Eficiência reprodutiva: a importância da IATF para a produção de carne bovina no Brasil

Apesar de deter o maior rebanho bovino comercial do mundo e ser o maior exportador mundial de carne bovina, o Brasil é o segundo maior produtor global de carne bovina, devido a uma taxa de desfrute baixa quando comparada a de seus principais concorrentes. Segundo o USDA, o Brasil apresenta uma taxa de desfrute de 22%, enquanto Austrália e Estados Unidos apresentam Taxas de Desfrute de 30,7% e 37%, respectivamente.

Um dos entraves quanto à produção de carne bovina no Brasil está na área de reprodução animal. Os índices reprodutivos de pecuária brasileira ainda são deficientes, ou seja, possuímos alto intervalo entre partos, taxas de serviço e de concepção baixas que interferem diretamente na taxa de prenhez do rebanho, e influenciam na reduzida taxa de desfrute.

De acordo com os dados da ASBIA de 2003, apenas 7% das fêmeas em idade reprodutiva são inseminadas no Brasil. Desse total, estima-se que cerca de 20% das inseminações são realizadas pela técnica de tempo fixo. No entanto, a IATF é considerada uma forte tendência para o desenvolvimento da pecuária nacional, e já está sendo amplamente utilizada em criações extensivas por facilitar e muitas vezes viabilizar o uso da inseminação artificial (IA).

Para se obter um bom desempenho reprodutivo e, conseqüentemente, produtivo, deve-se atentar às limitações impostas à eficiência reprodutiva que prejudicam a taxa de prenhez da fazenda. Essas limitações referem-se às falhas na detecção do estro e ao anestro pós-parto.

Devido a essas limitações, tornou-se de grande interesse econômico o desenvolvimento da biotecnologia reprodutiva de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) que visa induzir a ovulação e sincronizar o cio por meio de protocolos hormonais, sem necessidade de detecção do cio.

Por conseguinte, este artigo visa abordar alguns pontos críticos no que se refere à implantação da IATF e à problemática da detecção do cio, estabelecendo importantes benefícios ao produtor, assim como para o desenvolvimento da pecuária nacional, obtido através dessa biotecnologia reprodutiva.

No Brasil, estima-se que cerca de 50% das vacas estão em anestro por ocasião do início da estação de acasalamento, principalmente devido às deficiências nutricionais e à baixa condição de saúde dos ventres (Madureira et al., 2006). Também, quando poucas vacas são detectadas em cio ocorrem significativas perdas da eficiência reprodutiva do rebanho (Baruselli et al., 2004).

Estima-se que as perdas econômicas das indústrias de leite dos EUA atinjam $300milhões anualmente devido a falhas na detecção ou pela detecção inadequada do cio de animais taurinos (Senger, 1994). Tal situação é mais grave quando se trata de animais zebuínos devido ao seu comportamento reprodutivo caracterizado pelo cio de curta duração e com elevado percentual de manifestação durante o período noturno. Estas diferenças foram comprovadas no trabalho de Mizuta (2003) e PINHEIRO et. al., (1998), cujos resultados estão apresentados na tabela 1 e gráfico 1, respectivamente.

Tabela 1. Características de estros avaliados por radiotelemetria e intervalo estro-ovulação em vacas Nelore (Bos indicus), Angus (Bos taurus) e Nelore X Angus (Bos indicus X Bos taurus).

Gráfico 1. Porcentagem de vacas Nelore que começaram (C), terminaram (T) ou que começaram e terminaram (CT) o cio durante o dia ou à noite.

Portanto, esses trabalhos ratificam e expressam a importância de se realizar um controle mais apurado na detecção do estro ou cio, e reforçam a idéia da utilização da biotecnologia reprodutiva da IATF para contornar esses entraves prejudiciais à eficiência reprodutiva.

Para que se implante um programa de IATF na fazenda, a mesma deve possuir boa infra-estrutura, boa nutrição do rebanho e escore de condição corporal satisfatório (mínimo 2,5 em uma escala de 1 a 5) das vacas, adequado controle sanitário, deve-se utilizar sêmen de qualidade, ter conhecimento do estado reprodutivo das fêmeas, assim como estabelecer o protocolo de IATF mais adequado ao rebanho. Portanto, os protocolos de IATF devem ser realizados somente por profissionais capacitados para tal atividade, com a ajuda de funcionários bem treinados e grande comprometimento do proprietário.

Em suma, as principais vantagens da IATF são: inseminação com dia e hora marcados, eliminação da detecção de cio, indução da ciclicidade em vacas em anestro, redução do intervalo entre partos, atingir o objetivo de obter 1 bezerro/vaca/ano, melhor acompanhamento reprodutivo das matrizes, padronização dos lotes de bezerros e racionalização da mão-de-obra.

Assim, pode-se concluir que emprego da IATF é de fundamental importância para o desenvolvimento da pecuária e da economia brasileira. Sua correta utilização resulta aumento da taxa de serviço e de concepção e, consequentemente, no aumento da taxa de prenhez, o que proporciona ao rebanho uma redução do intervalo entre partos, redução do período de serviço e a elevação taxa de desfrute da fazenda, ou seja, permite ao produtor que se intensifique a produção de carne ou leite/hectare/ano, alavancando melhores retornos econômicos sem necessidade de ampliação das fronteiras agrícolas.

Referências Bibliográficas

http://www.usdabrazil.org.br/

ASBIA, CONSELHO TÉCNICO. Manual de inseminação artificial, São Paulo, 2003. 46p.

MADUREIRA, E. H. ; Fernandes R.H.R. ; ROSSA, Luis Augusto Ferreira ; BRAGA, F. A. ; FERNANDO j d PARDO . Anestro pós-parto em bovinos: A suplementação com óleos vegetais pode ser útil para encurta-lo? In: Simpósio Internacional de Reprodução Animal Aplicada, 2006, Londrina. Biotecnologia da Reprodução em Bovinos, 2006. p. 63-70.

BARUSELLI, P. S.; REIS, E. L.; MARQUES M. O. Técnicas de manejo para aperfeiçoar a eficiência reprodutiva em fêmeas bos indicus. Grupo de Estudo de Nutrição de Ruminantes – Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal – FCA – FMVZ – Unesp, Botucatu, São Paulo, 2004, p.18.

SENGER, P. L. The estrus detection problem: new concepts, technologies, and possibilities. J. Dairy Sci. 77, p. 2745-2753, 1994.

MIZUTA, K. Estudo comparativo dos aspectos comportamentais do estro e dos teores plasmáticos de LH, FSH, progesterona e estradiol que precedem a ovulação em fêmeas bovina Nelore (Bos taurus indicus), Angus (Bos taurus taurus) e Nelore X Angus (Bos taurus indicus X Bos taurus taurus). 2003, 98f. Tese (Doutorado em Reprodução Animal). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, 2003.

PINHEIRO, O. L.; BARROS, C. M.; FIGUEIREDO, R. A.; VALLE, E. R.; DO, ENCARNAÇÃO, R. O.; PADOVANI, C. R. Estrous behavior and estrus-to-ovulation interval in Nelore cattle (Bos indicus) with natural estrus or estrus induced with prostaglandin F2 alfa or norgestomet and estradiol valerate. Theriogenology, v. 49, p. 667-681, 1998.


ou utilize o Facebook para comentar