Categories: Giro do Boi

Economia chinesa tende a parar com nova epidemia

A rápida propagação de um novo coronavírus, potencialmente devastador, trouxe pânico à China e assustou os mercados financeiros ao redor do mundo. A acelerada progressão das mortes e o aparecimento de casos em pelo menos 13 países — a maioria deles asiáticos — levou a China a experiência inédita em tempos de paz — isolar a região de Hubei, com 60 milhões de habitantes, e sua capital, Wuhan, com 11 milhões, do resto do país e do mundo. Até anteontem, os números oficiais registravam 106 mortes e 4.515 pessoas infectadas.

A evolução da doença é imprevisível e informações relevantes para enfrentá-la não estão disponíveis. Caso o passado sirva de guia, o surto de síndrome respiratória aguda grave, em 2002 e 2003, provocou estragos importantes e de curta duração, seguidos de recuperação econômica rápida. Não há garantias disso, porém.

Os mercados tombaram na segunda e recuperaram-se parcialmente na terça, ao precificar consequências futuras de um surto da mesma extensão e intensidade da Sars na segunda maior economia do mundo. Em um ano o PIB chinês caiu 2 pontos percentuais e alguns bancos internacionais projetam um estrago ao redor de 1,2% no PIB deste ano e redução de 0,5% no crescimento global, que permanece claudicante.

Como a economia chinesa mudou bastante nos últimos 18 anos, é possível que os efeitos negativos sejam maiores, sempre supondo que o vírus será controlado, como foi o da Sars. Em 2003, o PIB chinês era de US$ 1,66 trilhão e hoje é oito vezes maior, de US$ 13,1 trilhões. O colapso do consumo e da produção decorrentes de epidemia seriam proporcionalmente maiores do que em 2003. E, pela mudança do modelo de crescimento do país, o consumo passou a ter um maior papel, no lugar dos investimentos e das exportações. Pelos números do FMI sobre o PIB pelo lado da demanda, o consumo move 76,2% do PIB e o investimento 32,4% — sua menor fatia em muito tempo.

Desde que assumiu plenos e concentrados poderes, que pretende vitalícios, o presidente Xi Jinping passou a enfrentar desafios em série. Donald Trump, no comando da maior economia do mundo, moveu uma guerra tarifária contra a China, a parte de uma estratégia que busca cortar o caminho dos chineses à vanguarda da revolução tecnológica. Pequim fez concessões secundárias até agora.

Depois, uma gripe suína africana devastou metade do rebanho, o que elevou o preço das carnes no mercado mundial em 30%. E agora uma nova versão do coronavírus veio a paralisar o país. A ação do governo chinês foi a mais contundente, porém, em uma época pouco propícia, o Ano Novo Lunar, feriado no qual cerca de 100 milhões de chineses viajam pelo país. Apenas de Wuhan, o foco da epidemia, saíram 4 milhões. O feriado foi estendido até o dia 2 de fevereiro, enquanto que todas viagens de e para a região estão proibidas.

As atividades produtivas foram interrompidas. Xangai suspendeu todas as aulas e funcionamento de empresas até 9 de fevereiro. Hong Kong limitou as viagens para o continente, enquanto Pequim proibiu a circulação nos locais mais visitados da cidade e limita o acesso à capital. Mesmo atitudes drásticas, tomadas pela ditadura, não evitaram críticas. O governo provincial notou casos de pneumonia sem causa desconhecida em dezembro, mas sua divulgação dependia de autorização do governo central. Em 31 de dezembro, 27 casos vieram à tona. Há suspeitas de que o vírus então já circulava há um mês, mas foi apenas a partir de 20 de janeiro que o PC chinês tomou medidas severas para tentar atenuar a propagação.

É possível que a mortalidade e os prejuízos econômicos sejam contidos a curto prazo. A China tem toda a infraestrutura necessária para combater o vírus e experiência do passado a seu favor. O vírus causou estragos relevantes, mas só em Hubei. De 81 mortes registradas até segunda-feira, 76 ocorreram na província. O destino do combate ao coronavírus, e a magnitude dos prejuízos humanos e financeiros, dependerão de respostas que ainda não existem. Há indícios de que o vírus é transmitido no período de incubação, antes dos sintomas aparecerem. Se for assim, controlar a epidemia será mais difícil, custoso e demorado, e mais fácil a proliferação global.

A recuperação mundial, já moderada, sofrerá o impacto, assim como o Brasil, que tem na China seu principal mercado exportador, que compra minério de ferro, petróleo e alimentos. Os dois primeiros setores serão os mais afetados em caso de uma crise sanitária longa e grave.

A recuperação mundial encontra novo obstáculo, assim como o Brasil, que tem na China seu principal mercado de exportação.

Fonte: Valor Econômico.

This post was published on 29 de janeiro de 2020

Share
Published by
Equipe BeefPoint

Recent Posts

China deverá comprar mais carne bovina dos EUA

Por Greg Bloom Há muitas notícias sobre a China no ano passado que foram amplamente… Read More

23 de novembro de 2020

Grupo de pecuária sustentável atualiza guia ambiental para setor produtivo

Novos indicadores para orientar o setor produtivo a atingir a pecuária sustentável acabam de ser… Read More

23 de novembro de 2020

Eleição de Biden trará muitos efeitos para o agro brasileiro, diz Marcos Jank

O professor sênior de Agronegócio Global do Insper, Marcos Jank, disse nesta quinta-feira (19/11) que… Read More

23 de novembro de 2020

Preço da reposição segue firme e liquidez em leilões é total

Ao longo desta semana, o mercado de reposição operou com preços firmes, sustentados pela maior… Read More

23 de novembro de 2020

Arroba do boi termina a semana estacionada em R$ 285 em São Paulo

Na semana passada, o mercado brasileiro do boi gordo registrou quedas nos preços da arroba,… Read More

23 de novembro de 2020

JBS USA cobrirá todos os custos de saúde relacionados à covid-19 de seus empregados

A JBS USA informou nesta sexta-feira (20) que vai cobrir 100% dos custos de saúde… Read More

23 de novembro de 2020