Devido à desvalorização, a Argentina tem o novilho mais competitivo da região

Nos últimos dez dias, o baixo preço em dólar do novilho argentino, apesar do aumento em pesos, se destacou entre os movimentos do Mercosul.

Argentina: o novilho pesado adequado para Hilton caiu 12 centavos (5%) para US $ 2,34, o menor preço registrado em muitos anos. Os frigoríficos de exportação aumentaram suas ofertas entre US $ 1 e US $ 2,50, com algumas plantas que mantiveram seus valores, devido à oferta zonal.

Na média, os preços subiram US $ 0,90 (1,4%), enquanto o dólar subiu quase 7% no mesmo período. Deve-se notar que a taxa de câmbio acumulou um aumento de 32% em 50 dias, com a qual o peso perdeu 25% de seu valor em relação à moeda norte-americana.

A partir do momento em que o governo liberou o mercado de câmbio, poucos dias depois de tomar posse, a taxa de câmbio aumentou 105% em relação à inflação de 101% nos mesmos 30 meses, o que significa que a taxa atual é virtualmente a daquele momento, em termos reais.

Uruguai: o preço do novilho terminado caiu 2 centavos (1/2%) para fechar em US $ 3,57, o que o mantém como o mercado de maior custo na região. Ao dizer dos consignatários, na praça há um bom nível de atividade, ao mesmo tempo em que o negócio é revitalizado.

O trabalho na semana até o dia 15 de junho somou mais de 45 mil cabeças, marcando 11% a mais do que no anterior e 10% acima da média de dez semanas, 11% menor que a de um ano atrás.

Paraguai: O último preço de US $ 3,10 permaneceu inalterado. O momento de baixa que teve seu valor ao longo de maio foi interrompido desde o início do atual mês.

Brasil: registrou o único aumento em dólares na região. Foi de 3 centavos, para US$ 2,46. Uma queda adicional no preço em reais, de meio por cento, foi mais do que compensada pela valorização da moeda local em relação ao dólar, de quase 2%, quando a taxa de câmbio passou de 3,81 para 3,74.

A fraqueza da demanda interna e a maior oferta pela entrada de parte significativa da área de pecuária na estação seca, sobrepõem-se a uma série de exportações que apresentam volumes menores. Após nove meses consecutivos, com aumentos de dois dígitos na comparação com o mesmo período do ano anterior, em abril as 70 mil toneladas empataram o registro do ano anterior e o mesmo ocorreu com as 90 mil toneladas de maio, embora este número ainda esteja em discussão. Há indicações de que as vendas de junho ao exterior também mostrariam um número menor.

Fonte: Valor Carne.

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios


ou utilize o Facebook para comentar