Produção agroindustrial volta ao nível pré-pandemia
21 de julho de 2021
Commodities e itens relacionados responderam por quase um quinto da receita de empresas em 2019,diz IBGE
21 de julho de 2021

DSM, de suplementação animal, cria operação de ‘barter bovino’

A holandesa DSM, detentora da marca Tortuga, de suplementos nutricionais para animais, anunciou nesta terça-feira que agora seus produtos poderão ser comprados por preço atrelado ao valor da arroba do boi. A iniciativa, uma espécie de “barter” (troca de produção por insumo) para o segmento, foi batizada de P@go.

Pecuaristas de todo o país poderão adquirir a suplementação por valores pré-estabelecidos por meio do indicador Esalq/BM&F, utilizado como referência para o mercado futuro dos bovinos. Segundo a empresa, o serviço é inédito.

“Ao atrelar os nossos preços à moeda do pecuarista, que é a arroba do boi gordo, conseguimos assegurar o planejamento dos custos com a nutrição do rebanho, um fator importante principalmente para os confinadores que se planejam com muita antecedência, por exemplo”, diz, em nota, Juliano Sabella, diretor de marketing da área de ruminantes da DSM no Brasil. 

Nesse novo modelo de precificação, o produtor poderá ficar com a diferença do valor caso o preço da arroba na data de pagamento seja menor que o de quando ocorreu a compra – o montante ficará como crédito para um próximo pedido. Caso o inverso aconteça (valor da arroba na data do pagamento maior que o do dia da compra), o pecuarista não precisará pagar a diferença. 

“No nosso modelo, o produtor nunca perde. Ele não precisa pagar essa diferença, ficando com o lucro da valorização para ele”, acrescenta Sabella. A DSM explica que a empresa consegue manter essa relação comercial por realizar operações de hedge, o que permite repassar essa proteção ao preço dos seus produtos. 

“O produtor pretendia travar o custo e a DSM não conseguia porque os fornecedores não têm necessariamente uma relação com o mercado do boi. Muitas matérias-primas são importadas e atreladas ao câmbio”, diz o executivo.

Fonte: Valor Econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *