China está perto de recuperar todo o seu rebanho suíno, diz governo
23 de junho de 2021
Governo divulga as regras do Programa de Seguro Rural para os próximos três anos
24 de junho de 2021

Emissões da cadeia de abastecimento de carne bovina podem ser reduzidas em mais de 30% até 2030

As contribuições da cadeia de abastecimento de carne bovina para as emissões globais de GEE precisam diminuir, e podem. O Rabobank antecipa que o mercado será o impulsionador mais eficaz da redução das emissões de GEE e acredita que as emissões da cadeia de abastecimento de carne bovina podem ser reduzidas em mais de 30% até 2030 nos principais mercados. Mas para desbloquear as oportunidades, é necessária liderança.

Todos os setores e cadeias de abastecimento precisam reduzir as emissões, e a cadeia de abastecimento de carne bovina não é exceção. As cadeias de suprimentos da carne bovina respondem por cerca de 6% das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE), dos quais cerca da metade são responsáveis ​​pelo estágio de produção de carne da cadeia de suprimentos.

Novas e emergentes tecnologias e práticas de manejo – abrangendo produção de ração, criação de gado, alimentação de gado e manejo de solo e pastagem – oferecem oportunidades significativas para reduzir as emissões. Mas esse não é o único recurso, as emissões da cadeia global de abastecimento de carne bovina também podem ser reduzidas significativamente, transferindo-se as melhores práticas das cadeias de abastecimento de carne bovina mais eficientes para as menos eficientes.

O principal motivador será o mercado

De acordo com o Rabobank, os compromissos das empresas de alimentos e agronegócios (F&A) para reduzir as emissões de GEE da cadeia de abastecimento de carne bovina e outras proteínas animais estão aumentando.

“Acreditamos que, na maioria das regiões, essas iniciativas provavelmente serão impulsionadores mais eficazes de ações para reduzir as emissões de GEE nas cadeias de fornecimento de carne bovina do que as regulamentações governamentais”, disse Eva Gocsik, analista de Proteína Animal do Rabobank.

As metas voluntárias estabelecidas pelas empresas de F&A oferecem maior agilidade e reconhecimento mais claro para a redução de emissões, e sistemas estão sendo estabelecidos para aumentar a credibilidade dessas ações. Em contraste, as abordagens regulatórias costumam encontrar problemas de medição e relatórios.

“Para continuar sendo a força motriz, as abordagens baseadas no mercado precisarão demonstrar progresso, caso contrário, serão substituídas pela regulamentação”, explicou Gocsik.

Possibilidade de redução significativa nas emissões

O Rabobank vê espaço para reduzir as emissões de GEE em mais de 30% até 2030 na Europa, América do Norte, Brasil, Argentina e Oceania. Isso significaria uma redução das emissões da cadeia de fornecimento de carne bovina em pelo menos 0,6 gt de CO2 equivalente (CO2-eq) até 2030. As maiores reduções são esperadas na produção de ração a montante e nos estágios de produção de gado da cadeia.

“Se a ação puder ser acelerada por meio de desenvolvimentos de tecnologia ou incentivos mais claros, acreditamos que as emissões poderiam ser reduzidas em cerca de 40% até 2030 nesses principais mercados”, disse Gocsik. “Acreditamos que as ações para reduzir as emissões nos principais mercados também terão benefícios indiretos em outros mercados de carne bovina, levando a reduções de cerca de 5%.”

A liderança é necessária para desbloquear oportunidades

O desalinhamento de benefícios e custos ao longo das cadeias de fornecimento de carne bovina está impedindo o progresso na redução de emissões. Mas, de acordo com o Rabobank, a liderança em empresas de F&A ativas nas cadeias de fornecimento de carne bovina tem a capacidade de desbloquear oportunidades latentes. Para fazer isso, as empresas de F&A precisam definir metas ambiciosas para reduzir as emissões, promover a inovação e permitir que os parceiros da cadeia de abastecimento trabalhem juntos para atingir seus objetivos.

“Também há necessidade de reconhecimento explícito e recompensa pela redução de emissões. Isso não deve ser visto apenas em termos de preços mais altos – outros benefícios da redução de emissões incluirão ganhos de produtividade, gerenciamento de risco aprimorado, acesso a novos mercados e marca e reputação aprimoradas ”, disse Gocsik.

Fonte: BEEF Magazine, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

2 Comments

  1. Oiee tudo bem? Onde encontramos as datas das noticias aqui? Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *