Esqueça a couve; o bife é o novo superalimento!

Apesar do declínio no consumo de carne bovina nas últimas décadas, a proteína favorita da América ainda é um saco de pancadas para muitos problemas de saúde do nosso país. De câncer a diabetes, a doenças cardíacas e mais, todo mundo gosta de apontar o dedo para carne e ignorar o fato de que este produto é uma potência nutricional repleta de zinco, proteína, ferro altamente absorvível, vitaminas do complexo B e gorduras saturadas que alimentam o cérebro.

No entanto, essa retórica equivocada é um ruído branco completo quando começamos a observar dietas que evitam completamente gorduras e proteínas animais.

Em um artigo recente do The Telegraph, Sarah Knapton estuda os efeitos a longo prazo das dietas vegetarianas. Sua conclusão – ficar sem carne pode levar a mutações genéticas que aumentam o risco de doenças cardíacas e câncer.

De acordo com o artigo, “as populações que tiveram uma dieta essencialmente vegetariana por gerações mostraram ser muito mais propensas a carregar o DNA que as torna suscetíveis à inflamação. Os cientistas dos EUA acreditam que a mutação ocorreu para tornar mais fácil para os vegetarianos absorverem os ácidos graxos essenciais das plantas.

“Mas tem o efeito colateral de aumentar a produção de ácido araquidônico, que está ligado a doenças inflamatórias e câncer. Quando acoplado a uma dieta rica em óleos vegetais – como o óleo de girassol – o gene mutado transforma rapidamente ácidos graxos em ácido araquidônico perigoso.”

Knapton citou pesquisas anteriores que descobriram que as populações vegetarianas são 40% mais propensas a sofrer de câncer colorretal, quando comparadas a populações que comem carne. O estudo vem da Cornell University, que comparou os genomas de centenas de vegetarianos que vivem em Pune, na Índia, a pessoas tradicionais que comem carne no Kansas. O contraste nas diferenças genéticas foi significativo.

“Aqueles cuja ascendência deriva de vegetarianos são mais propensos a transportar genética que metaboliza mais rapidamente os ácidos graxos das plantas”, disse Tom Brenna, professor de nutrição humana em Cornell. “Nesses indivíduos, os óleos vegetais serão convertidos em ácido araquidônico mais pró-inflamatório, aumentando o risco de inflamação crônica que está implicada no desenvolvimento de doenças cardíacas e exacerba o câncer. A mutação apareceu no genoma humano há muito tempo e foi transmitida através da família humana.”

Em outras palavras, embora tenham nos dito por anos para comer menos carne e mais saladas, talvez precisássemos reverter nosso pensamento.

Não apenas uma dieta vegetariana pode levar ao aumento da inflamação crônica, mas também os pesquisadores estão descobrindo que a mutação dos genes também afeta a produção de ácidos graxos ômega 3, que protegem contra doenças cardíacas.

No topo de tudo, Knapton diz que uma dieta vegetariana ou vegana pode levar a problemas de fertilidade, diminuindo a contagem de espermatozoides. E olhando para a nossa saúde em geral, quando alguém decide ficar sem carne, também está se comprometendo com uma vida inteira de pílulas, à medida que suplementos serão necessários para obter os nutrientes adequados para prosperar.

De acordo com Knapton, “Muitos vegetarianos também lutam para obter ferro, vitamina D, vitamina B12 e cálcio suficientes, que são essenciais para a saúde. Um estudo descobriu que os vegetarianos tinham aproximadamente 5% menos densidade mineral óssea (DMO) do que os não vegetarianos”.

Fonte: BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar