T. Anderson, J.C. Meiske, and W. R.Dayton. 1996b. Stimulation of Circulation insulin like growth factor I (IGF-I) and insulin- like growth factor binding proteins (IGFBP) due to administration of a combinated trenbolone acetate and estradiol implant on feedlot performance, carcass characteristics, and carcass composition of feedlot steers. J Anim Sci 74:372-379.

Johnson, B. J., N . Healstead, M.E. White, M.R.Hathaway, A. Di Costanzo, and W. R Dayton. 1998a. Activation state of muscle satellite cells isolated from steers implanted with a combinated trenbolone acetate and estradiol implant. J. Anim. Sci. 76:2779-2786.

Kim, Y. S., and R. D. Sainz. 1992. Beta -adrenergic agonists and hypertrophy of skeletal muscles. Life Sci. 50:397-407.

Mader, T.L. 2000. Growth Implants for heifers. Nebraska Beef Report. University of Nebraska, Lincoln. Pp 45-36.

Marshall, D. M.1994. Breed differences and genetic parameters for body composition traits in beef cattle. J. Anim. Sci. 72:2745-2755.

Mersmann, H. J. 1996. Evidence of classic beta-adrenergic receptors. J. Nutr. 125: 1777S-1782S.

Mersmann H. J. 1998. Overview of the effects of beta-adrenergic receptor agonistis on animal growth including mechanisms of action. J Anim Sci. 76:160-172.

Moloney, A., P. Allen. R. Joseph, and V. Tarrant, 1991. Influence of beta-adrenergic agonist and similar compounds on growths. In: A. M. Pearson, and T. R. Dutson (Ed.) Growth Regulation in farm animals. Advances in meat research (vol. 7). Pp 455-513. Elsever Applied Science. New York.

Morgan, J. B. 1997. Implant program effects on USDA beef carcass quality grade traits and meat tenderness. Proc. Impact of implants on performance and carcass Value of beef cattle, Okla. Agric. Exp Stn., Stllwater. P-957:147-154

Montgomery, T. H., P. F. Dew, and M. S. Brown. 2001. Optimizing carcass value and the use of anabolic implants in beef cattle. J. Anim Sci. 79:E296-E306.

Platter, W. J., J. D. Tatum, K. E. Belk, J. A. Scanga, and G. C. Smith.2003. Effects of repetitive use of hormonal implants on beef carcass quality, tenderness and consumer ratings of beef palatability.J Anim. Sci. 81:984-996.

Popp, J. D., T. A. McAllister, W. J. Burgevitz, R. A. Kemp, J.P. Kastelic, and K. J. Cheng. 1997. Effect of trembolone acetate/ estradiol implants and estrus suppression on growth performance and carcass characteristics of beef heifers. Can J. Ani Sci. 77:325-328.

Roeber, D. L., R. C. Cannell, K. E. Belk, R. K. Miller, J. D. Tatum, and G. C. Smith. 2000. Implant strategies during feeding : Impact on carcass grades and consumer accertability. J Anim Sci. 78:1867-1874.

Samber, J.A., J. D. Tatum, M. I. Wray, W. T. Nichols, J. B. Morgan, and G. C. Smith. 1996. Implant program effects on performance and carcass quality of steer calves finished for 212days. J Anim. Sci. 74:1470-1476.

Smith, K. R., M. J., Duckett, M. J., Azain, R. N., Sonon, and T. D. Pringle. 2007. The effect of anabolic implants on intramuscular lipid deposition in finished beef cattle. J Anim Sci. 85:430-440.

Stobbs, L. A., R. E. Grimson, D. N. Mowat, J. E. Richards, J. R. Nelson, H. H. Nicholson, and R. P. Stilborn.1988. Efficacy of compudose as an anabolic implant for growing-finishing heifers. Can J Ani Sci 68:205-210.

Unruh, J. A., D. G Gray, and M. E. Dikeman. 1986. Implanting young bulls with zeranol from birth to four slaughter ages: I. live Measurements, behavior, masculinity and carcass characteristics. J. Ani. Sci. 62:279-289.

Yang, Y. T., and M. A. Mc Elligott. 1989. Multiple actions of beta-adrenergic agonists on skeletal muscle and adipose tissue. Biochem. J. 261:1-10.

Zembayashi, M., and D. K. Lunt. 1995. Distribution of intramuscular lipid throughout M. Logissimus thoracis et lumborum in Japanese Black, Japanese Shorthorn, Holstein and Japanese Black crossbreds. Meai Sci. 40:211-216.


ou utilize o Facebook para comentar