Eles nunca irão apreciar você

Uma lei férrea da história é que a grandeza e a bondade raramente são apreciadas em seu próprio tempo. Winston Churchill foi mais ou menos expulso do cargo … duas vezes. Amelia Earhart teve que conseguir um emprego como assistente social porque ninguém lhe dava um voo (e quando ela finalmente conseguiu um, eles não a deixaram entrar na cabine de piloto). Levou mais de um século para as pessoas entenderem os talentos e o sutil gênio de Ulysses S. Grant.

Os estoicos não eram diferentes. Sêneca foi exilado. Bem como Epicteto. Marco Aurélio foi perseguido por vários rumores de um tipo ou outro. Nenhuma dessas pessoas foi totalmente apreciada em seu próprio tempo. Mesmo agora, eles recebem pouca atenção de historiadores e acadêmicos.

Então a questão é: por que você acha que vai ser diferente para você?

A verdade é que você nunca será totalmente apreciado. Não pelos seus pais. Pelos seus chefes. Pelo seu país. Por seus próprios filhos. Mas então, novamente, por que você deveria ser? Apreciar você não é o trabalho deles.

É o seu trabalho.

É por isso que é chamado de autoestima.

Esperar, ou pior, exigir aprovação ou reconhecimento de outras pessoas é um beco sem saída. Está fora do seu círculo de controle. Você vai ancorar sua felicidade e autoestima em algo tão precário quanto isso? Não, você precisa basear sua apreciação nas ações tomadas em relação ao que sabe ser correto e em ser a pessoa que sabe que é certo ser.

Deixe isso assim.

Fonte: Daily Stoic, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.


ou utilize o Facebook para comentar