Categories: Giro do Boi

Empresas veganas brigam para usar a palavra “carne” nas etiquetas nos EUA

Para os veganos que moram nos Estados Unidos, o churrasco do feriado de 4 de julho, do Dia da Independência, não vai deixar nada a desejar em relação às opções dos carnívoros: hambúrgueres, salsichas e cachorros-quentes à base de vegetais, maionese sem ovos e queijo sem leite. Para terminar, uma bola de sorvete sem creme.

Mas nem todo mundo está contente com essa variedade. Vários Estados, processadoras de carnes e empresas de laticínios conseguiram apoio de parlamentares americanos e têm pressionado pela criação de leis que restrinjam a maneira como esses produtos são etiquetados nos supermercados. O argumento é que os alimentos só podem ser chamados de “leite” se forem resultado de lactação e de “carne” se um animal tiver sido abatido. O movimento marca uma mudança, depois de décadas de pouca resistência do setor de laticínios em meio à recente explosão de “leite” à base de soja, amêndoas, aveia e uma série de outros ingredientes.

Mas as fabricantes de produtos à base de vegetais decidiram reagir. Na segunda-feira (1º de julho), a fabricante de “carne vegana” Upton’s Naturals e a Plant Based Foods Association, que representa empresas do setor, abriram um processo contra o governador do Mississippi e contra o comissário de agricultura e comércio em um tribunal federal, argumentando que as restrições às etiquetas violam o direito à liberdade de expressão da Primeira Emenda à Constituição dos EUA, impedindo-as de usar frases que os consumidores entendem, como “almôndegas sem carne” e “chouriço vegano”.

A nova lei do Estado do Mississippi, aprovada em março e que entrou em vigor na segunda-feira, estipula que alimentos à base de vegetais não podem ser etiquetados como carne ou “produto alimentício de carne”. Não importa se o produto também declara no rótulo que é 100% vegano, à base de vegetais ou sem carne: se o produto usa a palavra “carne”, ou outra que o vincula ao produto animal que pretende substituir, entrará em conflito com a lei. A legislação, diz o processo, é resultado direto do lobby dos setores de carne.

“A arena apropriada para enfrentar a concorrência está no mercado, falando diretamente com os consumidores. Não é procurar seus amigos na legislatura estadual para dar seu lance”, disse Michele Simon, diretor-executivo da Plant Based Foods Association, que representa a Upton e mais de 140 outras empresas. “Nossos associados estão competindo de forma justa no mercado.”

Em resposta ao processo, o Departamento de Agricultura e Comércio do Mississippi disse que tem o “dever e obrigação de fazer cumprir a lei” e de garantir que o consumidor no Estado tenha “informações claras sobre os produtos com carne e sem carne que compram”.

“Um produto alimentício feito de proteína de inseto não deve ser enganosamente etiquetado como carne bovina. Alguém que queira comprar tofu não deve ser induzido a comprar proteína animal cultivada em laboratório”, disse Andy Gipson, comissário de agricultura e comércio, em comunicado. “Palavras significam alguma coisa.”

O governador Phil Bryant, do Mississippi, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários .

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 4 de julho de 2019

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

Rafael Tardáguila: Oferta de carne deve se adequar à menor demanda

A demanda por carne bovina cairá devido à recessão global, mas a oferta está se… Read More

29 de maio de 2020

Covid-19 infectou mais de 3 mil funcionários de frigoríficos nos EUA, diz sindicato

Mais de 3 mil funcionários de frigoríficos dos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19 e… Read More

29 de maio de 2020

Carne bovina: mercado interno continua incerto e exportações seguem firmes

Com a baixa de oferta de animais, algumas indústrias estão oferecendo mais pela arroba do… Read More

29 de maio de 2020

Produção de carne bovina deve cair, diz Rabobank

O mais novo relatório do Rabobank indicou que a produção de carne bovina brasileira deve… Read More

29 de maio de 2020

Boi gordo: China pede renegociação à exportadoras de carne

A retração da procura pelas principais proteínas animais no mercado atacadista de São Paulo foi… Read More

29 de maio de 2020

JBS vai pedir aval do governo de SC para sacrificar 650 mil frangos

A JBS vai protocolar na Secretaria de Agricultura e no órgão ambiental de Santa Catarina… Read More

29 de maio de 2020