Aumenta temor com uma possível falta de carne na América do Norte
14 de abril de 2020
Compras de alimentos na época do COVID-19
14 de abril de 2020

Emissões de gado na Nova Zelândia mais baixas do que as estimadas anteriormente

cows during sunset in new zealand countryside

Pesquisas sobre as emissões de gases de efeito estufa da carne bovina e ovina da Nova Zelândia descobriram que estimativas anteriores podem ter sido superestimadas.

Conduzido pelo instituto de pesquisa AgResearch, o relatório é baseado em um cálculo mais preciso das emissões de óxido nitroso da produção de ovinos, bovinos de corte e leiteiros, o que mostra que as emissões de óxido nitroso são dois terços e um terço, respectivamente, mais baixos do que se pensava anteriormente.

De acordo com a nova medição de óxido nitroso, a emissão total de gases de efeito estufa de cada setor é a seguinte:

• As emissões totais de ovinos (incluindo emissões de metano e óxido nitroso) serão cerca de 10,6% menores do que as relatadas anteriormente.
• As emissões totais de bovinos de corte (incluindo emissões de metano e óxido nitroso) serão 5% menores do que as relatadas anteriormente.
• As emissões totais de gado leiteiro (incluindo emissões de metano e óxido nitroso) serão 1,4% menores do que as relatadas anteriormente.

A melhoria no cálculo das emissões resulta em uma redução de 4,4% nas emissões relatadas gerais do setor agrícola para 2017 e uma redução de 2,1% nas emissões relatadas gerais da Nova Zelândia.

Esta nova pesquisa significa que a contribuição geral do gado para as emissões de efeito estufa da Nova Zelândia é menor do que o calculado anteriormente.

Também levará a uma redução nas pegadas de carbono para a produção animal na Nova Zelândia, como uma porcentagem do total de emissões, particularmente ovelhas, que já é muito baixa em comparação com a pegada de carbono de ovelhas e bovinos em outros países.

“O setor agrícola está comprometido em fazer seu papel no desafio das mudanças climáticas, e o setor de ovinos e bovinos da Nova Zelândia já reduziu suas emissões globais de gases de efeito estufa em mais de 32% desde 1990, mantendo níveis de produção semelhantes”, disse o diretor de insight da Beef + Lamb da Nova Zelândia (B + LNZ), Jeremy Baker.

“Esta pesquisa destaca como a compreensão sobre a contribuição da pecuária para o aquecimento continua a evoluir e a importância de continuar investindo em ciência nessas áreas”.

Fonte: GlobalMeatNews.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Os comentários estão encerrados.