Embrapa inaugura novos laboratórios do futuro em Pelotas

Nesta quarta-feira (12/12), o presidente da Embrapa,  Sebastião Barbosa, esteve na Embrapa Clima Temperado (Pelotas,RS) para inaugurar duas estruturas de pesquisa que vão atender o mercado de alimentos saudáveis e de bioinsumos, demandas das cadeias produtivas gaúchas e que se estendem para todo o país.

Os laboratórios fazem parte do complexo Núcleo de Alimentos e Núcleo de Bioinsumos e Recursos Genéticos e foram abertos ao público de interesse da Empresa, com a presença de importantes lideranças da agricultura do Rio Grande do Sul. O ato solene aconteceu nas dependências do centro de pesquisas, localizado à BR 392, Km 78. O presidente cumpriu também uma agenda de visitação as bases físicas da Unidade.

>A solenidade aconteceu às 13h30, com o descerramento de placa inaugurativa por Sebastião Barbosa, pelo chefe-geral da unidade, Clenio Pillon. Compuseram o ato solene parceiros estratégicos do centro de pesquisas, como o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do RS (Federarroz), Henrique Dornelles; o presidente da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) e  prefeito de São Lourenço do Sul, Rudinei Harter; o  reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pedro Curi Hallal; o presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Agricultura do RS e secretário de Desenvolvimento Rural de Pelotas, Jair Seidel; a vice-prefeita do município de Capão do Leão,Gilciane Baldassari; o presidente do Sindicato das Indústrias de Doces e Conservas Alimentícias de Pelolas(Sindocopel), Paulo Crochemore; o presidente do Instituto Brasileito de Olivicultura (Ibraoliva), Eudes Marchetti; e o primeiro vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no RS (Fetag/RS), Nestor Bonfante.

Os Novos Núcleos

As duas estruturas são uma entrega de investimento em infraestrutura feitos pela Embrapa para dar suporte às atividades da programação de pesquisa conduzidas pelo centro de pesquisas de Pelotas. Elas fazem parte de uma estratégia de racionalização de custos e compartilhamento de espaços coletivos de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

>O Núcleo de Alimentos dará respostas aos mercados de alimentos saudáveis, com o envolvimento de áreas de tecnologias de alimentos e pós-colheita; e o Núcleo de Bioinsumos e Recursos Genéticos contemplará as áreas de biologia molecular, cultura de tecidos e bioinsumos, que darão suporte aos programas de melhoramento genético de cereais, frutas e hortaliças e que trabalham no desenvolvimento de processos e ativos de base biológica para uso na agricultura, relacionados à fixação biológica de nitrogênio, promoção de crescimento das plantas, novos fertilizantes e biorremediação. Também faz parte deste Núcleo, o Laboratório de Análises de Azeites. A estrutura dará suporte ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para garantir a qualidade dos azeites comercializados no país.

A construção dos Núcleos teve início em 2014 e contou com recursos da Embrapa e aporte adicional de emenda parlamentar de autoria do deputado federal Paulo Pimenta. Foram investidos cerca de três milhões e trezentos mil reais para concretização da estrutura de pesquisa.

Aproximação do setor produtivo e dos produtores familiares

O presidente Sebastião Barbosa começou sua fala num tom de agradecimento, percebendo nos detalhes  o carinho com que foi recebido na Unidade, desde o operário mais humilde até o pesquisador mais graduado, além de destacar todos os responsáveis pela condução da obra e a todos os empregados que de alguma forma estiveram envolvidos para concretização das novas estruturas.

“Eu confio, e dou carta branca, para quem deseja trabalhar e desenvolver pesquisa com a unidade, atentando  para a necessidade de aproximação do setor produtivo empresarial, dos pequenos agricultores e também trabalhar com a transferência de tecnologias àquelas regiões distantes dos processos de desenvolvimento de pesquisa no Brasil”, falou Barbosa.

“Chegamos a um momento em que a Embrapa precisa mudar. Existe alguém que diz que em time vencedor não se muda, mas existe um conceito diferente hoje. Sim, se pode mexer em time que está vencendo para continuar vencendo. Então, nos 45 anos da Embrapa, todos reconhecem e valorizam as contribuições que a Empresa deu até esse momento na agricultura no Brasil. Ela é reconhecida pela sociedade brasileira, e inclusive fora do Brasil, e isso nos dá muita satisfação e uma responsabilidade ainda maior de continuar a fazer o que a sociedade e os agricultores esperam”, falou o presidente, enfatizando que já manteve quatro encontros com a futura ministra da pasta, Tereza Cristina.

ClenioPillon destacou a importância de estar inaugurando novas estruturas de apoio a pesquisa, desenvolvimento e inovação em tempos de dificuldades econômicas no país. Ele lembrou que o resultado foi possível com muito trabalho, compromisso e articulação com os setores, representados pelas suas lideranças no ato solene.

“Em reunião com o Conselho de Agroindústria do RS, nesta semana, vi que estas estruturas atendem aos pontos que o setor coloca como essenciais para o futuro: o desenvolvimento de novos produtos com baixo teor de açúcares, direcionados ao quesito da saudabilidade e poderemos, através da pesquisa, promover estratégias e agregação de valor aos produtos da agricultura empresarial e a agricultura familiar. Além disso, entender a lógica de novos insumos, que faz com que possamos aproveitar o que há de bom em nosso sistema produtivo e colaborarmos com uma agenda de pesquisas de base biológica, que poderão ser incorporadas rapidamente pelos setores produtivos”, explicou Pillon.

Fonte: Embrapa


ou utilize o Facebook para comentar